O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

domingo, 16 de abril de 2017

Roberto Campos: lançamento de livro (17/04), e seminario (18/04/2017), no Rio de Janeiro

O Homem que Pensou o Brasil: itinerário intelectual de Roberto Campos
(Curitiba: Editora Appris: 2017)
https://3.bp.blogspot.com/-Zb6-w-ks3mo/WO7bOFHAaBI/AAAAAAAAWOs/BAmdkd_PB6M2Q-1bq98296vKhXr-vm5LgCLcB/s400/ConviteArgumento.jpg

Seminário no Rio de Janeiro comemora o centenário do estadista, economista e diplomata Roberto Campos

Para comemorar o centenário de nascimento do economista e diplomata Roberto Campos (em 17 de abril de 1917), a Fundação Alexandre de Gusmão, com organização do IPRI, promove, em 18 de abril, na sede do Palácio Itamaraty, Rio de Janeiro, o seminário “Roberto Campos: o homem que pensou o Brasil”, com a participação de diversos autores do livro organizado por Paulo Roberto de Almeida, O Homem que Pensou o Brasil: itinerário intelectual de Roberto Campos (Curitiba: Editora Appris, 2017), ademais de outras personalidades que discutirão a importância do diplomata para a vida pública brasileira.


O evento começa às 9h com abertura pelo diretor do Instituto de Pesquisa Relações Internacionais (IPRI), Paulo Roberto de Almeida, e diversos outros representantes das entidades patrocinadoras (CEBRI, Instituto Millenium, IBGE, Academia Brasileira de Letras, IBGE). Em seguida, será aberta a primeira mesa de debates “O Intelectual” com o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Ernesto Lozardo; o docente na Faculdade Arthur Thomas, Londrina, Ricardo Velez Rodríguez; e o professor da Universidade de Brasília (UnB), Eduardo Viola.

A atividade de Roberto Campos como “Parlamentar” será o segundo tema de debate da homenagem. Para discorrer sobre o assunto, foram convidados o jornalista da Rede Globo e membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), Merval Pereira, o embaixador Carlos Henrique Cardim e os professores da UnB, Antônio José Barbosa, consultor legislativo, e Paulo Kramer, assessor legislativo.

No início da tarde, a terceira mesa será composta pelo ex-presidente do Banco Central, Gustavo Franco; o economista e professor, Luiz Alberto Machado; o cientista político e professor da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Reginaldo Perez; e o diretor da Fundação Getúlio Vargas (FGV-RJ) Roberto Castello Branco, para discutir o lado “Estadista e modernizador” do diplomata.

Por fim, a vida de Roberto Campos será tratada em “O diplomata” com participação do ex-ministro da Fazenda, Marcilio Marques Moreira; a presidente da Associação dos Diplomatas Brasileiros (ADB), embaixadora Vitoria Alice Cleaver; o gestor público do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPOG), Rogério de Souza Farias; e o editor da Topbooks, José Mário Pereira.

Roberto Campos
https://3.bp.blogspot.com/-tkT4B2MfiX8/WO7boHxcxMI/AAAAAAAAWOw/Vc3WHUFK3JglYe0l4JgRY9NW2ji3meYqgCLcB/s400/FotoRobertoCampos.jpeg


Formou-se em filosofia em 1934 e em teologia em 1937, nos Seminários Católicos de Guaxupé e Belo Horizonte. Mestrado em economia pela Universidade George Washington, Washington D. C. Ingressou no serviço diplomático brasileiro em 1939. Foi consagrado Doutor Honoris Causa pela Universidade de Nova York, em 1958, e pela Universidade Francisco Marroquim, Guatemala, 1996. Roberto Campos foi deputado federal pelo PPB, RJ, por duas legislaturas (1990 / 1998), após cumprir oito anos de mandato como senador (1982 / 1990) em Mato Grosso, sua terra natal. Além disso, foi embaixador em Washington e em Londres.

Participou, ao lado de Eugênio Gudin, do Encontro de Bretton Woods, que criou o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI), negociou os créditos internacionais do Brasil no pós-guerra (origem da Companhia Siderúrgica Nacional - Volta Redonda), coordenou as ações econômicas do Plano de Metas do Governo Juscelino Kubitschek e foi ministro do Planejamento e Coordenação Econômica durante o Governo Castelo Branco.

Defensor incondicional das liberdades democráticas e da livre iniciativa durante mais de 40 anos, em palestras, conferências, livros e artigos, Campos defendeu a inserção do Brasil no contexto da economia internacional, com base na estabilidade monetária, na redução do tamanho e da influência da máquina administrativa nas atividades produtivas e na modernização das relações entre o Estado e a sociedade.

Em seu mais comentado livro, “A Lanterna na Popa”, fez uma auto-avaliação da trajetória como diplomata, economista e parlamentar, descrevendo detalhes da convivência com John Kennedy, Margareth Thatcher, Castelo Branco, Juscelino Kubitschek, João Goulart e Jânio Quadros.
Postar um comentário