O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Custos de Custodia para Tesouro Direto: BB exagerando no roubo...

Em 13/10/2016, recebi a informação de que as aplicações em Tesouro Direto em minha conta na XP iriam ficar sem taxa de custóia.
Achei ótimo, isto porque já fui vítima de uma tentativa de assalto a mão desarmada pelo BB, como explico nesta mensagem abaixo:

Recebi, como informado abaixo, comunicado do Tesouro Direto relativo ao extrato mensal de custodia, e pude verificar no site do Tesouro Direito, os valores atribuídos a essa Custodia, que concernem três títulos nos quais estão concentrados meus investimentos nessa modalidade, a saber:

    LTN, 01/01/2015
    LFT, 07/03/2015 e
    LTN, 01/01/2016

    Os valores informados nos extratos do Tesouro Direto não apenas discrepam, quanto aos montantes respectivos, como também o extrato de minha conta corrente, repetem os mesmos valores duas vezes, conformando, portanto, seis descontos identificados como extratos de custódia, como transcrito abaixo:

    Banco do Brasil, extrato dia 1.07/2014: 

Tarifa de Custódia: 47,81 D - 1/07/2014

Tarifa de Custódia: 91,27 D - 01/07/2014

Tarifa de Custódia:  960,40 D - 01/07/2014

Tarifa de Custódia:  47,81 D - 1/07/2014

Tarifa de Custódia: 91,27 D - 01/07/2014

Tarifa de Custódia: 960,40 D

Total de descontos:  R$ 2.198,98

    Apreciaria ter uma explicação quanto ao exposto acima.
    Grato, cordialmente,

------------------------------------------------
Paulo Roberto de Almeida

PS.: Depois recebi simples desculpas orais do BB dizendo que tinham incorrido em engano, e que estavam repondo as descontos efetuados equivocamente. Nem por escrito quiseram reconhecer que tinham cometido um erro em descontar os valores indevidamente. Bando de salafrários...
Paulo Roberto de Almeida


Postar um comentário