O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Republica companheira: o Ipea em tempos orwellianos

Sem comentários. E precisa?
Lamento pelos meus muitos amigos que trabalham no Ipea.
Paulo Roberto de Almeida 

Mais um pesquisador pede demissão do Ipea por 'represamento' de dadosAlém de Herton Araújo, que colocou o cargo à disposição depois de ser impedido de divulgar estudo mostrando que pobreza não caiu de 2012 para 2013, Marcelo Medeiros pede para sair

Renata Mariz

Correio Braziliense: 22/10/2014 


A crise interna no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), iniciada com a proibição da divulgação de dados negativos para o governo no período pré-eleitoral, levou a mais um pedido de exoneração. Além de Herton Ellery Araújo, que colocou o cargo de diretor à disposição depois de ser impedido de apresentar estudo feito anualmente a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) mostrando que a pobreza extrema parou de cair no Brasil, Marcelo Medeiros também pediu para sair.

A carta de demissão do pesquisador — em que solicita deixar a vice-coordenadoria de Estudos de População, Desenvolvimento e Previdência — foi entregue em setembro ao chefe imediato. Embora não tenha abordado no documento o motivo do pedido, Medeiros expressou verbalmente, na presença de testemunhas, o descontentamento com o represamento de dados. Mesma razão que levou Herton a pedir demissão do cargo de diretor de Estudos e Políticas Sociais.

O imbroglio no instituto coincidiu com o início da campanha eleitoral, mas se agravou ao longo do último mês, quando o estudo de avaliação dos resultados da Pnad, que é feito e divulgado anualmente, ficou pronto. Entre as conclusões, uma tinha potencial para arranhar a principal vitrine do governo da presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição: a pobreza extrema não caiu entre 2012 e 2013.

Postar um comentário