O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Cuba: minha primeira experiencia com o Facebook

Explico: não se trata de Cuba e o Facebook, uma conexão pelo menos bizarra, como vocês devem imaginar.
Mas é que Cuba foi o objeto de minha primeira postagem no FaceBook, em 2010, quando eu ainda resistia a esta ferramenta, e na verdade fiquei ausente por mais três anos depois dessa experiência isolada e pioneira.
Quando decidir testar o novo instrumento, resolvi fazer um comentário sobre o anúncio pelo governo ditatorial em torno das mudanças econômicas na ilha, que pareciam prenunciar uma revolução capitalista no regime castrista, em direção de um sistema de tipo chinês, ou pelo menos vietnamita.
Nada disso aconteceu, como se sabe, mas aproveito para postar aqui o texto que fiz em setembro de 2010, em plena campanha eleitoral no Brasil.
Quatro anos depois, Cuba não mudou muito, ou quase nada, e o Brasil, se mudou alguma coisa, foi para pior, talvez no caminho de Cuba (aliás, ainda não se discutia a sustentação financeira da ditatura pelos companheiros totalitários do partido hegemônico brasileiro.
Em todo caso, rever antigos textos é sempre inspirador...
Paulo Roberto de Almeida 

O desenvolvimento do capitalismo em Cuba

September 20, 2010 at 10:07am
O mesmo título, substituindo Cuba por Rússia, foi usado no único livro de Lênin que foi resultado de pesquisa semi-acadêmica. Ele lidou com estatísticas agrárias, industriais e alguns outros indicadores econômicos, e foi tudo. As teses estavam pré-determinadas, e o resultado final, antecipadamente, era anunciado como sendo o socialismo, como a única via de "salvação" da Rússia, para fora do "purgatório capitalista", construindo o "paraíso socialista".
Depois de outro livro pretensamente teórico -- Imperialismo, etapa superior do capitalismo -- no qual ele copiou desavergonhadamente Hobson e Rosa Luxemburgo, Lênin se entregou a tarefas mais práticas, passando a construir o seu socialismo, depois de seu putsch de novembro de 1917.
Enfim, deu no que deu: miséria humana, escravidão da classe trabalhadora, e o maior desastre social, econômico e humano já vivido pela nação russa. Demorou setenta anos para acabar, mas acabou.
Pois bem, agora é Cuba que ensaia o caminho de volta do socialismo, em direção ao capitalismo.
Já deveriam ter aprendido bem antes: se não cinquenta anos atrás, pelo menos 20 anos atrás, quando a URSS se desfazia.
Vou seguir o edificante exemplo cubano, que se prepara para jogar no olho da rua um milhão (eu disse UM MILHÃO) de trabalhadores estatais, que são redundantes. Para que vocês tenham um ideia do que isso significa, basta dizer que a população total da ilha é de 11,2 milhões de pessoas, com menos de 5 milhões de PEA (ativos), ou seja, uma proporção enorme de desempregados potenciais, mais de 20% jogados na fila de desemprego. Bem, em Cuba eles tem muita experiência de fila, assim que este não é o problema.
O problema é que antes se fazia fila para receber a magra ração do governo, e dorenavante não haverá mais fila pois cada um terá de se virar por si mesmo.
Antevejo um lampejo de capitalismo em Cuba, e com isso a plutocracia gerontocrática será colocada no olho da rua, por sua vez.
Já não era sem tempo...
Paulo Roberto de Almeida

Livro: uma leitura exemplar, Escorel sobre Maquiavel, e uma reflexao propria...

Estou lendo, para resenhar para o meu tradicional Prata da Casa, este livro aqui:



Lauro Escorel:
Introdução ao Pensamento Político de Maquiavel
(3a. ed.; Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, FGV, 2014, 344 p.; ISBN: 978-85-88777-59-0)

            Escrito em 1956, publicado pela primeira vez em 1958, novamente em 1979, este clássico da maquiavelística brasileira é agora apresentado por um acadêmico e complementado por uma conferência de 1980 do autor, que se tornou “maquiavélico” ao servir na capital italiana em meados dos anos 1950. 
Para Escorel, “as observações de Maquiavel sobre a política externa dos Estados continuam a apresentar... uma extraordinária atualidade” (p. 329-30). O florentino foi o primeiro grande teórico da política do poder.   
Mas no plano interno também, Escorel segue Maquiavel no sentido em que a política é um “regime de precário equilíbrio entre as forças do bem e as forças do mal, em que estas muitas vezes superam aquelas...” (34). Os dois colocam o “problema cruciante das relações da política com a moral”, que está no centro da obra do italiano.
Escorel argumenta, em sua introdução escrita em Roma, em 1956, que a política "é uma técnica e, como tal, está voltada naturalmente para um objetivo prático: o êxito na obtenção de seus fins específicos, que são a conquista e a manutenção do poder. Mas é uma técnica que deve servir a uma finalidade ética: a aplicação efetiva do poder em benefício da comunidade. Um político imoral, portanto, é aquele que utiliza a técnica política para satisfazer objetivos particularistas egoístas, caso em que serea também um político incompentente, uma vez que estará agindo em detrimento da comunidade a que deve servir" (36).
"Na medida em que a política é uma técnica e uma arte, dotadas de características e exigências peculiares, pode-se dizer que Maquiavel a conheceu e analisou como ninguém, legando ao mundo moderno a mais lúcida e implacável análise que jamais foi realizada de sua natureza ambígua e contraditória" (36-37).

Eu também procurei, como Maquiavel, embora numa escala bem mais modesta, ir em busca da verità effetualle della cosa, escrevendo um "O Príncipe, revisitado: Maquiavel para os contemporâneos" (disponível em edição Kindle), como informado abaixo. As circunstâncias dessa "reflexão no deserto", ou no ostracismo, foram mais ou menos similares, embora menos dramáticas as minhas do que as do florentino, torturado pelo novo regime que tomou o poder na sua cidade natal. No meu caso não era minha cidade natal, e a "tortura" assumiu outras formas...
Mudanças de regime são sempre desafiadoras para os que buscam certo equilíbrio entre a moral e a política, em face de novos donos do poder simplesmente imorais...
Paulo Roberto de Almeida 

Start reading O Príncipe, revisitado: Maquiavel para os contemporâneos on the free Kindle Reading App or on your Kindle in under a minute. Don't have a Kindle? Get your Kindle here.

OR

with Kindle Unlimited
Deliver to:
Enter a promotion code
or gift card
 


Try it free

Sample the beginning of this book for free

Click to open expanded view

O Príncipe, revisitado: Maquiavel para os contemporâneos (Portuguese Edition) [Kindle Edition]

Paulo Roberto Almeida , Pedro Paulo Palazzo de Almeida

Kindle Price: $4.35
Kindle Unlimited Read this title for free and get unlimited access to over 700,000 titles. Learn More




Free Kindle Reading App Anybody can read Kindle books—even without a Kindle device—with the FREE Kindle app for smartphones, tablets and computers.

Pausa para... a historia recente do Brasil em 3 quadrinhos...

Um criador, um parasita, uma madeireira...

RBPI: numero especial sobre a China

​O Instituto Brasileiro de Relações Internacionais – IBRI informa o lançamento da edição especial da Revista Brasileira de Política Internacional – RBPI, intitulada

China rising – strategies and tactics of China’s growing presence in the world

editada por Henrique Altemani de Oliveira, Professor da Universidade Estadual da Paraíba – UEPB e por Antônio Carlos Lessa, professor da Universidade de Brasília e editor da RBPI.

Editorial
China rising – strategies and tactics of China’s growing presence in the world: a special issue of RBPI, by Henrique Altemani de Oliveira & Antônio Carlos Lessa

Articles
Mao’s steps in Monroe’s backyard: towards a United States-China hegemonic struggle in Latin America?, by Jose León-Manríquez & Luis F. Alvarez;
Swords into ploughshares? China’s Soft Power strategy in Southeast Asia and its challenges, by Tony Tai-Ting Liu & Tung-Chieh Tsai;
China’s rising Soft Power: the role of rhetoric in constructing China-Africa relations, by Lucy Jane Corkin;
Japan and India: soft balancing as a reaction to China’s rise?, by Wellington Amorim & Antonio Henrique Lucena da Silva;
The international implications of the Chinese model of development in the Global South: Asian Consensus as a network power, by Javier Vadell, Leonardo Ramos, Pedro Neves;
Brazil, China, US: a triangular relation?, by José Augusto Guilhon-Albuquerque;
China’s proposing behavior in Global Governance: the cases of the WTO Doha Round negotiation and G-20 process, by Hongsong Liu;
South-South relations and the English School of International Relations: Chinese and Brazilian ideas and involvement in Sub-Saharan Africa, by Joseph Marques & Anthony Spanakos;
Between system maker and privileges taker: the role of China in the Greater Mekong Sub-region, by Truong-Minh Vu;
Chinese energy policy progress and challenges in the transition to low carbon development, 2006–2013, by Larissa Basso & Eduardo Viola;
The tale of a Trojan horse or the quest for market access? China and the World Trade Organization, by Sven Van Kerckhoven & Adriaan Luyten;
Peaceful rise and the limits of Chinese exceptionalism, by Raquel Vaz-Pinto;
Macau in China’s relations with the lusophone world, by Carmen Amado Mendes;
Muddle or march: China and the 21st century Concert of Powers, by Weizhun Mao;
Chinese engagement for Global Governance: aiming for a better room at the table?, by Henrique Altemani de Oliveira & Alexandre César Cunha Leite.

Esta edição pode ser adquirida na Loja do IBRI

Hong Kong: um pais dois sistemas (e como...)



Photo
CreditPatrick Chappatte
Continue reading the main storyShare This Page 
Pro-democracy demonstrators take over Hong Kong’s streets.

Duas tragedias da humanidade: Ebola e Holocausto - Der Spiegel

Matérias desta data (30/09/2014) na revista alemã Der Spiegel:

INTERVIEW WITH EBOLA DISCOVERER PETER PIOT

'It Is What People Call a Perfect Storm'

Almost four decades ago, Peter Piot was part of the team that discovered the Ebola virus. In a SPIEGEL interview, he describes how the disease was isolated and explains why the current outbreak is different than any that have come before.
Photo Gallery: A Growing Epidemic

A VOICE FOR THE DEAD

Recovering the Lost History of Sobibór

Henchman with the Nazi SS sought to cover up the mass murder that occurred at the Sobibór concentration camp in eastern Poland. Archeologists recently uncovered the site's hidden gas chambers and important artifacts that shed light on the victims.

Eleitores nao podem ser presos: oba, pessoal! Vamos aproveitar...

Li esta chamada sobre uma das maiores jabuticabas brasileiras:
A determinação vale até 48 horas após o encerramento da votação

E me pergunto: se considerarmos o padrão "Petrobras" de assalto companheiro, não seria temerário deixar o pessoal aproveitar essa jabuticaba para se locupletar impunemente?
É só uma pergunta...
Paulo Roberto de Almeida 

Poliica externa companheira: o mundo como palanque - Mac Margolis

O mundo é um palanque 
Mac Margolis 
O Estado de S. Paulo, 28/09/2014
Mac Margolis é colaborador da Bloomberg View e colunista do 'Estado'

Este mundo é um palanque. Que o diga a presidente do Brasil, Dilma Rousseff. Com a corrida presidencial nas últimas semanas e a promessa de um final suado, a líder brasileira fez o que faz todo mandatário que se preze em momentos difíceis: viajou.
Claro, já constava na agenda presidencial a sua participação da 69.ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Afinal, o Brasil é o país que dá início à solenidade anual da ONU, que reúne chefes de Estado e de governo de 193 nações. Restou para a brasileira - ou seus marqueteiros - o lampejo de amarrar a pompa à circunstância e converter a cúpula global em comício.
Seu discurso não encantou. Como oradora, a presidente é uma excelente tecnocrata. Ela, corretamente, chamou atenção para o desequilíbrio nas instituições de governança multilateral, como o Conselho de Segurança das Nações Unidas, para o qual o Brasil reivindica um assento permanente. Exatamente como fez no ano passado, quando Brasília já era voto vencido.
Criticou as grandes potências pela sua queda por soluções militares para os conflitos no Oriente Médio, deixando para a imaginação como seria uma negociação de paz com os encapuzados do Estado Islâmico (EI).
Convocou os pares internacionais para engrossar a luta contra o aquecimento global. Perdeu a oportunidade de explicar porque o Brasil, campeão em derrubada de florestas, não se juntou aos 150 países, 35 empresas, 16 grupos indígenas e 45 grupos da sociedade civil que assinaram o compromisso de reduzir o desmatamento pela metade até 2020, na última Cúpula do Clima.
Na toada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, criticou os países ricos ("os louros de olhos azuis", como preferiu seu mentor), pelo colapso mundial após a quebra do banco Lehman Bros., crise pela qual o Brasil teria navegado com louvor.
Pulou a parte da pane na economia nacional, que recentemente embicou em recessão técnica, com inflação em alta e confiança do investidor, cadente.
Tocou apenas de raspão no tema da espionagem das agências americanas, que fez dela uma vítima e dominou seu discurso na mesma sala, no ano passado, e quase deflagrou uma crise diplomática entre Brasília e Washington. Mas esse foi o ultraje de ontem.
Hoje, com o segundo mandato em jogo, Dilma tem outro público a convencer. Por isso, enxergou no colegiado das nações um estúdio itinerante de propaganda eleitoral e seu discurso, um 'Café com a Presidenta' pelo teleprompter alheio.
Combate à desigualdade, aula magna de administração econômica, cerco implacável contra a corrupção e apoio total aos direitos dos homoafetivos: o Brasil do governo Dilma representa tudo isso e mais, afirmou.
Como a presidente brasileira, seus pares latino-americanos também escolheram o pódio internacional como atalho para as urnas.
O presidente boliviano, Evo Morales, que concorre à reeleição em outubro, jogou para a sua base andina ao propor um "tribunal do povo" para julgar os "crimes" do presidente americano, Barack Obama.
A presidente argentina, Cristina Kirchner, que sonha em fazer seu sucessor no ano que vem, aproveitou sua vez ao microfone para bater nos credores "abutres", aqueles que ao recusar os termos do acordo geral da dívida teriam levado seu país à oitava moratória externa desde 1820. "Terroristas não são apenas aqueles que jogam bombas", disse a presidente.
Cristina pegou a casa ainda cheia e atenta. Já Nicolas Maduro, da Venezuela, teve de se contentar com alguns gatos pingados. Maduro, enfim, não é Chávez, o orador dublê de bufão que encantava suas plateias com impropérios e blagues.
Dilma teve recepção melhor, em parte pelo peso do Brasil, em parte pelo horário, pois discursou logo antes de Barack Obama.
Do Brasil, emergente titular das Américas, sétima economia do mundo, sócio-fundador do grupo Brics (Rússia, Índia, China e África do Sul), o mundo talvez imaginasse um discurso à altura. Pena que tenha ouvido mais um programa do horário eleitoral, com tradução simultânea.

Mandarins da republiqueta dos privilegiados continua a afundar a Republica

Ministro do STF dá auxílio-moradia a todo o Judiciário
Folha de S. Paulo, 26/09/2014

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), estendeu o auxílio-moradia às Justiças do Trabalho, Militar, e a magistrados de nove Estados que ainda não recebem o benefício. Há quinze dias, o ministro havia autorizado o pagamento do benefício à magistratura federal, em medida liminar, o que abriu brecha para beneficiar todo o Judiciário.
Após a decisão, a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) entrou com ação pleiteando o direito para a Justiça Militar e para nove Estados que ainda não pagam o benefício. A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra) fez o mesmo movimento, em nome dos juízes do trabalho. Ao analisar as duas ações, Fux apontou que o pedido era o mesmo formulado pela magistratura federal. "Onde houver o mesmo fundamento, deve ser assegurado o mesmo direito", afirmou o ministro, nas liminares.
Ele destacou que a decisão não depende de regulamentação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Na primeira liminar, Fux sugeriu que o conselho regulamentasse a questão. Os magistrados passam a ter direito desde a data da primeira liminar concedida - 15 de agosto e em mesmo valor. Na ocasião, foi estabelecido pagamento no valor a que têm direito os ministros do Supremo, que é de R$ 4.377,73.
Além dos ministros do Supremo, já têm direito hoje ao auxílio-moradia os ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ), os conselheiros do CNJ e membros do Ministério Público, desde que não possuam residência oficial ou imóvel funcional no local de trabalho. Com as três liminares de Fux, ficam abarcados os magistrados federais, do Trabalho, da Justiça Militar e dos Estados que ainda não pagavam o benefício: Acre, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Sul e São Paulo. Os demais tribunais estaduais já efetuam o pagamento do benefício. De acordo com o CNJ, o País possui no total 16,3 mil magistrados, mas deverão receber o benefício apenas os que não possuírem residência oficial no local de trabalho.

ONU condena fundos abutre: oh, que tragedia!; os especuladores vao arrancar os cabelos...

Esse pessoal, inclusive o Brasil, não percebe que os abutres, como os abutres do mundo real, cumprem uma função útil num campo cheio de carniça, como são os processos de endividamento excessivo de governos irresponsáveis: eles obrigam os governos a se conterem, e a não comprometer o futuro de seus cidadãos com endividamento exagerado e depois calote, num ciclo infernal.
Todos os abutres, e os especuladores, desempenham um papel positivo, no sentido de conter as políticas erradas dos governos. Se especuladores pudessem especular com contas equilibradas, câmbio formado pelo mercado (e não como resultado da manipulação dos governos) e situações monetárias conformes à realidade das forças econômicas, não distorcidas pelos governos.
Abutres cumprem um papel profilático na natureza; o mesmo acontece com os dos mercados financeiros. Eles limpam os campos de governos apodrecidos, como era a Argentina, aliás...
Paulo Roberto de Almeida

 ONU adota resolução que condena fundos abutres
Agência Brasil, 29/09/2014

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU)  adotou hoje (26), em Genebra, uma resolução que condena os chamados fundos abutres - como são chamados os fundos especulativos que compraram títulos da Argentina. O texto aprovado por 33 votos a favor, 5 contra (incluindo o voto dos Estados Unidos) e 9 abstenções.
O texto "condena as atividades dos fundos abutres pelos efeitos negativos diretos que exercem sobre a capacidade dos governos de cumprir suas obrigações em matéria de direitos humanos - sobretudo os direitos econômicos, sociais e culturais e o direito ao desenvolvimento - e o pagamento da dívida a esses fundos em condições predatórias".
O chanceler argentino, Héctor Timerman, disse, em coletiva de imprensa, que "a Argentina está muito orgulhosa de ter conseguido uma extraordinária vitória a favor dos direitos humanos". Ele acrescentou que os fundos abutres não vão parar até que sejam impedidos de continuar. "Os bilhões que os fundos abutres levam do Sul, traduzem-se em fechamento de escolas, em hospitais sem medicamentos, em famílias revirando o lixo para comer", acrescentou.
Brasil, Chile, Cuba, Rússia, Venezuela, Peru, Uruguai, Paraguai, El Salvador e Bolívia acompanharam a Argentina na apresentação da resolução. Os Estados Unidos justificaram o voto negativo com o argumento de que a discussão deveria ser técnica. "Se  esse debate não for feito adequadamente, isso pode criar incertezas e elevar o custos dos empréstimos, levando inclusive ao corte de financiamento aos países em desenvolvimento".
A resolução também convoca os países a "participar nas negociações encaminhadas para estabelecer um marco jurídico multilateral para os processos de reestruturação da dívida soberana", previstas na Resolução 68/304 da Assembléia Geral da ONU.
A resolução, proposta por Argentina e G77+China, foi adotada pela Assembléia Geral da ONU no dia 9 de setembro com o objetivo de "elaborar e adotar, por meio de um processo de negociações intergovernamentais, um marco legal multilateral que permita reestruturações da dívida soberana". Segundo o texto, o marco legal será votado antes do fim do ano.
Buenos Aires mantém uma disputa legal com fundos especulativos, que classifica de "abutres", porque compraram os títulos da dívida desde 2001 e agora exigem 100% de seu valor, apesar de 93% dos credores da dívida argentina terem aderido à renegociação.
Os fundos conseguiram nos tribunais dos Estados Unidos o bloqueio dos pagamentos de 93% dos credores que aderiram à reestruturação em 2005 e 2010, o que levou a Argentina à moratória parcial em junho.

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Exposicao ao ridiculo e caso de internacao, ainda o Estado Islamico dos Companheiros - Percival Puggina

Não Nos Exponha ao Ridículo
Por Percival Puggina
 O Globo, 23 de setembro de 2014

A presidente Dilma Rousseff condenou os ataques aéreos na Síria pela coalizão liderada pelos Estados Unidos, iniciados na noite de segunda-feira para desmantelar a organização terrorista Estado Islâmico (EI) e combater células da rede al-Qaeda. Para Dilma, o Brasil repudia agressões militares, porque elas podem colher resultados imediatos, mas trazem consequências deletérias para países e regiões no médio e longo prazos. A presidente citou Iraque, Líbia e Faixa de Gaza como exemplos recentes da falta de eficácia deste tipo de política.

O Globo transcreve a fala presidencial:
Lamento enormemente isso (ataques aéreos na Síria contra o EI). O Brasil sempre vai acreditar que a melhor forma é o diálogo, o acordo e a intermediação da ONU. Eu não acho que nós podemos deixar de considerar uma questão. Nos últimos tempos, todos os últimos conflitos que se armaram tiveram uma consequência. Perda de vidas humanas dos dois lados, agressões sem sustentação aparentemente podem dar ganhos imediatos, mas depois causam prejuízos e turbulências. É o caso do Iraque, está lá provadinho. Na Líbia, a consequência no Sahel. A mesma coisa na Faixa de Gaza.

Se a presidente dissesse isso conversando com seus próprios botões, durante um chá da tarde com a família em Porto Alegre, já seria um disparate. Afirmá-lo perante a comunidade internacional reunida em Nova Iorque, durante um evento de grande repercussão como a Cúpula de Mudança Climática da ONU, é um caso de internação.
Mais grave ainda se torna o quadro clínico quando se sabe que a presidente não esboçou o menor muxoxo, nem fez tisc, tisc, tisc perante o genocídio que o Estado Islâmico vem praticando nas regiões ocupadas.
Nossa lamentável presidente não lamentou a degola de qualquer dos jornalistas executados friamente pela jihad em curso.
Nossa credibilíssima presidente, que diz crer na diplomacia contra esse tipo de terrorismo religioso, está envergonhando o Itamaraty.
Ela dá continuidade, aliás, às posições políticas que vêm dos dois governos de Lula, quando as relações internacionais do Brasil foram conduzidas como se o país fosse um diretório de estudantes controlado pela esquerda.
É preciso fazer saber ao mundo que, especialmente em questões internacionais, nosso governo representa o que há de mais retrógrado no seu partido. E não o Brasil.
Tais não são as opiniões da nação brasileira. Fale por si e pelo PT, presidente.
Não nos exponha ao ridículo dessa maneira.

Delinquencia diplomatica e direito 'a irresponsabilidade - Demetrio Magnoli

O Brasil reconheceu, implicitamente, o Estado Islâmico, segundo Demétrio Magnoli.
Nada mais coerente, segundo um outro jornalista crítico, Augusto Nunes.
Só poderia dar nisso: quem tem um Estado Islâmico dos Companheiros dentro das fronteiras, sempre vai buscar os semelhantes no plano internacional...
Paulo Roberto de Almeida

Nosso homem no califado
Demétrio Magnoli
Folha de S.Paulo, 27/09/2014

Você pensa que Dilma Rousseff foi a Nova York gravar filmes de propaganda eleitoral no palco iluminado da Assembleia Geral das Nações Unidas? Talvez fosse esta a intenção exclusiva, mas a viagem presidencial deixou um inesperado rastro de destruição. Em dois dias, o governo provou a tese de que o Brasil não pode almejar um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU.

Entre as 2.511 palavras de um discurso provinciano, obviamente revisado por João Santana, não apareceu o termo "terrorismo". Contudo a peça desviou-se do roteiro principal para, mirando a guerra em curso contra o Estado Islâmico (Isis), diagnosticar a inutilidade do "uso da força" e a natureza contraproducente da "intervenção militar". Na entrevista à imprensa internacional, a posição brasileira foi pintada com tintas mais nítidas, o que resultou numa obra quase surrealista.

Dilma condenou diretamente os bombardeios na Síria, divergindo da maioria dos países do Oriente Médio, que participam da operação ou a respaldam politicamente. O tom da condenação ficou vários decibéis acima do utilizado pela Rússia e pelo Irã, que se limitaram a registrar protocolarmente a violação de uma insubstancial "soberania síria". O próprio regime sírio, interessado no enfraquecimento militar do Isis, preferiu mesclar esse registro inevitável com uma declaração de apoio ao "combate contra o terror". É só o conforto gerado pela irrelevância diplomática e pela distância geográfica que propiciou à presidente a chance de exercer o curioso direito à irresponsabilidade.

O Brasil tem razões para introduzir temas que não se inscrevem no discurso de Washington sobre a versão 2.0 da "guerra ao terror", recordando os desvios abomináveis da versão original, de George W. Bush. Há pouco, o conservador britânico Boris Johnson, ex-prefeito de Londres, sugeriu casualmente descartar a presunção de inocência de qualquer um que viaje à Síria ou ao Iraque sem notificação prévia, transferindo ao "suspeito" o ônus de provar que não participa da rede do terror. Os ecos de Guantánamo e da autorização da tortura devem servir para guarnecer a vulnerável fortaleza das liberdades civis. Dilma, porém, não pronunciou nenhuma palavra sobre os princípios da lei nas democracias, escolhendo a estrada da delinquência diplomática.

Na entrevista, Dilma jogou num saco abrangente coisas tão distintas quanto a invasão do Iraque, em 2003, a operação aérea na Líbia, em 2011, a ofensiva de Israel na Faixa de Gaza, em julho, e os bombardeios contra o Isis, para repudiar "o morticínio e a agressão dos dois lados", referindo-se à coalizão liderada pelos EUA (um lado) e ao Isis (outro lado). No jargão diplomático, "dois lados" é a senha para o conflito entre Estados ou, no mínimo, entre forças combatentes legítimas. Por essa via, incidentalmente, e salvo algum desmentido futuro, o Brasil tornou-se o primeiro e único país do mundo a reconhecer o Estado Islâmico. Diante disso, o que é aquele célebre 7 a 1?

"Dois lados." Nessa linha, nossa presidente ofereceu sua alternativa à operação de guerra: "o diálogo, o acordo e a intermediação da ONU". Como, simultaneamente, pela voz de seu secretário-geral, a ONU solidarizava-se com os bombardeios, Dilma colocou o Brasil em rota de colisão com as Nações Unidas.

A ideia de "diálogo" com o Isis, formulada quando os terroristas decepavam mais uma cabeça, talvez agrade ao antiamericanismo primitivo que hipnotiza as correntes mais anacrônicas da esquerda brasileira, mas não protegerá os curdos, as minorias religiosas e as mulheres ao alcance da fúria jihadista. Entretanto o governo brasileiro obrigou-se moralmente a levá-la adiante –e, parece-me, temos em Marco Aurélio Garcia a figura ideal para cumprir a missão de plenipotenciário de paz em Mossul (Iraque) ou Raqqa (Síria), as sedes do califado.

Demétrio Magnoli, doutor em geografia humana, é especialista em política internacional. Escreveu, entre outros livros, 'Gota de Sangue - História do Pensamento Racial' (ed. Contexto) e 'O Leviatã Desafiado' (ed. Record). Escreve aos sábados.

Argentina: noticias (frescas) de los hermanos, desafiando a sentenca da corte de NY - Bob van Joris (Bloomberg)

Los hermanos --agora um pouco menos hermanos, e mais primos incomodos, que não pagam o que nos devem -- sempre vão nos surpreender com sua indefectível capacidade de achar que os problemas sempre estão com os outros, não consigo mesmo.
Nisso são muito parecidos com certa personagem que frequenta estas paragens (vcs devem saber quem é...).
Paulo Roberto de Almeida 

Argentina Found in Contempt of the Court Fight in N.Y.
Bob van Joris
Bloomberg, 29/09/2014
Argentina was found in civil contempt of court by a U.S. judge as it prepares to shift control over payments of its restructured debt from New York to Buenos Aires.
U.S. District Judge Thomas Griesa inManhattan, who is overseeing lawsuits over bonds the South American nation repudiated in 2001, said today that such a move is “illegal and cannot be carried out.” He said the plan violates his orders and the rights of defaulted bondholders, led by Paul Singer’s Elliott Management Corp.
Griesa said he will rule later on a penalty. Elliott Management’s NML Capital and other hedge funds that hold the defaulted bonds asked the judge to fine the country $50,000 a day until it complies.
The case stems from Argentina’s record $95 billion default in 2001, which roiled international markets and has since limited the government’s access to international credit.
Holders of about 92 percent of the repudiated debt agreed to take new bonds, at a discount of about 70 percent, in restructurings in 2005 and 2010. Some individual investors and hedge funds, including NML Capital, sued for full payment in New York, the forum selected by Argentina in the original bond agreements.
Carmine Boccuzzi, a lawyer for Argentina, declined to comment on Griesa’s decision.

State’s ‘Dignity’

Argentina argued against the contempt finding, claiming today that it would undermine “the dignity of foreign states.”
“The decision by Judge Griesa has no practical effects beyond providing new elements in the defamation campaign being waged against Argentina by vulture funds,” the foreign ministry said in a statement after the ruling.
NML lawyer Robert Cohen argued that Argentina has disobeyed Griesa for at least a year by trying to set up a payment mechanism outside his jurisdiction.
Griesa ruled in 2012 that Argentina can’t make payments on its restructured debt as long as it continues to refuse to pay holders of the nation’s defaulted debt. The U.S. Court of Appeals in New York upheld the decision and it took effect after the U.S. Supreme Court declined to hear the case in June.
Griesa’s order triggered a default on Argentina’s performing debt when Bank of New York Mellon Corp., the bond trustee, refused to forward a $539 million payment on July 30.
Argentina responded by saying it’s removing the bank as trustee. Griesa today cited Argentina’s attempt to drop Bank of New York as the latest violation of his orders in the case.
Argentina faces a deadline tomorrow to make a $200 million payment to holders of the bonds issued in the 2005 and 2010 restructurings. An official from Argentina’s monetary authority said it will deposit that amount in a state-run bank account tomorrow. It isn’t clear how investors will be able to collect the payments.
The case is NML Capital Ltd. v. Republic of Argentina, 08-cv-06978, U.S. District Court, Southern District of New York (Manhattan).
To contact the reporter on this story: Bob Van Voris in federal court in Manhattan atrvanvoris@bloomberg.net
To contact the editors responsible for this story: Michael Hytha atmhytha@bloomberg.net Joe Schneider, Andrew Dunn

Dialogo com terroristas? Disparate e irresponsabilidade - Rubens Ricupero


Dialogando com o carrasco 
Rubens Ricupero
Folha de S.Paulo, 29/09/2014
  
Se não sabemos ou podemos neutralizar os terroristas, deveríamos ter a decência de ficar calados

Misturar diplomacia com demagogia nunca dá certo. Pior é quando presidente em busca de reeleição submete a Assembleia Geral da ONU ao espetáculo da propaganda de baixo nível do nosso horário eleitoral obrigatório. Os diplomatas estrangeiros não podem fazer como o espectador no Brasil, que simplesmente desliga a TV ou passa a outro programa. Foram obrigados a aguentar impávidos os disparates que lhes impingiu o discurso brasileiro de inauguração da assembleia.
Disparate, diz o dicionário, é expressão destituída de razão e senso, algo de despropositado e fora da realidade. A definição se ajusta como luva à declaração de que o Brasil condena os bombardeios americanos aos degoladores do Estado Islâmico porque favorecemos o diálogo e os meios pacíficos.
Alguém deveria ter explicado à presidente que diálogo é excelente maneira de resolver conflitos desde que o outro lado concorde em ouvir e responder. Quando a resposta é a faca na carótida, não existe diálogo possível. Alguém imagina que as vítimas de Auschwitz poderiam ter dialogado com a Gestapo e os SS? Ou que os cambojanos e ruandeses massacrados deveriam ter mantido conversação polida com genocidas?
Por que será diferente com fanáticos e psicopatas que trucidam prisioneiros inermes e torturam todos os que não aderem ao Califado? Duas semanas atrás, a ofensiva do EI estava às portas de Bagdá e da capital do Curdistão. Se não tivessem sido detidos pelos ataques aéreos americanos, milhares de refugiados teriam tombado nas mãos dos piores assassinos que o mundo conheceu desde o Khmer Vermelho.
O que o Brasil propôs de prático e efetivo para evitar tal desenlace, além de banalidades piedosas e ineficazes como aconselhar o diálogo com degoladores? Se não sabemos ou podemos tomar iniciativa para neutralizar os terroristas, deveríamos ter ao menos a decência de ficar calados. Condenar os bombardeios, único recurso existente naquela hora para afastar a ameaça, equivale a condenar ao massacre civis desprotegidos.
Há um nome para esse tipo de atitude confortável e hipócrita: irresponsabilidade. Nada mais fácil do que o principismo de invocar o diálogo em situação na qual esse método obviamente se encontra fora da realidade. É o mesmo que lavar as mãos em relação à consequência trágica mais que provável de um conselho despropositado. A diplomacia não deve buscar o aplauso fácil. Tem de responder pelos resultados previsíveis do que propõe.
Isso na melhor das hipóteses, se o conselho foi dado com sinceridade e boa fé, embora desprovidas de discernimento. Se, ao contrário, a motivação é o antiamericanismo barato com o objetivo de angariar votos, é muito mais grave. Nesse caso, combina-se a irresponsabilidade com a provocação gratuita, sem contribuir em nada para minorar o sofrimento das vítimas ou fazer avançar a pacificação do conflito.
Em qualquer das situações, não é a receita para tornar o Brasil candidato irrecusável a membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, posição que se alcança apenas por meio de diplomacia responsável, a serviço da moderação e do equilíbrio.

New Book: The Drama of Brazilian Politics: From Dom João to Marina Silva - Ted Goertzel and Paulo Roberto de Almeida (eds.)

The Drama of Brazilian Politics: 
From Dom João to Marina Silva
Ted Goertzel and Paulo Roberto de Almeida (eds.)
 A Kindle edition book, 2014


Online publishing makes this brand new book both more timely and less expensive than conventional texts. It is available in Kindle format, and can be read on any tablet, computer or smart phone. The price is only $2.99 including free shipping.  Or you can borrow it for free if you belong to Amazon Prime.
It is appropriate for classes in Brazilian or Latin American history or politics and could be added in the middle of the semester. 

Here are the details:

Ted Goertzel and Paulo Roberto de Almeida (eds.):
The Drama of Brazilian Politics: From Dom João to Marina Silva

(Amazon Digital Services; Kindle Book, 2014, 278 p.; ISBN: 978-1-4951-2981-0;ASIN: B00NZBPX8A; book length: 1199 KB; Sales Price: $ 2.99)
available at: http://www.amazon.com/dp/B00NZBPX8A

Table of Contents:

Preface
Introduction, by Ted Goertzel
1. The Drama of Brazilian Politics: from Dom João to Marina Silva, by Ted Goertzel
2. The Politics of Economic Regime Change in Brazilian History, by Paulo Roberto de Almeida
3. The Brazilian Presidency: From the Military Regime to the Workers’ Party, by João Paulo M. Peixoto
4. A Woman’s Place is in the Presidency: Dilma, Marina and Women’s Representation in Brazil, by Farida Jalalzai and Pedro G. dos Santos
5. A Brazilian ex-President’s Public Speech: A Threat to the Existing Order?, by Inês Signorini
6. Life Without Turnstiles, by Alipio de Sousa Filho
7. The Changing Face of Brazilian Politics: Lessons of the 2013 Protests, by Sue Branford and Jan Rocha
8. Political Leadership and Protest in Brazil: The 2013 Vinegar Revolt in Comparative Perspective, by Guy Burton
9. Presidential Leadership and Regime Change in Brazil with Comparisons to the United States and Spanish America, by Ted Goertzel

Preface:

This book was conceived by Ted Goertzel in the summer of 2012 as part of his life-long interest in Brazil and “elective affinity” with things Brazilian, going back to his days as a participant observer in the Brazilian student protests of 1966 to 1968. After publishing biographies of two of Brazil’s presidents, he found that there was very little scholarly literature on the role of the presidency in Brazilian politics and society. Rather than undertake such a comprehensive study on his own, he decided to consult some members of the Brazilian Studies Association to find colleagues who shared an interest in putting the Brazilian presidency in an historical perspective and a comparative context.
The experts who responded came from different countries – Brazil, England and the United States – and varied widely in their ideological and dispositions and professional backgrounds. We have made no effort to homogenize the chapters; each has a clear authorial voice. Paulo Roberto de Almeida, a diplomat doublé as academic, responded very enthusiastically to this project, and was able to contribute with his life-long acquaintance of all-things Brazilian and as well as a deep knowledge of American Brazilianists, a by-product of his “elective affinities” with this community of scholars.
The Brazilian Protests of mid-2013 took place as we were working on this project and stimulated us to think as much about Brazil’s future as its past. While the protests were largely unexpected in Brazil, they fitted into theories of presidential leadership and regime change. We wanted to use our historical and comparative research to offer what insight we could into the future.
We also wanted to make our work available in October, 2014, when interest would be high because of the Brazilian presidential elections. So we took advantage of e-book technology to bring the reader a volume that is both timelier and less expensive than traditionally published volumes. We plan to use the same technology to update the volume after the elections, and we invite readers to contact us with comments and suggestions, as well as with corrections for any errors they may find.
We expect this work to offer, both for scholars and for the general public, a comprehensive understanding of the Brazilian political system in its contemporary developments and challenges.

Ted Goertzel
Paulo Roberto de Almeida
September 2014

BRASA Europa?: European Brazilianists Meet to Discuss Establishing a Network

Quando trabalhei nos EUA, tive o privilégio de ajudar a organizar reuniões da Embaixada com os brasilianistas americanos. Compareceram, voluntáriamente, algumas dezenas deles, inclusive os mais famosos.
Minha proposta foi a de que fizéssemos um balanço da produção brasilianista. Depois de algum esforço e muito trabalho de revisão, acabou dando certo, e desse processo resultaram dois livros, que informo aqui:

Envisioning Brazil: A Guide to Brazilian Studies in the United States  with Marshall C. Eakin Wisconsin University Press: 2005)

Espero que dessa reunião europeia possa emergir algo semelhante.
Paulo Roberto de Almeida

European Brazilianists Meet to Discuss Establishing a Network

On Saturday, August 23, during the XII BRASA conference at King’s College London, Anthony Pereira, BRASA’s in-coming President and Director of King’s Brazil Institute, convened a meeting attended by 40 scholars working on Brazil in Europe.
The purpose of the meeting was to discuss how to strengthen and expand Brazilian Studies in Europe. James N. Green and Ramon Stern from Brown University and former BRASA President Timothy Power from Oxford University were among those present. Scholars from Great Britain, Ireland, Denmark, the Netherlands, Finland, Germany, Sweden, Belgium, Italy, and France attended the meeting.
During the discussion James Green emphasized that over the last decade BRASA has encouraged the formation of a network, group, or association of people working on Brazil in Europe.  There was general enthusiasm for establishing closer connections among scholars initially through a listserve and later though a website. It was reported that a small conference of Brazilianists has been planned for 2015 in Budapest, and this might be an opportunity to have further discussions about different proposals.
Another academic event on Brazil in Denmark in March 2015 is an additional chance for further discussions. It was suggested that people in Europe might wish to organize a European conference in odd numbered years so as not to conflict with the BRASA conferences. 
BRASA representatives offered their enthusiastic support for the project. The meeting came up with the name ABRE (Association of Brazilianists in Europe) as a possible name for the new organization. After the meeting, scholars from Italy, Great Britain, the Netherlands and Denmark met to serve as an ad-hoc committee to carry out the proposals made in the meeting. This ad hoc committee will meet in March to set up a preliminary “mission, goals and objectives statement”, as well as the structure of an executive committee, both to be approved and voted by those who will register to the Association.
For more information, contact: Vinicius Mariano de Carvalho, King’s College, Brazil Insitute, London: vinicius.carvalho@kcl.ac.uk, who is participating on the ad-hoc committee.

Brasil-EUA: dialogo cancelado por causa do "dialogo" (entenderam?)

Bem, parece que muito diálogo cria confusão. Nessas coisas de diplomacia, quanto mais discrição melhor. Quem se aventura a falar muito, por aí, com outros objetivos que não do diálogo diplomático, corre o risco de ficar sem diálogo, entenderam?
Paulo Roberto de Almeida

Reunião Brasil-EUA é cancelada após polêmica
por Isabel De Luca / Flávia Barbosa / Eliane Oliveira
O Globo, 27/09/2014

Itamaraty e Departamento de Estado divergem sobre quem desmarcou encontro entre Figueiredo e Kerry

NOVA YORK e BRASÍLIA — Dois dias após o polêmico discurso em que a presidente Dilma Rousseff criticou a intervenção militar dos EUA na Síria, um esperado encontro confirmado na véspera entre o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, e o secretário de Estado americano, John Kerry — no qual a coalizão que o governo Obama vem formando para combater o Estado Islâmico certamente seria um dos principais temas — foi cancelado, com os dois lados divergindo sobre os motivos.
Segundo fontes, a conversa não aconteceu por problemas de agenda do secretário de Estado. Perguntado sobre o que ocorreu, o chanceler relatou que ele e Kerry se encontraram rapidamente nesta sexta-feira, durante um evento sobre direitos dos homossexuais, em Nova York, e que os dois combinaram de se reunir nos próximos dias, para tratarem da situação no Oriente Médio.
— Nós vamos remarcar o encontro — disse.
Já o Itamaraty informou que a reunião não aconteceu devido a questões de agenda interna, embora não houvesse nenhum compromisso oficial preciso para sexta-feira. De qualquer forma, lembraram assessores do chanceler, Figueiredo e Kerry conversam com frequência, inclusive por telefone.
O Departamento de Estado, por sua vez, afirmou que "o ministro Figueiredo teve de voltar ao Brasil e por isso não pôde comparecer ao encontro com o secretário Kerry que estava marcado para esta sexta-feira" e instruiu o GLOBO a buscar mais esclarecimentos com o governo brasileiro sobre os motivos do cancelamento.
Em Brasília, Figueiredo, afirmou que as declarações dadas pela presidente Dilma durante a viagem para a Assembleia Geral foram mal interpretadas. Segundo ele, quando Dilma defendeu o diálogo — e não a força — na questão do combate ao terrorismo cometido por fundamentalistas radicais islâmicos, ela queria dizer que é preciso a formulação de uma estratégia mundial com base nos princípios do multilateralismo.
Dilma disse "lamentar enormemente" o ataque aéreo realizado pelos Estados Unidos contra o grupo extremista Estado Islâmico, após discursar na Cúpula do Clima das Nações Unidas. Disse que o Brasil sempre vai acreditar que a melhor forma é o diálogo, o acordo e a intermediação da ONU. No dia seguinte, ela voltou a criticar os bombardeios e afirmou que eles não resolveriam o problema.
— O Brasil não quer dialogar com bandido. O Brasil não acha que se deve dialogar com o Estado Islâmico. A presidenta da República quer o diálogo entre Estados, o mesmo que levou ao desmantelamento do arsenal químico na Síria. Atacar apenas não resolve. É preciso solucionar as causas profundas da questão — disse o ministro ao GLOBO.
Figueiredo lembrou que a resolução aprovada unanimemente pelo Conselho de Segurança da ONU na última quarta-feira não é uma autorização para ataque, e sim tratava sobre o recrutamento de terroristas em outros países. A medida recomenda aos Estados que dificultem esse arrebanhamento.
— O uso da força nas relações internacionais só pode ser feito por duas razões: por autorização do Conselho de Segurança, ou em caso de legítima defesa. Vamos dizer que o Iraque peça ajuda aos árabes, ou aos EUA, para ajudar a vencer militarmente esses terroristas, o que é perfeitamente viável nos termos da Carta da ONU. Agora, atacar eventualmente áreas de outros países que não pediram [no caso dos bombardeios americanos, a Síria], aí já não é. Daí a importância de se ter um diálogo internacional que monte uma resposta ao terrorismo — afirmou o chanceler.
Apesar das críticas do Brasil e do desencontro entre os chanceleres, o governo norte-americano afirmou ainda ter "esperança" na participação do Brasil na campanha internacional contra o grupo terrorista Estado Islâmico. Segundo a subsecretária para o Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado, Roberta Jacobson — diplomata e principal interlocutora norte-americana para América Latina —, a despeito do repúdio manifestado pela presidente Dilma Rousseff à operação militar liderada pelos americanos na Síria, o país, por ser "grande e importante", pode ter um papel a desempenhar nos esforços aliados.

— No caso de um país grande e importante como o Brasil, definitivamente há um papel a ser desempenhado aqui. Pode ser em áreas como ajuda humanitária, em que o Brasil teve papel importante em vários outros conflitos, e em áreas como combatentes estrangeiros e financeira. Nós ainda temos esperança nisso — disse a diplomata, sem oferecer detalhes.
Roberta Jacobson concedeu entrevista à imprensa em Nova York, onde participa de eventos relacionados e paralelos à 69ª Assembleia Geral das Nações Unidas. Ele não soube informar se o governo norte-americano fez algum pedido específico ao Palácio do Planalto ou ao Itamaraty, lembrando que a semana foi muito corrida para as autoridades dos EUA.
— O que eu posso dizer é que as conversas sobre todos os países serem capazes de fazer alguma coisa nessa luta certamente estão em curso. Se houve ou não pedidos específicos ao Brasil, o que eu não sei e não tenho certeza de que ocorreu, certamente nós esperamos que todo país pode contribuir — explicou ela, que esquivou-se de comentar as críticas de Dilma.

O Estado Islamico do Cerrado Central degola as contas publicas - Rolf Kuntz

Parece piada mas é trágico. Está em jogo o equilíbrio econômico do país. Os companheiros conseguiram destruir a Petrobras. Agora estão destruindo a economia.
Paulo Roberto de Almeida



A grande tolerância – da inflação ao terrorismo

Tolerância é a grande marca da candidata Dilma Rousseff: tolerância à inflação, ao desarranjo das contas públicas, à estagnação da economia brasileira, aos desaforos dos parceiros bolivarianos e pro-bolivarianos e, é claro, ao terrorismo internacional. Depois do humilhante desempenho de sua chefe em Nova York, o chanceler Luiz Alberto Figueiredo tentou limpar o vexame. Não houve sugestão, segundo ele, de diálogo com o Estado Islâmico. De acordo com o ministro, a presidente propôs diálogo “no âmbito da comunidade internacional” para solução dos problemas da Síria e do Iraque. O esforço do diplomata foi inútil. Não havia como desmentir o óbvio. Depois de lamentar “enormemente” os bombardeios, a presidente recomendou a busca do entendimento entre os “dois lados”. Talvez por falha de comunicação, ou por diferença de fuso horário, um dos “lados” estava ocupado em cortar a cabeça de mais um refém. O decapitado foi um francês, porque o destinatário principal da mensagem, nesse caso, era a França. O presidente François Hollande talvez devesse ter dialogado. Mas dialogar, nesse caso, significaria obedecer.
As demais tolerâncias da presidente Dilma Rousseff, a começar pela tolerância aos próprios erros, também foram expostas em sua passagem pelos Estados Unidos. Apresentando-se como chefe de Estado e de governo, mas agindo principalmente como candidata, ela aproveitou seu discurso na ONU e o contato com a imprensa para alardear os feitos da administração petista e condenar qualquer ensaio de seriedade no combate à inflação e a outros problemas, nunca plenamente reconhecidos, da economia brasileira.
Nova York foi apenas um palanque especial para a campanha. Lá, como no Brasil, a candidata continuou falando sobre a inflação como se a variação dos preços nunca tivesse ficado acima da meta, isto é, acima de 4,5%, e a gestão das contas públicas fosse a mais prudente e austera. Na mesma semana foi anunciado o uso de R$ 3,5 bilhões do Fundo Soberano para fechar as contas de 2014. A ideia foi logo defendida pela candidata, mas criticada até por funcionários da equipe econômica. O uso desse dinheiro, argumentam esses críticos, envolverá a venda – com a consequente desvalorização – de grande volume de ações do Banco do Brasil. Mas essa discussão só ocorre porque faltou no governo o debate, muito mais importante, sobre como cuidar direito das contas públicas.
A arrecadação de agosto, embora anabolizada com R$ 7,13 bilhões do Refis – o programa de refinanciamento de dívidas tributárias – foi insuficiente para mudar o panorama fiscal. A arrecadação de janeiro a agosto, R$ 771,79 bilhões, foi apenas 0,64% maior que a de igual período de 2013, descontada a inflação. Há alguns meses o pessoal da Receita ainda projetava um crescimento real de 3% neste ano. Agora se estima 1% e esse resultado ainda vai depender de mais anabolizantes, como novos pagamentos do Refis, dividendos, bônus de concessões e até o dinheiro do Fundo Soberano.
Nova York foi apenas um palanque especial para a campanha. Lá, como no Brasil, a candidata continuou falando sobre a inflação como se a variação dos preços nunca tivesse ficado acima da meta e a gestão das contas públicas fosse a mais prudente e austera
O fiasco da arrecadação é explicável em boa parte pelo baixo nível de atividade econômica. Ao divulgar os valores acumulados em oito meses, o pessoal da Receita chamou a atenção, em seu relatório, para alguns dos “principais fatores”. De janeiro a agosto a produção industrial foi 2,7% menor que a de um ano antes. As vendas de bens e serviços, no varejo, 0,09% inferiores. O valor das importações, em dólares, 1,2% mais baixo que o dos mesmos oito meses de 2013.
Sem poder negar esses e outros números muito ruins, a presidente Dilma Rousseff e seus ministros atribuem a paradeira econômica do Brasil à situação internacional. Em outras palavras, os problemas vêm de fora, porque o governo cuida muito bem da economia nacional. Mas também essa conversa é desmentida seguidamente pelos fatos. A economia americana cresceu no segundo trimestre em ritmo equivalente a 4,6% ao ano. Além disso, o produto interno bruto (PIB) do período de abril a junho foi 2,9% maior que do mesmo trimestre do ano anterior. As economias peruana, colombiana e chilena continuam com desempenho muito melhor que o da brasileira, apesar de alguma desaceleração – e todas com inflação muito menor. Nem é preciso citar os casos da China e de outras potências da Ásia.
Nem o governo federal projeta para este ano um crescimento econômico acima de 0,9%. Esse número foi divulgado há poucos dias pelo Ministério do Planejamento, juntamente com a revisão de receitas e despesas orçamentárias do quarto bimestre. No mercado, a projeção do aumento do PIB já havia caído para 0,3%.
A inflação, depois de hibernar por alguns meses, saiu novamente da toca. Na sexta-feira o IBGE divulgou sua nova pesquisa do Índice de Preços ao Produtor (IPP). O aumento, em agosto, foi de 0,48%. Foi a primeira alta desde fevereiro. A elevação acumulada em 12 meses é pequena, 2,5%, mas a aceleração é clara e já havia sido indicada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em sua coleta dos preços por atacado. A reação dos preços ao consumidor também é evidente. Nas quatro últimas coletas, o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S), também da FGV, passou por 0,12% em 31 de agosto e 0,21%, 0,39% e 0,43% nas pesquisas seguintes. Os números são atualizados semanalmente, mas sempre com base num período equivalente a um mês. O IPCA-15, prévia do índice oficial produzido pelo IBGE, bateu em 0,39% no período encerrado no meio de setembro. Em 12 meses a alta acumulada chegou a 6,62%.
A candidata continua recusando, no entanto, qualquer ação séria para conter a alta de preços. Ações sérias poderiam incluir uma administração melhor das contas públicas, com menor gastança e menor distribuição de benefícios fiscais e subsídios. Em caso de necessidade, o Banco Central poderia elevar os juros básicos, mantidos em 11%. A presidente rotula essas políticas como recessivas. É uma fala surrealista, num cenário de estagnação com inflação. Mas há quem pareça acreditar.
Fonte: O Estado de São Paulo, 27/9/2014