O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

Mostrando postagens com marcador Mario Sabino. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mario Sabino. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Resumo de uma farsa chamada Lula - Mario Sabino (O Antagonista)

Transcrevendo, apenas:

Resumo de uma farsa chamada Lula

Por Mario Sabino
O Antagonista, 26 de Agosto de 2016


Hoje, dia 26 de agosto de 2016, uma farsa começou a ser formalmente desmontada. A farsa chamada Luís Inácio Lula da Silva. Ele foi indiciado pela Polícia Federal por corrupção passiva, falsidade ideológica e lavagem de capitais, no âmbito da Lava Jato. Todos esses crimes estão conectados ao recebimento de vantagens indevidas pela OAS, uma das empreiteiras do petrolão, no caso do triplex do Guarujá. Lula também deverá ser indiciado em relação ao sítio de Atibaia.

Indiciamento não é condenação, mas as provas contra Lula são tão robustas que será muito difícil para ele escapar de uma sentença dura. Esperava-se o indiciamento para logo depois do impeachment de Dilma Rousseff. A situação se precipitou por causa do cancelamento da delação premiada de Léo Pinheiro, por Rodrigo Janot, episódio ainda mal explicado. O que se sabe até agora é que a PF não gostou de ter sido deixada de lado nas negociações da PGR com o ex-presidente da OAS.

Não importam as circunstâncias do indiciamento, o Brasil está se livrando de Lula. Com ele, atingimos o ápice da demagogia e da corrupção neste terra pródiga em demagogos e corruptos.

Lula surgiu no regime militar, quando se apresentou como líder sindicalista tolerável aos generais. Na redemocratização, a esquerda o transformou em ícone revolucionário e chefe de partido. No entanto, o discurso radical que lhe fora oportuno na construção do PT revelou-se um desastre eleitoral nas campanhas presidenciais -- e Lula, então, engravatou o pescoço e as palavras, para conquistar banqueiros, empresários e parte da classe média. Chegou ao Planalto por meio do que parecia ser um consenso inédito entre interesses de trabalhadores e patrões.

No poder, Lula levou às últimas consequências o assistencialismo mais rasteiro e uma política econômica que, baseada apenas em crédito farto, graças à bonança mundial, resultaria no desastre completo sob Dilma Rousseff, a criatura que escolheu para sucedê-la e autora da maior fraude fiscal já cometida no país. Como resultado, os ganhos sociais relevantes proporcionados pelo Plano Real foram parar na fila do desemprego.

No poder, Lula instituiu, para além da imaginação, a prática de comprar apoio parlamentar  e financiar campanhas com dinheiro sujo. Tanto no mensalão como no petrolão, o seu partido e aliados desviaram bilhões de reais dos cofres públicos para realizar tais pagamentos.

No poder, Lula e boa parte dos seus companheiros enriqueceram por meio de contratos fraudulentos entre empreiteiras e estatais como a Petrobras, arrasada durante os anos dos governos do PT.

No poder, Lula tentou calar a imprensa independente, comprou o veneno de blogueiros e jornalistas decadentes, perseguiu profissionais que desvelavam os porões imundos do lulopetismo e cortou propaganda de veículos sérios, como a revista Veja. Com isso, minou um dos pilares da democracia que é a liberdade de imprensa.

É essa farsa que começou a ser formalmente desmontada pela PF num radioso 26 de agosto de 2016.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Um blog contrarianista sauda um blog sensacionalista; um texto de Mario Sabino

O blog contrarianista, obviamente, é este aqui, o Diplomatizzando, um quilombo de resistência intelectual durante todo o regime pornográfico dos companheiros mafiosos, e que por isso foi objeto de um cerrado escrutínio, como revelado por inúmeras mensagens anônimas na área de comentários, atacando este humilde blogueiro, que além de tudo teve de amargar uma longa travessia do deserto, durante a maior parte do regime celerado dos neobolcheviques. Se pretendiam me dobrar, não conseguiram, ao contrário.
O blog sensacionalista, por definição própria, é O Antagonista, que sigo desde seu início, embora não tenha por ele nenhuma devoção beata, ou confiança irrestrita.
Como em qualquer outro aspecto da minha vida profissional, ou intelectual, sempre mantenho uma atitude de "ceticismo sadio", ou seja, de questionamento positivo sobre qualquer questão, problema, assunto que aparece pela frente, inclusive no Antagonista.
Por isso mesmo, meus cumprimentos ao Mário Sabino por este texto simplesmente arrasador, contra a imprensa "burguesa", como diriam os companheiros.
Como sou politicamente incorreto, não tenho nenhum problema em dizer: não tenho muita paciência para a imprensa tradicional, sem falar que algumas dessas "folhas" são simplesmente inaceitáveis, pois misturam esquerdismo vulgar com estupidez aberta.
Paulo Roberto de Almeida

"Sensacionalista" com muito orgulho
Por Mario Sabino
O Antagonista, 19 de Agosto de 2016

Quando atacam O Antagonista, os detratores do site costumam usar o adjetivo "sensacionalista", entre outras delicadezas.

O sensacionalismo é definido pelo Dicionário Aurélio como "divulgação e exploração de matéria capaz de emocionar, impressionar, indignar ou escandalizar".

Em geral, aplica-se o qualificativo aos tabloides que se dedicam a vasculhar a intimidade de celebridades dos mais diversos campos e tirar proveito de tragédias.

Não há como negar que O Antagonista divulga e explora a política brasileira como um dado emocionante, impressionante, capaz de indignar e escandalizar. O adjetivo "sensacionalista" é, portanto, aplicável ao site.

Para infortúnio dos detratores de O Antagonista, no entanto, esse é justamente o motivo do nosso sucesso. Conseguimos transformar o sensacionalismo em algo positivo, ao tratar sem mesuras -- e, quando é o caso, aos gritos escandalizados -- esse espetáculo indecoroso que é a política brasileira. Com isso, atraímos uma legião de leitores que andava entorpecida pelo jornalismo de gabinete que contamina as publicações tradicionais. Com isso, atraímos uma legião de leitores que jamais havia se interessado por política, pelo fato de a enxergarem lá longe, como um mundo apartado da vida real -- quando é justamente o contrário, a política é que está por trás de todas, absolutamente todas, as mazelas que infernizam o cotidiano do país.

No Brasil, confunde-se equilíbrio jornalístico com medo do poder e, não raro, certa cumplicidade com mandachuvas. Ouve-se com "imparcialidade" até bandido flagrado com dólar encontrado na cueca. Como sou "extremista", permito-me dizer que, estivesse cobrindo o Tribunal de Nuremberg, a imprensa nacional de hoje em dia iria ouvir o choro dos advogados de Hermann Goering ou Alfred Rosenberg, a fim de "compensar" as acusações contra esses monstros nazistas. E todos eles "teriam exterminado judeus e outras minorias", porque a "presunção de inocência" deve valer até o fim. O mais curioso é que tanta "isenção" não levou a que os jornais errassem menos. Só se tornaram mais anódinos.

Agradeço, portanto, o adjetivo "sensacionalista" que volta e meia nos dirigem. Enquanto tivermos leitores, continuaremos a emocioná-los, indigná-los e escandalizá-los com o escândalo que é a política brasileira, porque estamos do lado dos cidadãos do bem e queremos que eles (nós) mudem o país. E também seguiremos tentando diverti-los, porque às vezes só dá mesmo para fazer piada com as mentiras que essa gente nos conta.

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Qual foi o maior erro profissional de minha vida? - Paulo Roberto de Almeida


Qual foi o maior erro profissional de minha vida?

Paulo Roberto de Almeida
 [Mini-reflexão sobre erros e acertos]
  
Mario Sabino, em sua carta aos leitores deste 5 de Agosto de 2016 no Antagonista, formula a seguinte pergunta:
"Você já errou ao fazer a coisa certa no momento errado?"

Posso responder que sim, obviamente. Meu maior erro profissional foi ter detectado, muito antes que eles assumissem o poder, a natureza essencialmente mafiosa dos companheiros que se preparavam para assaltar o país e a nação. Sabia que eles eram mafiosos, mas isso eu não podia dizer abertamente. Contentei-me em afirmar, em artigos de corte acadêmico, que os companheiros compunham um partido tipicamente da esquerda latino-americana, com seu anti-imperialismo elementar, seu antiamericanismo infantil, seu socialismo equivocado, e, de forma tênue, para não chocar os incautos e true believers, que eles acabariam produzindo os efeitos exatamente inversos aos que eles pretendiam imprimir ao Brasil, ou seja, igualdade, justiça social, progresso econômico e inserção internacional com soberania.
Esses meus artigos estão documentados, e disponíveis.
Os companheiros detectaram, obviamente, a minha crítica antecipatória, e trataram de me isolar, no meu próprio ambiente de trabalho, e foi assim que atravessei meu deserto funcional ao longo de meu segundo exílio, com o dobro da duração do primeiro.
Meu maior erro profissional, como o de Mário Sabino, foi o de fazer a coisa certa no momento errado: ou seja, ter denunciado o recuo, o atraso, o desmantelamento institucional no Brasil.
Só não podia prever a extensão dos crimes, o tamanho da fraude, a imensidão da roubalheira, as falcatruas na política externa.
Tudo isso eu percebi, desde o início, só não podia falar com toda a clareza, mas os indícios estavam expostos.
Acho que meu maior erro está agora restaurado em sua verdade.
Vamos em frente...


Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 5 de agosto de 2016
(dia da abertura das Olimpíadas)

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Oh, Mario Sabino: os brasileiros sao um praga, ou sao insetos? A Metamorfose - Mario Sabino

A metamorfose
Por Mario Sabino
O Antagonista, 08 de Julho de 2016

Quando acordei na primeira manhã em Praga, depois de sonhos intranquilos, eu havia me metamorfoseado num inseto.
Como poderia ser diferente? Eu estava num país que, independente do Império Austro-Húngaro somente em 1918, após a Primeira Guerra Mundial, havia sido barbarizado pelos nazistas ao longo de sete anos, ocupado pela Rússia soviética durante mais de quarenta, se desmembrado da Eslováquia  em 1993 — e, no entanto, conquistado níveis de excelência por todas as métricas disponíveis.
Com pouco mais de 20 anos de liberdade política e econômica, os tchecos privatizaram estatais, puseram a sua juventude para estudar de verdade (nada de marxismo), reabilitaram a sua indústria, revitalizaram a sua linda capital, dinamizaram o turismo, entraram para a União Europeia e passaram a exibir um padrão de vida próximo ao das grandes nações ocidentais.
Enquanto isso, o que fizemos nas últimas duas décadas — ou melhor, nos quase duzentos anos de independência? Fizemos o que os insetos fazem: avançamos poucos metros por dia, a maior parte das vezes andando em círculos ou abertamente para trás, sujamos o percurso como baratas e, neste momento, lá estamos nós outra vez com as perninhas para o alto, tentando tirar a parte cascuda do chão. Tudo para voltar a avançar poucos metros por dia, a maior parte das vezes andando em círculos ou abertamente para trás.
Não é uma imagem entomológico-literária. No ranking mundial de competitividade, para ficar apenas num exemplo, recuamos pelo sexto ano consecutivo, agora para o 57º lugar, enquanto a República Tcheca ganhou posições (figura em 27º).
Os tchecos têm Praga; os brasileiros são uma praga.

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Educacao: a destruicao da escola publica e a falta de futuro para o Brasil - Mario Sabino

Quando eu fiz escola (e só podia ser pública, pois eu vim de uma família muito pobre), lembro-me perfeitamente, como escreve Mario Sabino no seu comentário do dia para o blog do Antagonista, de como era boa, ou razoável, essa escola, com a mesma professorinha (moças ou senhoras de classe média, encarregadas de ensinar TODAS as matérias para a classe, durante mais de um ano.
Aprendíamos muito, mas também tinha de haver a participação da família, no caso de pais semi-alfabetizados, incapazes de se substituir aos livros ou aos professores, a participação se dava de modo muito prosaico: a contrapartida das notas baixas no boletim era a cinta ou o chinelo, ou alguma outra punição qualquer.
Do lado da escola, a solução para os fracassados também era muito simples. Incapaz de acompanhar o rigor da escola pública? Não tem problema: SAIA, vá para a escola privada, que era uma confissão de fracasso, de incapacidade, de burrice, estupidez, ou vagabundo.
Hoje, é exatamente o contrário: só vai para a escola pública quem não consegue pagar a escola privada, e se trata de uma confissão de fracasso pedagógico também, já que ninguém espera que um filho seu saia preparado para qualquer coisa da escola pública.
Mas, a situação é pior do que você pensa, pois a escola privada é IGUALMENTE RUIM! Basta conferir os resultados do PISA e ver que alunos das escolas privadas são tão ruins quanto os das escolas públicas, seu nível é medíocre quando comparados a outros países.
Ou seja, se você pensa que a escola privada vai salvar o Brasil, como pensam alguns liberais ingênuos, esqueça.
A nossa educação é ruim, vai continuar ruim, e não há nenhum risco de melhorar.
Exatamente o que diz o Mario Sabino, mas que ainda acredita que um dia possa melhorar, ou pelo menos tem essa esperança. Eu sou mais pessimista.
Paulo Roberto de Almeida

Quero que o meu neto leve olé do neto do Estevão
Por Mario Sabino
O Antagonista, 27 de Junho de 2016

Eu estudei em escola pública do quarto ano ao primeiro colegial. Ou seja, de 1971 a 1976. Fui para a escola pública depois que a separação dos meus pais empobreceu a minha mãe; voltei para a escola particular depois que o meu pai, casado pela segunda vez, parou de brigar com a minha mãe — e a escola pública havia começado a se tornar um lixo completo.
As duas escolas públicas que tive a oportunidade de frequentar contavam com excelentes professores, laboratórios bem equipados, bibliotecas decentes e quadras de esporte impecáveis. Eram exceções num universo incomparavelmente melhor do que o de hoje. Filho de médico, eu convivia com filhos de empregadas domésticas, pedreiros, feirantes, comerciários, garçons e, imagino, desempregados. Branco, eu convivia com outros brancos, negros, mulatos, cafuzos e asiáticos. Bom corredor, no pega-pega, eu levava olé do Estevão, primogênito de uma lavadeira.
Nossos filhos não tiveram nem terão semelhante experiência. Mesmo que ocorram vicissitudes familiares como as que marcaram a minha infância, sempre haverá um tio pronto a evitar a “tragédia” de os sobrinhos serem obrigados a sair do sistema privado de ensino. Escola pública, para a classe média, agora é ameaça de castigo para quem tira notas ruins: “Se não se emendar, mando você para uma escola estadual!”. Virou lugar para vagabundos.
A falência total da escola pública não é só fruto do descaso, mas de uma política desenhada para o seu aniquilamento — que, paradoxalmente, se acentuou com a redemocratização do país. Destruiu-se a escola pública para enriquecer empresários que, em geral, oferecem ao povão um ensino ruim envernizado por instalações físicas razoáveis. Destruiu-se a escola pública e, com isso, fortaleceu-se a pedagogia esquerdista que prega a desordem, não o progresso. Resultado: quedas contínuas no desempenho dos alunos brasileiros nos exames internacionais e da produtividade dos nossos trabalhadores de qualquer nível.
Não haverá democracia no Brasil enquanto não houver escola pública de boa qualidade para todos, inclusive os seus descendentes. Não apenas porque ela oferecerá chances iguais a pobres e ricos, mas porque possibilitará a queda do enorme muro que separa as classes sociais. É preciso que ricos possam brincar com pobres no recreio; é preciso que pobres possam brincar com ricos no recreio — e, juntos, aprendam o que vale a pena a ser aprendido em sala de aula. E, juntos, deixem de ter medo uns dos outros. E, juntos, prosperem e construam uma nação.
Eu quero que, no pega-pega, o meu neto leve olé do neto do Estevão
Mario Sabino

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Populistas sao idiotas? Provavelmente Mario Sabino, mas jornalistas tambem podem se enganar...

Meus comentários iniciais a esta crônica interessante mas mal informada sobre o Brexit:
Escreve Mario Sabino:
"A economia do Reino Unido, (...) é baseada na exportação de manufaturados que perderão o acesso sem barreiras ao maior mercado do planeta. Mercado, aliás, que está para integrar-se ao americano. UE e Estados Unidos negociam a criação da maior zona de livre comércio do mundo -- e o Reino Unido ficará fora dela."
Não Mario Sabino, os produtos ingleses, ou britânicos, NÃO perderão o acesso ao maior mercado consumidor do planeta. Eles continuarão tendo acesso, pois assim estabelecerão pessoas inteligentes (algumas até eurocratas, vejam vocês) dos dois lados da Mancha, que vão negociar um simples acordo de associação, ou de livre comércio entre uma GB fora da UE (se sair, o que ainda pode não ser definitivo) e o "resto" da Europa, ou seja, esses turbulentos europeus "além Mancha". A lógica, a história, os interesses assim o determinam.
Mais ainda: é muito mais fácil para uma GB livre, sozinha, chegar antes a um acordo de livre comércio com os EUA do que aquele bando de mercantilistas franceses e outros protecionistas do continente. A GB sempre foi a favor do livre comércio, desde 1846, com apenas um intervalo de algumas décadas no século XX, por força de sua própria decadência. Mas desde aquela "dama de ferro" da qual alguns não gostam, ela continua sendo a favor da liberalização comercial.
Tampouco acredito nisto Mario Sabino:
"O Reino Unido não ficará pobre, mas enriquecerá menos no seu esplêndido isolamento. A queda do valor da libra é o sinal mais evidente do futuro britânico."
Isso é terrorismo econômico dos eurocratas e outros dirigistas doentios. A Suíça, a Noruega e alguns outros irredentistas não ficaram mais pobres, relativa ou absolutamente, por escolherem não pertencer à UE, e aos seus milhares de regulamentos intrusivos e excessivamente burocratizados. Eles podem levar uma vida mais simples, e ainda assim ter todos os intercâmbios possíveis com aquele monstro burocrático, sem precisar aderir à selva de regulamentações kafkianas (desculpe Franz).
 Vamos com calma, Mario Sabino, não faça do Brexit um drama econômico, ele é só uma comédia política. Os europeus continentais vão continuar sendo o que são, e a GB retomará sua liberdade para negociar acordos de livre comércio com quem ela quiser, dejar, for possível, inclusive com os EUA, a China, o Brasil, whoever.
Viver livre é sempre uma boa opção, em lugar de ter de manter uma confusa catedral gótica que custa um bocado para ficar sempre limpa e arrumada, sobretudo com aqueles corais gigantescos, cada um cantando na sua lingua, e mais 83 combinações de interpretações simultâneas necessárias, inclusive do finlandês para o grego, e do húngaro para o espanhol.
Falar inglês, não tem preço, ou melhor, custa muito mais barato...
Paulo Roberto de Almeida

Populistas são idiotas
Por Mario Sabino
O Antagonista, 24 de Junho de 2016

O populismo de esquerda e direita é capaz de infectar até mesmo países altamente civilizados, caso do Reino Unido. O Brexit representou uma vitória do populismo de direita, cujo rosto é Nigel Farage, chefe do Independence Party.
Os motores do Brexit foram principalmente a crise migratória e a xenofobia dos mais velhos -- os britânicos com menos de 24 anos votaram maciçamente pela permanência do Reino Unido na União Europeia. O excesso de regulação dos burocratas de Bruxelas contou para o “Leave”, mas serviu como força auxiliar para a decisão que causou um terremoto nas bolsas de todo o mundo e lançou uma sombra sobre o processo de globalização.
O populismo é o exato oposto da racionalidade, demonstra o Brexit. Como escreveu David Cassidy, da “New Yorker”, os seus partidários não ouviram a City, o ministro das Finanças, o Banco da Inglaterra, o FMI, o governo americano e uma infinidade de grandes economistas e empresários. Ao contrário do que diz toda essa gente respeitável, os adeptos do “Leave” acreditam que o Reino Unido poderá se tornar uma Noruega ou uma Suíça, países que rejeitaram a integração com o bloco, mas se beneficiam de um status especial com as nações da UE.
É um engano. A economia do Reino Unido, além de ser bem maior do que a norueguesa e suíça, é baseada na exportação de manufaturados que perderão o acesso sem barreiras ao maior mercado do planeta. Mercado, aliás, que está para integrar-se ao americano. UE e Estados Unidos negociam a criação da maior zona de livre comércio do mundo -- e o Reino Unido ficará fora dela. Muito inteligente.
A massa ignara que votou pela saída do bloco europeu deixou-se levar pelo discurso estúpido de Nigel Farage e asnos do Partido Conservador, sem se dar conta de que a integração à UE foi determinante para tirar o país da recessão na década de 80 e empurrar ladeira acima a economia britânica nos anos que se seguiram. O thatcherismo não teria dado resultados tão espetaculares sem a adesão ao bloco, apesar de todas as bravatas da Dama de Ferro.
A burocracia da UE é exasperante? Sim. A adoção do euro, sem união fiscal, foi desastrosa? Sim. A crise iniciada em 2008 continua a bater forte, em especial no Sul do continente? Sim. Os tropeços, contudo, não apagam o fato de que o bloco europeu é um sucesso político -- amalgamou nações historicamente inimigas -- e econômico. Não há um país que tenha empobrecido por causa da UE. Ela propiciou e acelerou o enriquecimento de todos, absolutamente todos, que a integram. O Reino Unido não ficará pobre, mas enriquecerá menos no seu esplêndido isolamento. A queda do valor da libra é o sinal mais evidente do futuro britânico.
A saída da UE também causará um problemão interno. Escócia e Irlanda do Norte votaram majoritariamente na permanência do Reino Unido no bloco. Em 2014, no plebiscito que definiu que os escoceses continuariam ligados à Inglaterra, um forte argumento utilizado nesse sentido foi dado pela UE. Os principais líderes europeus afirmaram que, se a Escócia saísse do Reino Unido, ela dificilmente seguiria no bloco. Agora, a Escócia está fora da UE, por causa do atrelamento à Inglaterra. Escoceses já recomeçam a falar em independência, dessa vez para voltarem ao bloco. Na Irlanda do Norte, por seu turno, o Sinn Fein, o partido nacionalista, quer um referendo para uni-la à Irlanda, que ficou rica graças à UE.
A ironia, nota David Cassidy, é que o Reino Unido corre o risco de se esfacelar do ponto de vista político antes de se desligar do bloco europeu, processo que deve demorar alguns anos para completar-se.
Populistas são, acima de tudo, idiotas.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

O capitalismo mafioso da Odebrecht - Mario Sabino (O Antagonista)

Com toda razão Mario Sabino diz que a Odebrecht precisa ser extinta, por representar no mais alto grau aquele tipo de capitalismo promíscuo que queremos eliminar no Brasil.
Mas, espere um pouco: está faltando a outra parte na promiscuidade.
A Odebrecht não teria chegado onde chegou sem a colaboração ativa, o estímulo, as portas abertas e os empurrões para a criminalidade de uma outra organização mafiosa, que também precisa ser extinta.
Vocês sabem de quem estou falando.
Paulo Roberto de Almeida

A Odebrecht precisa ser extinta
Por Mario Sabino
O Antagonista, 20 de Junho de 2016

A esta altura, não há dúvida razoável: a Odebrecht é uma organização criminosa disfarçada de empresa. Como tal, tem de ser totalmente desmantelada. A Odebrecht precisa ser extinta.
Está errado dizer que ela mantinha um departamento de propina. O correto é afirmar que era composta por um núcleo de corrupção cercado de departamentos que lhe serviam de fachada para roubar dinheiro público. Tanto é que a transferência para esse núcleo significava uma promoção para os funcionários.
A Odebrecht lavava o dinheiro de contratos hiperfaturados com a construção de obras mais ou menos capengas, a depender da visibilidade que elas lhe proporcionavam para a obtenção de mais contratos hiperfaturados. A fim de manter o esquema funcionando, a organização viabilizava financeiramente a eleição de políticos comprometidos com ele. Mais: a Odebrecht chegou a contratar um ex-presidente da República como lobista, para garantir um fluxo ainda maior de dinheiro público para o seu caixa, por meio de empréstimos a juros subsidiados pelos contribuintes.
Até a ascensão de Marcelo, a Odebrecht atuava como as outras empresas que há anos participam do assalto aos cofres da União, dos estados e municípios. O novo presidente da organização, no entanto, aperfeiçoou e ampliou a roubança, criando o departamento de propina que se transformou no coração de toda a estrutura.
Ele não parou por aí. A Odebrecht comprou um banco no exterior para otimizar a distribuição de dinheiro sujo aos seus cúmplices. Isso vai muito além da infiltração mafiosa no sistema financeiro europeu. É como se a máfia italiana houvesse ela própria adquirido um banco para fazer as suas transações espúrias. Marcelo Odebrecht é um gênio do crime.
Não há acordo de leniência possível com essa organização criminosa. A extinção da Odebrecht é necessária para depurar o capitalismo brasileiro e também a política do país. Ponto final.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

A FRAUDE do Ciencia Sem Fronteiras: aproveitamento NULO, ou quase nulo - O Antagonista

Transcrevo nota do Antagonista Mario Sabino sobre o Ciência Sem Fronteiras.
Desde o início do CsF, considerei o programa demagógico, absolutamente ineficaz para os fins proclamados e totalmente fraudador das contas públicas, especialmente para os fins de C&T. Acompanhei o início, quase todos em direção de países de língua portuguesa (vale dizer unicamente Portugual) e espanhol, e marginalmente em universidades de língua inglesa ou outras.
Depois tive contato, direto e indireto, com vários estudantes desse programa no exterior, e de praticamente todos recolhi testemunhos sinceros, voluntários, esclarecedores, quanto à pouca utilidade desses estágios em universidades de segunda ou terceira linha do exterior, servindo se tanto para "turismo acadêmico", algum aprofundamento "linguístico" e não muito mais do que isso.
Visitei, pessoalmente, vários desses estudantes em universidades da costa leste dos EUA, e praticamente todos eles NÃO estavam cumprindo NENHUMA matéria substantiva, mas apenas fazendo cursos de inglês, por seis meses ou mais.
Ou seja, o programa é, sempre foi, uma FRAUDE, e representou milhões gastos indevidamente, irresponsavelmente, criminosamente, com intenções claramente eleitoreiras. Nada que seja muito diferente de muitas outras políticas dos companheiros, sempre torrando dinheiro de todos os políticos brasileiros a fim de manter, preservar, ampliar um CURRAL ELEITORAL que lhes mantivesse no poder.
Lamento que outras áreas de C&T do Brasil tenham perdido recursos para que o governo fraudulento dos companheiros pudesse fazer demagogia eleitoral.
Paulo Roberto de Almeida

Sem-vergonhice sem fronteiras
Por Mario Sabino
O Antagonista, 13/06/2016

Eu não entendo nada de ciência e tecnologia, mas sei que as universidades, os laboratórios e centros de pesquisa do Brasil estão a anos-luz de distância daqueles dos países avançados.
Eu não entendo nada de ciência e tecnologia, mas sei que são fatores determinantes para o desenvolvimento de uma nação.
Eu não entendo nada de ciência e tecnologia, mas sei que é um inferno encontrar um bom instalador de ar-condicionado por aqui.
Foi com certa curiosidade, portanto, que li a notícia da Folha segundo a qual apenas 3,7% dos participantes do programa federal Ciência Sem Fronteiras foram estudar nas melhores universidades do mundo -- aquelas que realmente fariam diferença para a formação dos beneficiados e, portanto, para o avanço científico e tecnológico nacional. A massacrante maioria aproveitou o intercâmbio com dinheiro público apenas para “ter uma experiência lá fora”. E o “lá fora”, não raro, foi Portugal -- essa ilha de excelência na Europa Ocidental.
É claro que o programa inventado pelo PT era demagógico, um trem da alegria destinado principalmente a uma porção de gente sem requisitos acadêmicos para estudar seriamente no exterior. O meu ponto não é esse. O meu ponto é justamente a quantidade de gente disposta a pegar qualquer trem da alegria no Brasil, desde que pago com dinheiro público, sem a preocupação de dar retorno ao país.
Não há diferença moral entre o estudante que pegou bolsa do governo para fazer curso de nanotecnologia na Universidade de Coimbra e o político que vai ao estrangeiro às nossas expensas, a pretexto de discutir alianças estratégicas, e passa o dia circulando em lojas de grife de Nova York, Londres, Paris ou Roma.
Somos um país de salafrários, essa é a verdade, e os trens da alegria nos espelham, não importa o nome que se dê a eles. A taxa de honestidade brasileira talvez seja mesmo de míseros 3,7%.
Vou ter de continuar procurando um bom instalador de ar-condicionado.

sexta-feira, 10 de junho de 2016

O anarco-capitalismo, os socialistas fabianos, e os fascistas e anti-fascistas - Mario Sabino (Antagonista)

Uma crônica extremamente saborosa que me permito reproduzir a partir da newsletter diária do Antagonista, de que Mario Sabino (ex-Veja) é um dos fundadores.
Eu adoraria chamar esse blog de Contrarianista (pois assim ele ele ficaria com o meu perfil, mas talves isso seja narcisismo demais, ou quem sabe autismo).
Nesta crônica, com base em suas lembranças de família, ele discute o papel do Estado, em geral, e o seu pobre e miserável papel aqui no Brasil.
Considerações familiares e filosóficas à parte, concordo inteiramente com sua caracterização do Estado brasileiro atual, capturado por patrimonialistas de direita e de esquerda (os primeiros desde sempre, os segundos desde 2003, e ainda não terminou), mas que eu preferiria traduzir por outros conceitos.
Eu diria, por exemplo, que nosso antigo patrimonialismo tradicional, aquele das elites latifundistas, dos coroneis do interior e dos magistrados da capital, foi transformado por Vargas num patrimonialismo urbano-industrial, das novas elites industriais (que antigamente eram chamadas de "classes produtoras"), foi igualmente modernizado pelos militares, que o converteram num patrimonialismo tecnocrático (e Brasília foi essencial nesse mudança perversa), até chegarmos no patrimonialismo operado pelos companheiros, que o converteram em um patrimonialismo de tipo gangster.
Essa palavra gangster pode parecer exagerada, mas é isso mesmo o que eles fizeram: são mafiosos, e o pior de tudo, como diria Mario Sabino, são uns fascistas (e sequer são de esquerda, pois são eminentemente reacionários).
Paulo Roberto de Almeida
Brasília, 10/06/2016

Sobre o meu avô, o Estado e o “Estado brasileiro"
Por Mario Sabino
O Antagonista, 10 de Junho de 2016

Acho graça quando petistas me xingam de "fascista”. Sou fruto da oposição ao fascismo. Explico: o meu avô materno refugiou-se no Brasil ao receber um ultimato de Benito Mussolini para sair da Itália. Era cair fora ou morrer. Mussolini lhe deu essa oportunidade porque ambos trabalharam juntos no jornal socialista Avanti! e nutriam certa afeição recíproca quando eram colegas de redação.
É impossível que Mussolini tenha odiado o meu avô, no máximo uma minúscula nota de rodapé na sua biografia. Mas o meu avô odiava Mussolini, a ponto de a simples pronúncia do seu nome ser proibida diante dele. Até mesmo falar dos feitos dos antigos romanos -- que os fascistas pateticamente tentaram copiar -- era considerado ofensa grave. Nada podia lembrar Mussolini, o homem que o expulsara da Itália e havia assassinado muitos dos seus amigos.
Meu avô era melhor do que Mussolini? Digamos que não teve a chance de provar. O meu avô era, mais do que socialista, anarco-socialista, amigão de Errico Malatesta, prócer do movimento italiano (os que me chamam de “socialista fabiano” vão adorar saber). Uma vez no poder, talvez mandasse fuzilar Mussolini, sem lhe dar a chance de escapar para a América do Sul. Só estou sendo franco porque a minha mãe morreu e os dois tios maternos que me restam dificilmente lerão esta newsletter.
A minha existência, portanto, se deve ao fato de um anarco-socialista ter sido expelido da Itália por um socialista que se tornou o Duce fascista. Assim sendo, é natural que eu pense no meu avô quando leio a palavra “fascista” ou a expressão “socialista fabiano” associadas a mim. Mas eu também penso nele ao ouvir jovens adeptos do liberalismo em pregação pelo fim do Estado.
O meu avô anarco-socialista pregava o fim do Estado. Ele basicamente queria substituir essa grande conquista da civilização por sindicatos de trabalhadores em assembleia permanente que decidiriam tudo: do preço do leite ao fim das fronteiras nacionais. Troque-se os sindicatos dos trabalhadores em assembleia permanente pelas leis do mercado e a privatização de todas as atividades humanas e eis que temos a profissão de fé desses jovens adeptos do liberalismo que pregam o fim do Estado. O nome de tal profissão de fé é anarco-capitalismo.
A revolta mais do que justificada contra o "Estado brasileiro” deveria nos fazer refletir menos sobre o substantivo e mais sobre o adjetivo. Diminuir o nosso Estado é fácil, difícil é fazer com que ele não seja brasileiro.
O Estado é uma grande conquista da civilização porque, lá na sua origem, impediu que devorássemos uns aos outros. Depois, porque resultou na separação entre o público o privado, sem matar o privado. Mais tarde, porque propiciou a escola gratuita. Em seguida, porque possibilitou a construção de redes de saúde, saneamento básico, iluminação e transporte dignos desses nomes para as massas. Por último, viabilizou a criação de museus e bibliotecas fantásticos.
O Estado da civilização, como se pode ver, é o exato oposto do Estado brasileiro” -- um monstrengo surgido da colusão entre os patrimonialistas da direita e esquerda nacionais, lubrificados por um povo ignorante e abúlico.
Nem “fascista”, nem “socialista fabiano”, nem anarquista de qualquer tipo, sou muito pelo contrário.

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

O Antagonista: um novo animal politico-jornalistico na paisagem morna da imprensa brasileira

O jornalismo brasileiro, com raríssimas exceções, é miserável.
Miserável porque não temos jornalistas.
De um lado, para trazer a matéria prima, temos meros repórteres, que foram deformados por essas faculdades Tabajara que exibem (deveriam esconder) cursos de comunicações que não merecem esse nome: a maior parte do pessoal não apenas sai sem saber escrever, como sai sem saber pensar, e os que pensam alguma coisa, na verdade não pensam, repetem meia dúzia de bobagens que refletem a miséria acadêmica que já conhecemos nas faculdades de humanidades.
De outro lado, continuamos a não ter jornalistas, mas colunistas com teses pré-concebidas. Já nem falo desses mercenários alimentados pelo nosso dinheiro circulado pelos companheiros mafiosos. Falo mesmo da maioria dos jornalistas dos grandes órgãos, que os neobolcheviques mafiosos acreditam que se trata do PIG, ou seja, os jornalões da "direita", que querem derrubar os incompetentes do poder no qu se aboletaram há doze anos sem a intenção de sair. Esses aloprados chamam os grandes jornais e revistas, um pouco menos ruins que os seus pasquins horrorosos e mentirosos, de mídia, e pretendem controlá-los, o que não vão conseguir, mas vão continuar atrapalhando. Em suma, não temos bons repórteres e não temos jornalistas, só escrevinhadores, talvez tão autistas quanto Bartleby (leiam Herman Melville, para saber porque).
Enfim, chega de falar bobagens, pois a intenção desta postagem é simplesmente apresentar o novo órgão da imprensa online, que vem perturbar o cenário a partir do próprio nome: O Antagonista (eu preferiria O Contrarianista, mas aceito o nome, pois dá a impresão de embate, o que eles prometem).
Aqui estão eles, os promotores, escritores, animadores e perturbadores, os jornalistas Diogo Mainardi e Mario Sabino, em um diálogo que não se sabe quem fala o quê, mas passa por uma apresentação.
Em todo caso, meus bons votos aos dois, e ao site, esperando que eles sobrevivam ao massacre que certamente virá dos mercenários amestrados (e bem pagos) dos neobolcheviques mafiosos.
Paulo Roberto de Almeida 

O Antagonista
Diogo Mainardi + Mario Sabino

— O ex-redator-chefe da Veja Mario Sabino e o ex-colunista da Veja Diogo Mainardi se juntam para fazer O Antagonista... Que tal?
— Em matéria de ex, só falta a Ivana Trump.
— Será que nossos leitores sabem quem é a Ivana Trump?
— Duvido.
— Dois fantasmas do jornalismo impresso tentam assombrar o jornalismo online... É melhor assim?
— Parece a trama de um desenho do Scooby Doo.
— Será que nossos leitores sabem quem é o Scooby Doo?
— Todo o mundo conhece o Scooby Doo.
— O antagonista é aquele que amola o protagonista. Nosso jornal pretende amolar os protagonistas da política, da economia, da cultura... É mais ou menos isso, não é?
— O antagonista, nas melhores histórias, tenta eliminar o protagonista. Prefiro eliminar a amolar.
— Acho que seremos eliminados antes. Não seria melhor só amolar? Quem vai patrocinar gente como nós?
— Você só pensa em dinheiro. Vamos fazer o jornal, depois arrumamos patrocinadores. O Antagonista nasceu porque tivemos uma pequena ideia.
— Uma média ideia.
— A internet tem tudo, mas precisa de um bom editor capaz de pautar, cortar, expurgar e copidescar. Concordo: é mais do que uma pequena ideia, é um caminho.
— Assim fico sentimental como um ex-tupamaro: “Caminante, no hay camino; se hace camino al andar”...
— Tupamaro? Somos de direita.
— Somos? Tinha esquecido, não podemos frustrar nossos leitores.
— Eles serão leitores, mas também protagonistas de O Antagonista. Ao lado de cada matéria, sempre entrarão as melhores sacadas de quem nos acompanha.
— Nada de deixá-los só lá atrás, nas caixas de comentários.
— Lá atrás e lá embaixo.
— Vamos colocá-los em igualdade com jornalistas famosos cujas opiniões também entrarão na mesma área.
— Se a gente gostar do que esses jornalistas disseram a respeito do assunto.
— Mas, se não gostarmos, poderemos comentar a opinião do sujeito.
— Temos o direito...
— ...de escarnecer, ...
— ...de ridicularizar,...
— ...de esclarecer,...
— ... de cultivar inimigos...
— ...e influenciar pessoas.
— É um conceito novo na internet.
— Boa frase para propaganda.
— Você não entende nada de propaganda: é uma frase surrada.
— Mas faz sentido.
— E quem disse que boa propaganda requer sentido?
— Me perdi: quem está falando agora, o Diogo Mainardi ou o Mario Sabino?
— Tínhamos combinado que isso não importaria. Não assinaremos as matérias. Dividiremos a responsabilidade.
— E os processos. Será que teremos como pagar as indenizações, se formos condenados?
— Você só pensa em dinheiro.
========
Alguns exemplos de matérias: 
Brasília é manter a Rede Globo sob pressão econômica constante - não tirando comerciais de estatais, como faz o governo em relação aos anúncios em Veja, mas fustigando a emissora numa das suas áreas mais lucrativas, o esporte. Essa é a missão política de George Hilton - aparentemente, sem ligação familiar com Paris Hilton - no ministério para o qual foi nomeado. Para ler mais, clique no título... 
Kirk Arley Gloria Essa é a nossa "Pátria educadora".
Alex Qualquer semelhança com o governo Kirchner não é coincidência. A guerra e perseguição contra a imprensa, jornalistas e a Justiça é o receituário K.
Luiz Carlos Em vez de bater à porta do PMDB, que tal uma semana por mês de Jornal Nacional sem cabresto?

Joaquim Levy e o verdadeiro ministro da Fazenda

Na Reunião de Pauta de hoje, O Antagonista indagou quem seriam os bacanas presentes à posse de Joaquim Levy no ministério da Fazenda. As maiores estrelas foram banqueiros. Estavam lá Roberto Setubal, do Itaú, o maior banco privado brasileiro; Lázaro Brandão e Luiz Trabuco, do Bradesco, ex-patrões de Levy; e André Esteves, do BTG Pactual, admirador de Liechtenstein, segundo a Veja. Nada mau para o governo de uma presidente que, durante a campanha, afirmou que a banca iria tirar a comida do prato dos pobres. Para ler mais, clique no título..


Maria dei Medici: só
o exílio a emendou

Jorge Gerdau Johannpeter, ao Valor "O importante é construir caminhos que dêem perspectiva."
Luiz Moan, presidente da Anfavea "Hoje é bom escutar."
veja.com "O discurso do novo ministro agrada o mercado, mas perde força diante dos últimos acontecimentos envolvendo a nova equipe econômica."
estadao.com Balança comercial fecha 2014 no negativo após 13 anos de superávit

Blogs sujos em alta? Petrobras em baixa

Há mais um motivo para a queda das ações da Petrobras. O jornal "Valor Econômico" trouxe o depoimento de um ex-gerente de comunicação da Diretoria de Abastecimento da estatal, chamado Geovane de Morais. Ele conta que, em janeiro de 2008, o então presidente Lula exigiu que a Petrobras patrocinassse escolas de samba cariocas já naquele ano. Avisado de que não havia tempo para fazer isso da forma correta, obedecendo a todos os procedimentos burocráticos e legais, Lula mandou a Secretaria de Comunicação da Presidência da República entrar em ação -- e o "milagre" ocorreu. Para ler mais, clique no título...
Rodrigo Esse blog 171 é aquele que recebia patrocínio também de lavanderias?
Ivani Weffort Tem muito blogueiro que vive de joelhos para receber os valores pagos pelo PT. Quanto mais canalhas as distorções, mais acham que merecem ganhar.
Paulo Jr. Inocente que sou, estranhava tais blogs. Graças à Folha e ao Josias, soube que que governo paga até 1200% a mais a eles do que a mídias tradicionais.
Christian Sieberichs É uma atrás da outra. Conseguiram afundar a Petrobras um nível abaixo do pré-sal.

Dilma roda a baiana e quem paga a conta é você

A Petrobras, neste momento, perde 4,56%, depois de ter despencado mais de 6% na última sexta-feira. A Bovespa tem uma queda de 2% e o dólar supera novamente a barreira de R$ 2,70. Sim: a Grécia. Sim: a China. Sim: o barril do petróleo. Mas o pito que Dilma passou no ministro do Planejamento Nelson Barbosa, diretamente da Base de Aratu, mostrou aquilo que todos evitavam ver: ela vai continuar mandando na economia. Para ler mais, clique no título...


Uma moeda, por favor

@infomoney Petrobras cai 5% e opera abaixo de R$ 9
Valor Petrobras teve prejuízo ao favorecer escolas de samba a pedido de Lula
@infomoney (2) Dólar deve chegar a R$ 2,80 no 1º trimestre e fechar o ano a R$ 3,20, diz NGO
Casa das Caldeiras Episódio do mínimo lembra críticos de Dilma 1 por ações "centralizadoras e intervencionistas”
Bloomberg Petrobras -6,11%
Blooomberg Aurelius Presses Petrobras Claim as Default Odds Soar
Bloomberg Petrobras -7%

O troco de Renan Calheiros

"Renan Calheiros pretende dar o troco em Dilma". É a manchete mais assustadora do dia, da coluna Painel, na Folha de S. Paulo. É assustadora porque o troco de Renan Calheiros nunca custa menos do que uma refinaria superfaturada da Petrobras. E é assustadora, em particular, porque ele está certo: Dilma Rousseff tirou quase todos os ministérios do PMDB, privilegiando a Igreja Universal, Kassab e a sogra de Cid Gomes. Para ler mais, clique no título...
Estadão Renan Calheiros avisou que, se perder cargos de 2° escalão, vai declarar independência em relação a Planalto
Estadão (2) PMDB quer garantir Banco do Nordeste, Dnocs, Codevasf
Estadão (3) PMDB considera que foi "humilhado" por Dilma na reforma
Estadão (4) Eunício Oliveira disse que há "verdadeira rebelião" a ser administrada

Obrigado, Mantega

Joaquim Levy, hoje à tarde, assume o Ministério da Fazenda. O Globo informou que Guido Mantega, que não participou da posse de Dilma Rousseff, também não participará da entrega do cargo ao seu sucessor. Em compensação, ele entregará uma economia estagnada, inflação acima da meta, juros crescentes, déficit externo de quase 4% do PIB, arrecadação em queda de 12,86% e outros números equivalentes. Segundo O Globo, Mantega não estará presente à cerimônia de transmissão do cargo porque "foi embora do governo muito aborrecido com os rumos da transição". Para ler mais, clique no título...
Claudio Humberto Mantega escapa de fininho da Lava Jato, apesar de ser Presidente do Conselho da Petrobras desde abril de 2010
Claudio Humberto (2) Como presidente do Conselho da Petrobras e membro na BR Distribuidora, Mantega recebe R$ 19,7 mil/mês
Focus Mercado prevê crescimento de 0,5% do PIB em 2015 e inflação a 6,56%.
@rationalexpec Joaquim Levy toma posse hoje às 15hrs. Mas Mantega, Arno e Holland, de birra, não vão à solenidade.

O camarote da USP

A Fundação Universitária para o Vestibular (Fuvest), responsável pelo exame de admissão à principal universidade pública do país, a Universidade de São Paulo (USP), pediu aos candidatos que fizessem uma redação sobre a "camarotização da sociedade". Traduzindo: a segregação das classes sociais no Brasil. O Antagonista gostaria de saber qual seria a nota recebida pelo aluno que escrevesse uma dissertação que incluísse o vertiginoso processo de ascensão social dos dirigentes petistas, desde 2002. Todos agora instalados nos melhores assentos do apartheid brasileiro. Para ler mais, clique no título...
Leticia O Lula não curtiria esse tema de redação diretamente do seu triplex no Guarujá.
Rivaldo Lulla é o grande rei do camarote.
Matheus Linard Estão apenas aplicando o lema do novo governo: "Brasil, Pátria Doutrinadora".
Serjão A coisa é tão calhorda que se o aluno escrever o que pensa e o que é certo acaba tirando zero.
José Carlos Gostaria de saber também qual a nota do aluno que perguntasse a tradução para o português da palavra - em Novilíngua - "camarotização".

O PT gosta também de corrupção com gás

O jornal "O Globo" noticia que a Petrobras usou empresas de fachada para construir e fazer funcionar a parte do gasoduto Gasene que vai de Cacimbas (ES) a Catu (BA). Esse trecho de 954 quilômetros (e provavelmente os outros dois também, que somam 433 quilômetros) teve custos superfaturados - atenção - em até 1.800%. A trapaça gigantesca foi descoberta por técnicos da Agência Nacional de Petróleo (ANP) e incluída numa auditoria realizada pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Não, senhores, a coisa toda não veio à tona graças aos governos Lula e Dima, mas apesar deles. Lula, Dilma, Sérgio Gabrielli e Graça Foster inauguraram pessoalmente esse propinoduto, em 26 de março de 2010. Para ler mais, clique no título...

Lula gira a manivela da Gasene
O Globo Petrobras admite que usou escritório de contabilidade para construir gasoduto
Heloisa O número de Sociedades de Propósito Específico (SPE) criadas pela Petrobras nestes 12 anos foi enorme. Sempre achei estranho.
Victor M. Costa Mensalão, alguns milhões; Petrolão , alguns bilhões; Assistir ao impeachment, não tem preço...
Carmen Considerando o conjunto da obra, acho que pagamos ao PT cerca de mais 200 milhões de reais.
Daniel Entenderam agora por que os petistas amam a Rússia e a China e odeiam os EUA?

Quanto custa?

Os jornais noticiaram que Dilma Rousseff passou sua descompostura no ministro Nelson Barbosa diretamente da Base Naval de Aratu, na Bahia, onde descansa, mas ninguém se preocupou em noticiar quanto está custando ao contribuinte esse seu descanso. Dilma viajou com sua filha Paula, sua mãe Dilma Jane, seu neto Gabriel, seu genro, sua tia, seu sobrinho e a mulher de seu sobrinho.
Para ler mais, clique no título...


A Base Naval da alegre comitiva

Adriana C. do Couto O artigo me fez lembrar que, na Copa, o marido da chanceler alemã Angela Merkel veio em avião separado e arcou com as próprias despesas.
Flavio Hermes Pagaria de bom grado para que Dilma ficasse descansando na praia durante todo o mandato. Ficaria muito mais barato para os pagadores de impostos.
Rodolfo Em 2011, somente a reforma da residência oficial da base de Aratu para abrigar a presidente e convidados custou 657,9 mil reais.
Alcione Carvalho Antes de renunciar ao governo do Maranhão, Roseana Sarney sancionou lei que lhe concede nomear assessores e ter carro oficial por mais quatro anos.

Apostamos contra o governo

A reportagem da Veja sobre Joaquim Levy, publicada ontem, e a entrevista de Nelson Barbosa à Folha de S. Paulo, publicada hoje, escancaram aquilo que motivou o surgimento de O Antagonista: deve-se sempre apostar contra o governo. O delírio da Veja de que Joaquim Levy aplicaria um rigoroso programa de ajuste fiscal, sob o comando de Dilma Rousseff, já estava sendo ridicularizado antes mesmo que a revista chegasse às bancas.
Para ler mais, clique o título...


Cézanne aposta contra o governo

Danilo Gentili Aposto junto.
Pedro Lemos Como é possível "restabelecer a credibilidade" de um governo que maquia dados e vence as eleições na base da mentira e da difamação?
Margarida Rulhas Não vejo por que censurar a Veja. Devemos tanto a ela que um deslize não merece que a crucifiquemos.
Rodrigo Essa equipe econômica do segundo mandato é a nova maleta de maquiagem de Dilma. Ela os está usando como fachada, apenas para agradar ao mercado.
Julio Daniel O trabalho de Joaquim Levy é organizar as cadeiras no deque do Titanic.

O ministro que durou um dia

A Folha de S. Paulo, neste domingo, publica uma entrevista com o Ministro do Planejamento Nelson Barbosa, concedida dois dias atrás, antes que Dilma Rousseff o desmoralizasse publicamente. De lá para cá, ele se tornou um zumbi ministerial. Só a Folha de
S. Paulo ainda lhe dá algum crédito. Dilma Rousseff já mostrou como Nelson Barbosa deve ser tratado.
Para ler mais, clique no título...

Nelson Barbosa fala com a Folha

Ministério do Planejamento O ministro Nelson Barbosa esclarece que a proposta de valorização do Salário Mínimo blá-blá-blá
J.B. dos Santos Ministro Barbosa, um conselho: caia fora do barco antes que seja tarde demais.
Lucas Saboia No 1º mandato, Dilma acostumou-se a chutar cachorrinhos de sua esfera polîtica e ideológica. Agora arrumou alguns cachorrinhos "do mercado" para ch...
Anderson Silva Dilma sempre foi a Rainha de Copas. CORTEM-LHE A CABEÇA!
Felipe Arruda Esse e outros ministros são simples "walking dead", que serão tratados como as bugingangas de 1,99 que ela vendia na lojinha que faliu.

André Singer e a máquina de costura

André Singer é um bom moço, o seu lado bad boy é ser petista. Ex-porta-voz do governo Lula, ele assina uma coluna de Opinião na Folha de S. Paulo. Na coluna deste sábado, Singer critica Dilma Rousseff pela "desconexão entre palavras e atos": por ter feito uma campanha de esquerda, montado um ministério de direita, cortado dinheiro para benefícios sociais -- e, assim, estar contribuindo para impedir a construção no Brasil do Estado de Bem-Estar Social, que o "neoliberalismo" está desmontando na Europa. Para ler mais, clique no título...
Diego Carvalho É importante encontrar um caminho parar barrar as pretensões de Lula. A oposição tem essa tarefa nada fácil.
Ricardo Berçot Barroso Não caiam nessa, é fogo amigo de mentirinha.
Janice Tomanini Marta Suplicy começou bem o trabalho sujo.
Daniel Basta fazer uma sinapse com dois neurônios para perceber que é um teatro óbvio. No final, o PT ganha.

Cortem-lhe a cabeça!

O que fazia a Rainha de Copas de "Alice no País das Maravilhas" quando se sentia contrariada? Aos gritos, ameaçava cortar a cabeça do insolente que, supostamente ou não, ousava contrariá-la. Dilma Rousseff é a Rainha de Copas; o insolente, no caso, o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa. Fula da vida, ela mandou Barbosa voltar atrás no anúncio de que, a partir de 2016, seria mudada a regra de reajuste do salário mínimo -- que, pelo atual sistema de aumento anual, tornou-se um indexador inflacionário e de forte pressão sobre os custos das empresas e as contas públicas. Barbosa perdeu a autoridade menos de um dia depois de ser empossado ministro. Para ler mais, clique no título...
Folha de S. Paulo Dilma manda ministro divulgar que regra de reajuste do salário mínimo não muda
O Globo Irritada, Dilma ordena e ministro recua de mudança na regra do salário mínimo
Serjão Se Barbosa tivesse vergonha, pegaria o boné e iria para casa.
Pedro Lemos Sempre pensei que apenas sindicatos irrelevantes representassem categorias influenciadas pela variação do salário mínimo.

O poder de fazer as escolhas erradas

Joaquim Levy é o novo paladino da Veja. A reportagem de capa desta semana, “O poder e o saber”, é uma apoteose. Veja avalia que, juntando o poder de Dilma Rousseff e o saber de Joaquim Levy “temos uma chance de atravessar o tempestuoso 2015”. E mais: “Desde
que Levy consiga fazer seu trabalho sem boicotes ou intrigas palacianas, o prognóstico é bom”. Depois de morder durante toda a campanha eleitoral, o que lhe valeu um corte facinoroso da publicidade estatal, agora Veja assopra, tentando estabelecer pontes com o Palácio do Planalto. Mas é inútil. Para ler mais, clique no título...

Dilma e Joaquim Levy na Tempestade, de Giorgione

O Globo Sindicalistas querem manutenção de aumento com ganhos reais
Folha de S. Paulo Desempenho na venda de carros é o pior desde 2002
José Hadler Basta lembrar que o salvador em questão participou da Turma do Guardanapo, aquela da festinha em Paris com o Serginho Cabralzinho!
Paulo Não existe escolha certa no lado errado...
Valeria Análise correta. Ministro tapa-buraco, que sucumbirá às intrigas e interesses do Partido dos Trabalhadores.
Márcio Duarte Preparem-se para o que está por vir: censura, com nenhum dinheiro de propaganda estatal para quem não falar bem do PT.
Raquel Aprendi muito sobre política lendo alguns livros. O melhor de todos foi "Década Perdida : 10 anos de PT no poder".

Gilberto Carvalho não é ladrão

Gilberto Carvalho ganhou as manchetes dos jornais. A frase pronunciada ontem à tarde, depois que ele perdeu o emprego na Secretaria de Governo, está estampada em todas as primeiras páginas: “Não somos ladrões”. A rigor, ele está certo. O PT é pior do que isso. A folha de antecedentes do petismo inclui crimes muito mais tenebrosos do que o roubo. Para ler mais, clique no título...

O misantropo, de Bruegel, e o petista
@Thadeu_Melo Copiando o Richard Nixon: "I´m not a crook!".
Renata Ferreira Torres Teixeira Ele só tem de explicar o que houve realmente com CELSO DANIEL E SETE TESTEMUNHAS!
Perla Nahum Carvalho é aquilo que está no video em que Mara Gabrilli o interpela. Era o "homem do carro preto", na extorsão aos empresários de ônibus de Santo...

Como funciona a piada de português que não é piada

O Antagonista foi examinar o modelo lusitano (em mais de um sentido) que o governo Dilma quer implantar no Brasil de cerceamento à liberdade de imprensa. Vale a pena ler até o final. Em Portugal, a imprensa é regulada desde 2006 pela Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC). Os candidatos a integrar o conselho da ERC integram listas que são votadas pelos deputados da Assembleia da República. Ganha a que obtiver mais de dois terços dos votos. O mandato é de cinco anos, não renovável. O conselho, composto por cincos pessoas, tem quatro eleitas por esse sistema e uma escolhida pelo quarteto vencedor. Ele se reúne uma vez por semana, mas pode ser convocado extraordinariamente por seu presidente em casos de "emergência" -- o que, no Brasil, provavelmente seria quando se noticiasse um escândalo governamental. Para ler mais, clique no título...
Daniel Martins A única regulação aceitável de conteúdo da imprensa - "mídia" repugna - é aquela feita pela Justiça, segundo a Constituição e as leis ordinárias.
Emerson Gonçalves A notícia que mais me deu contentamento veio - vejam só - do PMDB, com a declaração de que não irá apoiar esse projeto ideológico do PT.
Mario Os jornais alimentam a serpente totalitária há anos. Quando tiverem de voltar a publicar receitas de bolo na capa, talvez entendam o que fizeram.
Jorge O projeto do aloprado Berzoini e do seu colega Mercadante não vai passar -- e poderá se voltar contra esse governo fraco que se inicia.
José Marcos de Lima Chamem logo de volta a mulher da tesoura, Dona Solange, da Divisão de Censura, que no final da ditadura foi tema de música do Léo Jaime.

O ministro, o português e o papagaio

Ricardo Berzoini assumiu o Ministério das Comunicações e, segundo a Veja, citou imediatamente o "projeto de censura da imprensa". O Antagonista, em sua reunião de pauta, já tratou do aspecto mais pitoresco da questão. O modelo de regulamentação que o PT pretende adotar é o português. Para completar a piada de salão, ainda faltam o papagaio, o gago e o anão. Na verdade, o projeto petista de censurar a imprensa não é uma novidade. Existe desde o primeiro mandato de Lula. Não foi posto em prática até hoje porque provou ser desnecessário. Leia mais...


Bira O problema é que mantém a chama do medo sempre acesa e, vira e mexe, o projeto anda mais do que devia. Uma hora cola e já era.
Marcelo Henrique Gonçalves O abuso de poder fica claro quando vemos os 'jornalecos' ou blogs chapa-branca recebendo MUITO dinheiro público.
Luiz Cassa Uma coisa temos de reconhecer: esses asnos são insistentes.
Antonio Carlos Rodrigues Que essas insistentes tentativas continuem a encontrar uma imprensa (e sociedade) vigilantes.

Dilma cumpre sua primeira promessa

Dilma Rousseff já está cumprindo o que prometeu ontem à tarde, em seu discurso de posse. Ela disse - e foi muito aplaudida pela claque petista - que defenderia a Petrobras dos "predadores internos e dos inimigos externos". Neste momento, na Bovespa, a Petrobras está perdendo 2,5%, para o desespero de seus predadores internos. Daqui a pouco, em Nova York, veremos também o prejuízo dos inimigos externos. Dilma é uma mulher de palavra. Aplausos. Leia mais...
Bloomberg Na abertura do pregão em Nova York, Petrobras perde aproximadamente 6%.
Google Finance PETR3 (SP): -3,44% PBR (NY): -7,12%
Michel A única solução para a Petrobras é uma auditoria independente e externa e a troca imediata de todos os executivos e diretores.
Google Finance Fechamento do pregão: Petrobras (Bovespa) -6,15%. Em Nova York, os inimigos externos perdem ainda mais: -7,53%.

Ley de Medios

Segundo o Ibope, a audiência da Gazeta não superou a da Globo durante a transmissão da posse de Dilma, mas a reprise do programa Mulheres, com suas receitas culinárias, garantiu-lhe em determinado momento 2,4 pontos na Grande São Paulo, contra apenas 6 pontos da Globo. A seguir, anote a receita da Bacalhoada da Sogra, do programa Mulheres: Tire o sal do bacalhau. Numa tigela grande, pique as cebolas, os tomates, os ovos e a salsa. Leia mais...
TV Gazeta “Mulheres” é o programa feminino de maior longevidade da TV brasileira. Estreou na TV Gazeta como “Mulheres em Desfile”, em setembro de 1980.
TV Gazeta A atração tem quadros sobre esoterismo, beleza, moda e humor, e conta com a carismática Mamma Bruschetta, que traz novidades do mundo dos famosos.
Felipe Arruda O Ibope é tão confiável quanto Dilma. Repetindo: Tire o sal do bacalhau. Numa tigela grande .....

Os jornais e o vácuo dilmista

Os jornais, em suas manchetes, destacaram trechos do discurso de posse de Dilma Rousseff. Por isso mesmo, já amanheceram caducos. O Globo e O Estado de S. Paulo concentraram-se na promessa de Dilma de "defender a Petrobras dos inimigos externos". A Folha de S. Paulo preferiu repetir a manchete do dia anterior sobre o compromisso de Dilma de "ajustar a economia com o menor sacrifício possível". Na verdade, o único aspecto a se destacar no discurso de Dilma foi a sua orgulhosa insignificância. O Antagonista já tratou desses assuntos ontem à tarde e promete solenemente nunca mais comentar ou tentar analisar o vácuo absoluto do discurso de posse.
Fernando Esposito O Marquês de Pombal pareceria conciliador e democrático, se comparado à arrogante e autoritária Dilma. Ele seria a nossa miss Simpatia.
Marcelo Henrique Gonçalves É incrível a falta de decoro da presidente: ontem, ela fez o gesto da gangue dos mensaleiros. Gesto que marca o desrespeito com a Justiça.
Bruna Torman "Defender a Petrobras dos predadores e inimigos": Dilma sabe que isso é igual a dar um tiro no próprio pé.
João Barros Um dos efeitos da chegada do PT ao poder foi a queda no nível da cobertura política da imprensa brasileira.

No discurso de Dilma, nem o slogan é novo

No seu discurso enfadonho, repleto da conhecida contabilidade petista sem vasos comunicantes com a realidade do país, Dilma não conseguiu inovar nem mesmo no slogan escolhido para "guiar" o segundo mandato: "Brasil, Pátria Educadora" data de um discurso da presidente feito em Primeiro de Maio de 2013. É surpreendente que o único setor que funciona na atual administração federal -- a máquina de propaganda -- não tenha se dado ao trabalho de criar uma frase original. Leia mais...
Folha de S. Paulo "Em discurso, presidente anuncia novo lema do governo: 'Pátria educadora'". Os jornalistas da Folha não usam o Google.
Marisa Esse slogan de "Pátria Educadora" é incoerente com a nomeação de Cid Gomes para o ministêrio da Educação.
Jeff Jr. Globo, SBT, Record e Band transmitiram a posse de Dilma.. A Gazeta, com um programa sobre fofocas e receitas, chegou a ficar em primeiro lugar.

A Petrobras e os predadores de empadinhas

Dilma Rousseff, em seu discurso de posse, disse que vai defender a Petrobras “dos predadores internos e dos inimigos externos”. Os inimigos externos não se manifestaram até agora, mas os predadores internos, muitos dos quais reunidos no próprio Congresso Nacional, dedicaram-lhe um caloroso aplauso. Dilma prometeu que não vai mexer no regime de partilha. Ela prometeu também que não vai mexer na política de conteúdo nacional. Leia mais...


Dilma promove a partilha das empadinhas

Rita Rafaeli Ainda que comam todas as empadinhas, sempre haverá muitos e muitos coxinhas para denunciar.
Cesar Prata O governo deverá fazer uma nova cessão onerosa de reservas de petróleo à Petrobras, para aumentar a sua capacidade de endividamento.
Fabio Martini No mundo de Dilma, ela fala o que os comedores de salgadinhos querem escutar. Prometo nunca mais comer empadinhas se o Brasil acordar.
José Carlos Quanto custam uma empadinha e um refrigerante quando tais itens são comprados pelo governo federal petista?

O mundo segundo Dilma: de Guiné-Bissau a Guiné Equatorial.

A imprensa estrangeira, até agora, ignorou a posse de Dilma Rousseff. New York Times, Washington Post, La Repubblica, Corriere della Sera, Le Monde, The Guardian, Financial Times: silêncio constrangedor. Os únicos chefes de Estado que vieram a Brasília para prestigiar a presidente, excluindo os latino-americanos, foram os de Guiné-Bissau, Guiné Equatorial e Gana. O Brasil sempre contou pouco, agora conta menos ainda.
@GabrielMorenoTT Das emissoras latino-americanas, apenas a TV estatal venezuelana está cobrindo a posse da madame https://twitter.com/VTVcanal8/status/5507037317473...
Thales Guiné Bissau é considerado um "estado falido" e a Guiné Equatorial é uma das piores ditaduras da África.
Hélcia Freire O New York Times noticiou, sim, a posse. Foi generoso: descreveu a economia brasileira como "moribunda".

Quem engole e quem não engole

A coluna Painel, da Folha de S. Paulo, informa que “Lula irá à posse, mas não engoliu a perda de espaço no novo mandato”. A farsa petista se repete continuamente.. Lula sabe que os ministros indicados por ele causaram os piores desastres do primeiro mandato de Dilma Rousseff. Em particular, Guido Mantega e Gilberto Carvalho. Lula sabe também que, se houver um processo de impeachment contra a
presidente, este terá sido provocado por seus operadores na Petrobras, José Sérgio Gabrielli e Paulo Roberto Costa. Leia mais...

 
André Além de ter de suportar mais 4 anos de Dilma, vamos ter de assistir a esse teatrinho infantil de Lula fazendo papel de oposição?
Suzana Pimenta Lula é o eterno traíra. Usa tudo e todos para o seu projeto doentio de poder.
Allan Eu não duvido nada se, no auge da crise que se avizinha, Lula disser que Dilma nunca foi petista de verdade.
Paulo Brito E adivinha quem vai defender Dilma para manter a "estabilidade institucional"? Pássaros do bico grande...

Thomas Piketty recusa a Legião de Honra

O economista francês Thomas Piketty, autor do best-seller "O Capital no Século XXI", recusou hoje receber uma das maiores honrarias concedidas pelo governo francês -- a Legião de Honra, no grau de Cavaleiro. Ele justificou a decisão da seguinte forma: "Eu acabo de ter a notícia de que fui agraciado com a Legião de Honra. Recuso essa nomeação, porque o papel de um governo não é decidir quem é honorável." Leia mais...
Marcos Jr. Thomas Piketty será o autor mais vendido e menos lido da década.
José Carlos De um economista que descobriu que mais transparência faz reduzir a corrupção não se poderia esperar algo mais criativo.
Pedro Lemos Enriquecer escrevendo bobagens, tudo bem; ser premiado por elas, aí é demais. Ainda há dignidade na França?

Disque "N" para matar Monteiro Lobato

O governo do PT inventou um ministério, o da Igualdade Racial, para cuidar de algo que não existe entre seres humanos, segundo a ciência. Raça é um conceito conveniente apenas para neonazistas e a esquerda fabricante de burocracia e ressentimento. Promover a "igualdade racial" implica reconhecer que há distinção entre pessoas de diferente cor de pele, um pensamento racista com aparente sinal invertido.
Leia mais...


Monteiro Lobato vai para a fogueira?

Pedro Lemos Charles Darwin, abolicionista, utilizava termos depreciativos ao se referir a negros. Fazer o quê? Banir a "Evolução das Espécies"?
Diogo Mainardi O nome do cachorro que José Dirceu deu a Dilma é Nego. Isso pode?
Miriam Reale Já se decidiu na Justiça (!) que Monteiro Lobato deve continuar - pasmem! - como sempre foi, e que nada, na história, é discriminatório.
Thais Presumir que negro já nasce sambando é tão preconceituoso como o habitual argumento da esquerda de que é a pobreza que leva ao crime.
Sylvio Lincoln Aposto que cerca de 95% dos brasileiros com menos de 40 anos não leram Monteiro Lobato. Quantos brasileiros leram ao menos 10 livros?

O maior escândalo do Brasil

Na França, seis mendigos morreram de frio pouco antes do Réveillon. O assunto permaneceu no noticiário durante dois dias, a população manifestou a sua indignação e as autoridades penitenciaram-se. O primeiro-ministro Manuel Valls foi à televisão lamentar o absurdo. Seis vidas perdidas dessa maneira, na França, são motivo de vergonha nacional, porque a existência humana é o bem mais precioso que há na civilização. Leia mais... 


O matadouro brasileiro é intolerável
Donizete Valero Haverá um tempo em que a perda de uma só vida humana será motivo de tristeza no Brasil. Mas isso está tão distante quanto termos um estadista.
Gustavo Valorizar a vida humana é "um pouquinho mais importante" do que reciclar o lixo ou levar aquele resto de churrasco para o porteiro.
Francisco Cardoso O Brasil possui 3% da população mundial (ONU/IBGE 2013) mas representa 10% de todos os homicídios do planeta (OMS 2014).
Antônio Carlos Rodrigues A Espanha tem hoje o mesmo número de acidentes de trânsito que na década de 60, apesar do forte aumento da frota.

Rolando rampa abaixo

Dilma Rousseff sobe a rampa do Palácio do Planalto. O Antagonista espera que, daqui a alguns meses, seu mandato seja cassado - democraticamente cassado - e ela tenha de percorrer o caminho inverso, rolando rampa abaixo, como Vampeta. É o primeiro item da lista de bons propósitos deste jornal: trabalhar pelo impeachment de Dilma Rousseff. 
Leia mais...


Dilma, lhe desejamos o destino de Vampeta