O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

sábado, 31 de dezembro de 2016

The Economist discuss the challenges to a Liberal Order

The future of liberalism

How to make sense of 2016

Liberals lost most of the arguments this year. They should not feel defeated so much as invigorated

FOR a certain kind of liberal, 2016 stands as a rebuke. If you believe, as The Economist does, in open economies and open societies, where the free exchange of goods, capital, people and ideas is encouraged and where universal freedoms are protected from state abuse by the rule of law, then this has been a year of setbacks. Not just over Brexit and the election of Donald Trump, but also the tragedy of Syria, abandoned to its suffering, and widespread support—in Hungary, Poland and beyond—for “illiberal democracy”. As globalisation has become a slur, nationalism, and even authoritarianism, have flourished. In Turkey relief at the failure of a coup was overtaken by savage (and popular) reprisals. In the Philippines voters chose a president who not only deployed death squads but bragged about pulling the trigger. All the while Russia, which hacked Western democracy, and China, which just last week set out to taunt America by seizing one of its maritime drones, insist liberalism is merely a cover for Western expansion. 

Faced with this litany, many liberals (of the free-market sort) have lost their nerve. Some have written epitaphs for the liberal order and issued warnings about the threat to democracy. Others argue that, with a timid tweak to immigration law or an extra tariff, life will simply return to normal. That is not good enough. The bitter harvest of 2016 has not suddenly destroyed liberalism’s claim to be the best way to confer dignity and bring about prosperity and equity. Rather than ducking the struggle of ideas, liberals should relish it.

Advertisement

Mill wheels

In the past quarter-century liberalism has had it too easy. Its dominance following Soviet communism’s collapse decayed into laziness and complacency. Amid growing inequality, society’s winners told themselves that they lived in a meritocracy—and that their success was therefore deserved. The experts recruited to help run large parts of the economy marvelled at their own brilliance. But ordinary people often saw wealth as a cover for privilege and expertise as disguised self-interest.

After so long in charge, liberals, of all people, should have seen the backlash coming. As a set of beliefs that emerged at the start of the 19th century to oppose both the despotism of absolute monarchy and the terror of revolution, liberalism warns that uninterrupted power corrupts. Privilege becomes self-perpetuating. Consensus stifles creativity and initiative. In an ever-shifting world, dispute and argument are not just inevitable; they are welcome because they lead to renewal.

What is more, liberals have something to offer societies struggling with change. In the 19th century, as today, old ways were being upended by relentless technological, economic, social and political forces. People yearned for order. The illiberal solution was to install someone with sufficient power to dictate what was best—by slowing change if they were conservative, or smashing authority if they were revolutionary. You can hear echoes of that in calls to “take back control”, as well as in the mouths of autocrats who, summoning an angry nationalism, promise to hold back the cosmopolitan tide.

Liberals came up with a different answer. Rather than being concentrated, power should be dispersed, using the rule of law, political parties and competitive markets. Rather than putting citizens at the service of a mighty, protecting state, liberalism sees individuals as uniquely able to choose what is best for themselves. Rather than running the world through warfare and strife, countries should embrace trade and treaties.

Such ideas have imprinted themselves on the West—and, despite Mr Trump’s flirtation with protectionism, they will probably endure. But only if liberalism can deal with its other problem: the loss of faith in progress. Liberals believe that change is welcome because, on the whole, it is for the better. Sure enough, they can point to how global poverty, life expectancy, opportunity and peace are all improving, even allowing for strife in the Middle East. Indeed, for most people on Earth there has never been a better time to be alive.

Large parts of the West, however, do not see it that way. For them, progress happens mainly to other people. Wealth does not spread itself, new technologies destroy jobs that never come back, an underclass is beyond help or redemption, and other cultures pose a threat—sometimes a violent one.

If it is to thrive, liberalism must have an answer for the pessimists, too. Yet, during those decades in power, liberals’ solutions have been underwhelming. In the 19th century liberal reformers met change with universal education, a vast programme of public works and the first employment rights. Later, citizens got the vote, health care and a safety net. After the second world war, America built a global liberal order, using bodies such as the UN and the IMF to give form to its vision.

Nothing half so ambitious is coming from the West today. That must change. Liberals must explore the avenues that technology and social needs will open up. Power could be devolved from the state to cities, which act as laboratories for fresh policies. Politics might escape sterile partisanship using new forms of local democracy. The labyrinth of taxation and regulation could be rebuilt rationally. Society could transform education and work so that “college” is something you return to over several careers in brand new industries. The possibilities are as yet unimagined, but a liberal system, in which individual creativity, preferences and enterprise have full expression, is more likely to seize them than any other.

The dream of reason

After 2016, is that dream still possible? Some perspective is in order. This newspaper believes that Brexit and a Trump presidency are likely to prove costly and harmful. We are worried about today’s mix of nationalism, corporatism and popular discontent. However, 2016 also represented a demand for change. Never forget liberals’ capacity for reinvention. Do not underestimate the scope for people, including even a Trump administration and post-Brexit Britain, to think and innovate their way out of trouble. The task is to harness that restless urge, while defending the tolerance and open-mindedness that are the foundation stones of a decent, liberal world.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Minhas previsoes imprevidentes para 2017 - Paulo Roberto de Almeida


Minhas previsões imprevidentes para 2017: já estou sentindo saudades dos companheiros

Paulo Roberto de Almeida
[Dando continuidade à série, com novas e jocosas previsões impossíveis]


Desde o início do milênio atual, com absoluta constância desde 2003, dei início a esta série que denominei, provocativamente, de “previsões imprevidentes”, ou seja, o contrário daqueles chutes bem informados que todo astrólogo amador, ou profissional, faz a cada final ou começo de ano. A diferença de minhas previsões, em relação a essas afirmações científicas dos adivinhos de plantão, é que as minhas não estão de modo algum destinadas a serem confirmadas pelo carro sempre balouçante da História: ao contrário, elas foram expressamente concebidas para, justamente, não se realizarem.
Devo dizer que desde o início da década passada, eu vinha sendo ajudado – e como! – pelos companheiros e suas políticas tresloucadas: cada vez que eles expunham um programa, uma nova política, uma medida macro ou setorial, eu sempre apostava exatamente o contrário. E pimba!: não hvia nenhuma chance das coisas acontecerem, da forma como eles queriam. Alto lá: corrijo imediatamente: a coisa sempre se desenvolvia de modo totalmente inverso ao pretendido. Os companheiros eram infalíveis nesse jogo.
Confesso que fiquei repentinamente órfão: com o afastamento totalmente injusto dos companheiros do poder, por meio desse golpe aplicado pela direita, pelos tucanos neoliberais, pela grande mídia, pelos capitalistas mancomunados com o perverso imperialismo, pelos banqueiros conspirando com o capital financeiro monopolista internacional – enfim, por todos aqueles que não são companheiros, ou pecedobistas, ou psolistas, ou gramscianos de academia, ou teólogos da libertação, ou saúvas freireanas e pedagogos da conscientização, os que não são progressistas, esquerdistas, modernistas, pós-modernos, partidários do politicamente corretos, enfim, toda essa fauna, que lutou bravamente contra os golpistas organizados por aquele ex-presidente da Câmara, ufa!, retomo –, com esse atentado fundamental contra a democracia companheira fiquei totalmente sem a ajuda dos ditos companheiros na minha elaboração regular, anual, destas previsões imprevidentes. Eu estava ameaçado de ficar agora sem previsões.
Estava até disposto a apoiar um movimento de novas eleições, só para ter um pequeno laivo de esperança no retorno dos companheiros ao poder, especialmente do chefão mafioso, e com isso poder voltar a elaborar minhas previsões com plena certeza de que nunca vou acertar, ou melhor, sabendo que vou acertar errando redondamente (ou quadradamente, como poderia ser o caso em se tratando desse pessoal de apoio).  
Antes, porém, de me debruçar sobre minhas novas previsões imprevidentes e imprevisíveis para o ano da graça de 2017, vamos fazer um pequeno retrospecto. Aliás, que graça tem esse ano que começa? Depois de dois anos de recessão, vamos continuar recuando no poder de compra, pois o fraquíssimo crescimento da economia, previsto pelos gurus habituais, ficará bem abaixo da inflação, pela primeira vez, não dentro da meta, como andam anunciando, mas dentro da banda, que já é larga. Então, vamos ver o que é que eu que tinha previsto para este ano de 2016, nesta tresloucada profissão?

Previsões imprevidentes para 2016: pela primeira vez a imprevisão ganha da previsão (Brasília, 31 de dezembro de 2015)
1) Criação do programa Pedaladas Legais
2) Cristo Redentor entra no programa de concessões companheiras
3) Companheiros aderem ao livre comércio... de talentos
4) Protocolo aditivo à convenção da ONU sobre corrupção
5) O governo companheiro vai conseguir equilibrar as contas nacionais
6) Os companheiros renovam sua promessa de não mais roubar
7) A Justiça aumenta sua produtividade em 350%
8) Os industriais da FIESP param de reclamar do aumento de juros
9) O PSOL reconhece que Cuba pode não ser um modelo para o Brasil
Como todos podem constatar, eu errei todas, ou seja, acertei a totalidade das minhas previsões, sucesso a 100% portanto. (Quem quiser conferir o detalhe de cada uma dessas previsões destinadas fatalmente ao fracasso completo, pode ver neste link: http://www.diplomatizzando.blogspot.com.br/2016/01/previsoes-imprevidentes-para-2016.html).

OK, chega da enrolação típica dos preguiçosos. Mesmo sem a contribuição que sempre considerei fundamental dos companheiros, vou tentar arriscar novas previsões imprevidentes para o ano que está começando. Fazer esse tipo de chute contra o futuro imediato apresenta um alto risco, pois nas condições surrealistas do Brasil atual – quando não se sabe quem é situação, quem é oposição, que deu golpe e quem o sofreu – as coisas mais surpreendentes podem ocorrer, até minhas previsões darem certo, ou melhor, errado, e tudo se realizar contra os prognósticos. Vamos portanto dar a partida nos chutes, em mais um exercício de surrealismo futurista na total irresponsabilidade dos adivinhadores improvisados, assim como quem faz esporte com uma bola de ferro amarrada numa das pernas, com uma mão amarrada nas costas, com um olho tapado.

1) Companheiros aderem definitivamente à honestidade teórica
Depois de tentar todas as demais maneiras ter sucesso no mundo da política e dos negócios em famiglia, os companheiros decidiram anunciar que estavam, formal e oficialmente, renunciando a qualquer intermediação escusa com grandes companhias estatais e privados, et pour cause: com todos os seus principais operadores e executivos temporariamente fora de combate – com uma única e grande exceção – e com todos eles colocados na mesa de escuta de companheiros outrora aliados na causa da justiça social, eles decidiram enveredar por novas formas de empreendedorismo político e social, caçando as sandálias da humildade, prometendo ir à missa todos os domingos e comer o pão bento da honestidade. Não sabemos ainda se eles conseguirão refrear seus instintos adquiridos ao longo de anos e anos de treinamento intenso nas artes que o Padre Vieira já encontrava insuperáveis nestas paragens de Pindorama, mas o fato é que eles parecem sinceramente engajados no novo jogo da castidade política. Vai ser difícil, sobretudo com respeito aos companheiros que ainda ocupam cargos públicos, e que podem, por isso mesmo, fazer um por fora), mas o comitê central (ops, a direção) já avisou que a ordem, por enquanto, é se mostrar bem comportado, pelo menos enquanto a República de Curitiba estiver alerta e lépida nos procedimentos. (Atenção: eu disse “teórica”.)

2) Governo golpista anuncia anistia preventiva, com validade de dez anos
Um imenso alívio ouviu-se nos mais diferentes recantos do país: do Oiapoque ao Chuí, a chusma respirou aliviada com essa promessa de cheque em branco, quero dizer, de vale habeas-corpus com prazo delongado de validade, até, pelo menos, que consigam aprovar a tal lei do “pega leve” no propinoduto. A medida (ainda provisória, mas que deve ser rapidamente aprovada pelos garotos em plenário) não concede total liberdade preventiva aos meliantes políticos, apenas alivia os processos, solicitando documentos em cartório, em três vias cada um, devidamente legalizados, antes de passar por três comissões parlamentares e obter pelo menos dois relatórios favoráveis, o que deve fazer com que cada processo demore três legislaturas, tempo suficiente para que cada um em perigo possa repousar na doce aposentadoria congressual. Estava sendo esperada essa medida, pois do contrário não seria possível votar mais nada na Santa Casa legislativa.

3) Odebrecht passa a operar unicamente com o banco do Vaticano
A caminho de uma difícil regeneração, com seu patrimônio diminuído em vários bilhões de dólares, e governos arredios a continuar operando com uma empresa que parece ter o DNA da malversação, ou seja, ser geneticamente corrupta, a outrora maior construtora do país liquidou todas as suas 3.547 contas em 189 bancos em 25 países, e anunciou solenemente que, doravante, e em conformidade com seu espírito cristão, vai trabalhar única e exclusivamente com o Istituto per le Opere dei Religione, mais vulgarmente conhecido como Banco do Vaticano (antigamente Ambrosiano, mais do que centenário), indiferente ao fato de que o banco já foi colhido mais de uma vez em lavagem de dinheiro pelo Fisco italiano. O que vale, no entanto, são as boas intenções: a Odebrecht e o IOR devem fazer uma bela dupla a caminho do paraíso fiscal. As duas empresas prometem se sustentar mutuamente, e até combinaram que vão fazer confissões conjuntas, desde que essas delações premiadas mereçam indulgência eterna, o que o papa peronista prometeu examinar. Como diria Santo Agostinho, “Uma virtude simulada é uma impiedade duplicada: à malícia une-se a falsidade. (Quem duvidar da total correção e da fidelidade desta frase aparentemente debochada pode ver aqui: http://www.frasesfamosas.com.br/frases-de/agostinho/).

4) Teremos candidatos absolutamente honestos sendo preparados para 2018
A palavra do momento é aquela famosa frase – provavelmente mentirosa – sobre a “mulher de César” (quem era ela, mesmo?). Segundo essa hipocrisia cansativamente repetida por 11 jornalistas entre cada 10, ela deveria não só ser, como parecer honesta. Ninguém conferiu, no entanto, se era isso mesmo que ocorria naqueles tempos de traições e golpes baixos E alguém de fato acreditava nessa coisa? Repetida a frase, todo mundo seguia adiante, como se nada tivesse acontecido, e assim segue a vida. Em todo caso, já aquecendo os músculos para a maratona do ano seguinte, os principais candidatos a qualquer coisa, estão em busca de novos laranjas naquele cantinho da Ucrânia cuja soberania ainda permanece indeterminada, pelo menos enquanto durar o reinado do neoczar. Vão precisar de um dicionário de bolso russo-português, mas nada que a Amazon não possa encontrar, inclusive em formato Kindle, o que facilita um bocado os negócios. Estima-se novo equilíbrio no balanço de pagamentos da Ucrânia oriental, a ponto de poderem até emprestar para a pátria-mãe, caso as sanções se agravem no futuro imediato.

5) PEC dos Gastos ganha Emenda constitucional: banda da inflação
Com o agravamento da situação fiscal dos estados e municípios, e sem a possibilidade de criar novos ou amentar os impostos já existentes, os parlamentares resolvem fazer um favor a seus amigos governadores e aprovam uma emenda à emenda constitucional (de número 117, na sequência linear) sem mudar o vínculo dos gastos públicos à inflação, mas criando uma banda para o número, que deixa de ser um número e passa a ser um espaço flexível, com trezentos pontos-base para lá e mais trezentos para cá. Chamado de “nova banda diagonal endógena”, o sistema, engenhoso, como se vê, vai permitir salvar “gregos e goianos”, empurrando as obrigações futuras para os tataranetos dos atuais estudantes do ensino fundamental. Trata-se de um novo conceito de ajuste gradual e seguro, compatível com a qualidade reconhecida dos melhores economistas da UniCamp e adjacências. Os brasileiros, sobretudo os desempregados, podem dormir tranquilos: não há que os economista da UniCamp não imaginem que os bravos representantes do povo deixam de aproveitar em seus labores parlamentares.

6) Trump propõe um pacto de não agressão ao Estado Islâmico
Ops, esse tipo de previsão internacionalista não costuma fazer parte do menu habitual de previsões imprevidentes (e irresponsáveis) já tradicionais neste blog, mas como é preciso exercer todas as competências que a divina providência nos concedeu, aqui vamos nós pelos terrenos sempre pantanosos das relações internacionais. O fato é que o novo, imprevisível e imprevidente, presidente da maior potência planetária (depois da torcida do Barça, claro) ainda em estado de propor qualquer coisa fez uma oferta aparentemente irrecusável ao califa-chefe do Daesh, também conhecido como EI: parar com o mercado de escravas brancas em troca de deixar estacionados na Turquia os drones ditos inteligentes. O EI ficou de pensar, e ao que parece só vai parar com seu departamento de operações estruturadas se a OTAN enviar um suprimento adequado de garotas de programa, de maneira a aquietar os ardores belicistas dos seus combatentes do profeta. Não se sabe, no momento do fechamento destas previsões, se negociações sérias poderiam ser estabelecidas num terreno apropriado, em Genebra ou Viena, de preferência, com interrupções para algumas escapadas no Folies Bergères.

Voilà: é tudo que eu posso prometer para o novo ano que pronto se inicia, mesmo sabendo que minhas previsões imprevidentes são tudo, menos seguras. Não se pode oferecer certezas num país no qual sequer sabe se vamos terminar o ano com o mesmo governo. Em todo caso, eu desejo a todos e a todas (ou a todxs, como quer certo pessoal chatérrimo), um feliz início, um ótimo desenvolvimento e uma excepcional finalização de um ano altamente incerto, como são, aliás, estas minhas previsões imprevidentes. Nisso 2017 também me ajuda, já que nem toda bola de cristal funciona.
Numa coisa, portanto, estou alinhado com eles: sem os companheiros eu estava me sentindo, como direi?, órfão, sem qualquer indício de que poderia contar com eles para errar em toda a linha (ou seja, acertando 100% dos chutes formulados ao longo dos últimos treze anos durante os quais fui por eles maltratado). Eu lhes sou, de verdade, devotamente reconhecido: sem sua proverbial inépcia, sua incompetência, aa tradicional improvisação, a tremenda burrice, a estupidez contumaz e a sua ignorância crassa, eu teria corrido o risco de acertar algumas, pelo menos, de minhas previsões ao longo de todo este milênio tão rico de babaquices por eles perpetradas. Se vocês duvidam do que estou dizendo, basta conferir a série completa:

Previsões anteriores:
2016:
2912. “Previsões imprevidentes para 2016: pela primeira vez a imprevisão ganha da previsão”, Brasília, 31 dezembro 2015, 5 p. Continuidade do exercício, com apenas quatro previsões imprevisíveis. Postado no blog Diplomatizzando (link: http://diplomatizzando.blogspot.com.br/2015/12/previsoes-imprevidentes-para-2015-pela.html), e disseminado no Facebook (https://www.facebook.com/paulobooks/posts/1061451080585008). Revisão ampliada, 14 de janeiro de 2016, 8 p. Postado novamente no Diplomatizzando (link: http://www.diplomatizzando.blogspot.com.br/2016/01/previsoes-imprevidentes-para-2016.html) e no Facebook (https://www.facebook.com/paulobooks/posts/1069196793143770).

Para as previsões anteriores a 2016, ver estas duas postagens:
Preparando as previsões imprevidentes para 2016: conferindo as de 2015:
e
Preparando as previsões de 2016: algum retrospecto pode ser útil:

A despeito de tudo, e desculpando qualquer erro de previsão, feliz 2017 a todos!

Paulo Roberto de Almeida 
Brasília, 31 de dezembro de 2016

ABRI anuncia novo numero de Carta Internacional, vol. 11, n. 3/2016

Caros leitores,

A revista Carta Internacional acaba de publicar seu último número, disponível em https://www.cartainternacional.abri.org.br/Carta. Convidamos a navegar no sumário da revista para acessar os artigos e outros itens de seu interesse.

Agradecemos seu interesse e apoio contínuo em nosso trabalho,
Administrador da Carta Internacional
Associação Brasileira de Relações Internacionais (ABRI)
cartainternacional@abri.org.br

Carta Internacional
v. 11, n. 3 (2016)
Sumário
https://www.cartainternacional.abri.org.br/Carta/issue/view/35

Artigos
--------
A identidade internacional do Brasil: uma síntese da literatura (5 - 31)
    Rafael Mesquita
Rumo à cooperação e ao desenvolvimento: as políticas brasileiras para a faixa de fronteira (32 - 55)
    Marcio Scherma
A Política Externa do Império no Prata e a Missão Bellegarde ao Paraguai (1848 - 1852) (56 - 76)
    Pedro Henrique Verano
Enriquecimento de animosidades: o início da política nuclear brasileira (77 - 98)
    Túlio Sérgio Henriques Ferreira,    Vanessa Horácio Lira
Comunidades epistêmicas e de prática em Defesa na Argentina e no Brasil: entre a organicidade e a plasticidade (99 - 123)
    Samuel Alves Soares
As razões de ser do Conselho de Defesa Sul-Americano da UNASUL (124 - 148)
    Tamires Aparecida Ferreira Souza
O Brasil e o acender das luzes das independências de Angola e Moçambique (1974-1975) (149 - 171)
    Jose Alejandro Sebastian Barrios Diaz
Reconsidering the consistency between principles and practices for Technical Cooperation between Developing Countries: A critical analysis of ProSavanah. (172 - 198)
    Niels Søndergaard
O Sudeste Asiático entre Estados Unidos e China: “arquipélago de economias de mercado” ou palco da competição interestatal capitalista? (199 - 222)
    Isabela Nogueira,    Bruno Hendler
O Brasil como potência regional: uma análise de sua liderança na América Latina no início do século XXI (222 - 252)
    Patricia Nasser de Carvalho,    Fernanda Cristina Izidro Nanci Gonçalves
============
Edição Completa (1 - 252)
--
Editoria da Revista Carta Internacional
http://www.cartainternacional.abri.org.br
cartainternacional@abri.org.br
Associação Brasileira de Relações Internacionais - ABRI

Venezuela: mercado negro de alimentos controlado pelo Exercito

Na escassez, tudo é motivo de superlucros. Já detendo boa parte do mercado de drogas, que costumava garantir grandes ganhos, o Exército bolivariano se dedica agora ao mercado negro de produtos básicos, que garante lucros ainda mais extraordinários.
Como, quando, onde isso vai parar, não sabemos. O que se sabe é que a Venezuela deixou de existir como nação organizada: virou um caos total, um país sem lei, sem ordem, sem moral, sem respeito, sem futuro...
Paulo Roberto de Almeida


Exército venezuelano controla venda clandestina de alimentos
O Estado de S. Paulo, 30/12/2016
De acordo com investigação da agência Associated Press, em meio à grave crise econômica o tráfico de alimentos tornou-se uma indústria no país caribenho; preços cobrados em mercados paralelos gerenciados pelos militares são até 100 vezes maiores que o tabelado pelo governo
PUERTO CABELLO,VENEZUELA - Encarregado pelo presidente Nicolás Maduro de controlar a distribuição de comida após uma série de protestos no meio do ano contra a escassez de alimentos, o Exército venezuelano tem usado essa prerrogativa para vender mantimentos no mercado negro, revela uma investigação publicada nesta quarta-feira, 28, pela agência Associated Press.
Em meio à grave crise econômica provocada pela queda de reservas em moeda estrangeira, inflação e redução drástica no preço do petróleo, o tráfico de alimentos tornou-se uma indústria na Venezuela. Documentos e entrevistas feitos com mais de 60 membros do governo, empresários, trabalhadores do setor e ex-militares, mostram que as Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB) estão no coração desse processo.
Os generais de Maduro controlam desde a venda de arroz e manteiga até a farinha de milho, ingrediente principal para a arepa - o prato nacional dos venezuelanos -, com preços até 100 vezes maiores que o tabelado pelo governo. Dono de um mercado em Caracas, José Campos tentou reabastecer sua venda em um mercado ilegal comandado por militares. "Os militares acompanhavam tudo e ganhavam sacos de dinheiro", disse. "Eles sempre tinham o que eu precisava."
Como resultado do tráfico de alimentos, a comida importada pelo governo com os escassos dólares provenientes do petróleo não chega a quem precisa. "Ultimamente a comida tem se tornado um negócio melhor que as drogas", disse o general da reserva Cliver Alcalá, que costumava vigiar as fronteiras.
O Ministério da Alimentação foi criado em 2004 pelo então presidente Hugo Chávez. Desde então, nacionalizou fazendas e fábricas de produtos alimentícios. Com isso, a produção privada de alimentos no país diminuiu drasticamente. Hoje, quase tudo que é consumido vem de fora da Venezuela.
"Se a Venezuela pagasse valores de mercado, poderíamos dobrar nossas importações. Em vez disso as pessoas estão passando fome", disse o professor de agronomia da Universidade de Zulia, Werner Gutierrez.
Preocupados com a alta incidência da cobrança de propinas, as três principais empresas que importam alimentos no mundo, todas sediadas nos Estados Unidos, deixaram de vender diretamente para o governo da Venezuela.
Um empresário sul-americano do ramo disse à AP ter pago milhões de dólares em propina a autoridades venezuelanas depois que a escassez de alimentos se agravou. Só o Ministro de Alimentação, o general Rodolfo Marco Torres, teria recebido US$ 8 milhões. O empresário falou sem se identificar porque não queria admitir publicamente seu envolvimento em corrupção.
Ainda de acordo com ele, as propinas são volumosas porque os empresários conseguem construir margens de lucro igualmente altas em negociações com o governo. Um desses contratos obtidos pela AP mostra que o governo venezuelano pagou US$ 52 milhões na compra de milho. Por esse contrato, foi pago um suborno de US$ 20 milhões.
O ministro não quis se pronunciar sobre as denúncias. No passado, ele declarou que não iria se envolver em brigas com a "oposição apátrida", que o governo acusa de travar uma "guerra econômica" contra o chavismo.
Alguns dos contratos envolvem empresas sem experiência com a produção de alimentos e outras que existem apenas no papel. Documentos mostram que Marco Torres fechou um negócio com a panamenha Atlas Systems International, uma empresa de fachada, assim como a J.A. Comércio de Gêneros Alimentícios, registrada na Grande São Paulo num endereço fantasma.
Foto: AP Photo/Ricardo Nunes
Soldado venezuelano vigia o tráfego de caminhões em Puerto Cabello, que recebe a maior parte dos mantimentos importados pelo país
As duas empresas enviaram US$ 5,5 milhões em 2012 para uma conta em Genebra, na Suíça, controlada pelos cunhados do então Ministro da Alimentação, o general Carlos Osório. O general, hoje responsável pela corregedoria da FANB, não respondeu às acusações, mas costuma vinculá-las também à oposição.
"O Estado tem a obrigação de combater a corrupção em todos os níveis do governo", disse o ministro da Defesa Vladimir Padrino. Ainda assim, o tráfico de alimentos transcorre entre os portos e mercados do país. Em Puerto Cabello, que recebe a maior parte dos mantimentos importados, é comum oficiais da alfândega segurarem navios até o pagamento de propinas, segundo estivadores locais.
Depois que a carga é entregue, funcionários da alfândega cobram a sua parte da propina e às vezes se recusam a dar prosseguimento aos trâmites sem pagamento.
Se os importadores se negam a participar, é normal ver a comida apodrecer.  "No ano passado enterramos contêineres com frango, carne e feijão estragado", disse o operador de guindaste Daniel Arteaga.
Depois que sai dos portos, os militares cobram propinas em postos de controle nas estradas, principalmente de caminhões de carga. No fim da cadeia de corrupção, alguns oficiais tomam conta eles mesmos de mercados clandestinos.
José Ferreira, dono de uma padaria, disse que tem que fazer sempre dois pagamentos para comprar seus produtos, como o açúcar, por exemplo: enquanto o primeiro paga o preço oficial do produto, o segundo cobre a propinas cobrada pelo militares, neste caso, 30 vezes maior que o preço oficial. "Não temos outra opção", disse. / AP


Crise venezuelana faz Cuba entrar em recessão pela 1ª vez em 20 anos
O Estado de S. Paulo, 30/12/2016
Em meio ao caos econômico, governo de Caracas teve de reduzir fornecimento de petróleo para ilha
Abalada pela crise da Venezuela, Cuba entrou em recessão pela primeira vez em mais de duas décadas, ao registrar uma queda de 0,9% do PIB em 2016, após um crescimento de 4,4% no ano passado. “As limitações no fornecimento de combustíveis e as tensões financeiras se agravaram no segundo semestre, levando à queda do PIB de 0,9%”, afirmou ontem o presidente Raúl Castro.
“Em 2017, persistirão as tensões e os desafios que podem até mesmo recrudescer em determinadas circunstâncias.” Esta é a primeira vez desde 1995 que o governo socialista prevê um resultado negativo do PIB, de acordo com a série estatística. No início dos anos 90, a ilha enfrentou sua pior crise com o colapso do comunismo na Europa e a dissolução da União Soviética, com contrações da economia que chegaram a 15% em apenas um ano.
Em meio ao recuo global no preço das matérias-primas, Cuba experimenta queda em suas exportações de níquel, produtos refinados de petróleo e de açúcar, além de uma redução nos ingressos de recursos pela venda de serviços médicos a países aliados exportadores de petróleo como Venezuela e Angola.
De acordo com analistas, a economia cubana foi prejudicada especialmente pela redução nas vendas de petróleo para a Venezuela, que está mergulhada em uma grande crise econômica. Caracas reduziu este ano em 40% o fornecimento de petróleo a Cuba. Por ouro lado, a retomada nas relações entre Cuba e Estados Unidos impulsionou o turismo e deve sustentar no curto prazo um crescimento maior do setor privado em razão de um aumento de remessas financeiras de expatriados.
Especialistas, contudo, temem que esse crescimento vá se reduzindo em razão das políticas do presidente eleito dos EUA, Donald Trump, que prometeu “terminar” com a reaproximação entre os dois países caso Havana não ofereça a Washington o que ele chama de “um melhor acordo”.
Avanço. Na terça-feira, o ministro da Economia e Planejamento de Cuba, Ricardo Cabrisas, reconheceu, em um encontro com jornalistas a portas fechadas, que a principal razão para a contração deste ano foi uma redução das exportações para nações aliadas produtoras de petróleo afetadas pela queda no preço da commodity.
O porcentual sugere que a economia centralizada pelo Estado caiu com força no segundo semestre do ano, após uma drástica redução das importações, dos investimentos e do uso de combustível em razão de uma crise de liquidez. Para o primeiro semestre, o governo cubano anunciou uma previsão de crescimento tímido de apenas 1%.
Recentemente, Cabrisas garantiu, em pronunciamento feito na Assembleia Nacional de Cuba, que o panorama econômico havia melhorado, estimando crescimento sólido em 2017 para o turismo e a indústria açucareira, de acordo com artigos publicados por meios de comunicação oficiais. “Para o ano de 2017, prevemos um crescimento do PIB de 2%”, afirmou Cabrisas.

Se, nouvelle maniere, na era da globalizacao - Paulo Roberto de Almeida (d'apres Rudyard Kipling)

Se, "nouvelle manière"
ou as qualidades do homem na globalização


Paulo Roberto de Almeida  

Se você for capaz de manter o seu sangue frio quando os C-bonds
e todos os seus derivativos estiverem despencando nas bolsas de valores,
Se você for capaz de confiar num especulador de Wall Street,
mesmo sabendo que ele foi condenado por "insider trading",
Se você não temer se aventurar em joint ventures
com pessoas tão honestas quanto um capitalista russo,
Se for capaz de arriscar o seu, o meu, o nosso dinheiro
em novos negócios, tendo como sócios a turma do Casseta e Planeta,
Se você não se importar em manter um caixa dois e de mandar um grana pela conta CC5
quando os juízes, os policiais federais e a própria Receita estão correndo atrás de você…
Se você puder sonhar com algum monopólio de software
e conseguir escapar dos organismos antitrust da Europa e dos Estados Unidos,
Se você puder poluir à vontade algum país do Terceiro Mundo
e não precisar enfrentar regras nacionais e internacionais de controle ambiental,
Se puder pensar em alguma boa reserva de mercado garantindo exclusividade longeva
e puder implementá-la com a ajuda decisiva do Estado receptor do seu investimento,
Se você conseguir enfrentar as taxas de juros extorsivas dos banqueiros domésticos
com um empréstimo generoso, a taxa negativa, de algum banco estatal,
Se você lograr extrair uma isenção fiscal válida por 99 anos
e ainda assim obter participação estatal no capital da nova empresa…

Se você mantêm sua frota de superpetroleiros
com bandeira liberiana e mão-de-obra haitiana,
Se você conseguiu pegar o fundo de pensão das velhinhas aposentadas
e investiu todo o dinheiro delas no mercado de futuros da Coréia do Norte,
Se conversa sem restrições e ao mesmo tempo com gente do FED e da Via Campesina
assegurando a ambos que a solução está num capitalismo social de mercado (regulado),
Se você consegue vender um acordo de livre-comércio aos sindicatos de metalúrgicos
e ainda assim garantiu a eles que eles têm tudo a ganhar com a liberalização de mercados,
Se você conseguir apostar impassível na desvalorização do iene
com a mesma segurança com que se arrisca na valorização do peso argentino,
Se você aprecia, intelectualmente, as virtudes da Tobin Tax
mas sabe que, na prática, vai precisar mesmo de algumas infusões de hot money,
Se você pensa que a eliminação do risco-Brasil vai resultar em tributação mais baixa
e que a reforma da Justiça vai finalmente tirar do limbo aquele seu caso dos anos 1950…
Se você conseguir freqüentar com a mesma desenvoltura
os foros de Davos e de Porto Alegre, a OTAN e o movimento não-alinhado,
Se você quer moeda única, fundos de compensação e parlamento eleito pelo voto direto
e ainda assim pretender preservar a soberania e a autonomia nacionais,
Se você contentar a galera condenando publicamente as políticas de recessão do FMI
mas assegurar, por outro lado, a preservação, e até o aumento, do superávit primário,
Se você acha que está na hora de dar um basta ao ecologismo exagerado
e conseguir o apoio do Bush num programa de "emissões cientificamente controladas",
Se tem vacas milionárias, galinhas com conta em banco e porcos com piscina coberta
e garantir no Conselho Europeu que nada muda na Política Agrícola Comum,
Se você conseguir explorar crianças indianas e bengalis nas suas fábricas de juta
e assinar sem pestanejar manifestos pela cláusula social e petições de direitos humanos…
Se você fizer do superlucro uma virtude, da agiotagem uma prática respeitada
e da exploração de mão-de-obra feminina e infantil uma regra de vida,
Se você conseguir ganhar o título de empresário do ano e entrar no "Fortune 500"
mesmo praticando fraudes contábeis e comprando suas próprias ações incógnito,
Se puder falar ao mesmo tempo na Assembléia da UNE e numa reunião da TFP
relatando, sem ficar corado, que a vida inteira foi revolucionário (ou conservador),
Se concordar com os primeiros que um outro mundo é possível, uma outra América idem,
mas garantir sua felicidade terrena antes que turma do MST entre em campo,
Se puder aplicar sem pudor o neoliberalismo e as regras do Consenso de Washington
garantindo a todo mundo que está fazendo políticas sociais avançadas,
Então, meu caro amigo, meus parabéns de verdade, pois tudo na terra lhe pertence:
pois você conseguiu encarnar todas as promessas da globalização assimétrica!

Com o empréstimo involuntário (e sem pagamento de copyright) do modelo do poema "If", do imperialista britânico de um século atrás, Rudyard Kipling.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Thomas Sowell: um grande intelectual, se aposenta - Mark J. Perry

 The Brilliance of Thomas Sowell: A Tribute
After writing a weekly (sometimes semi-weekly) column for the last 25 years (here’s an archive of his columns back to 1998), economist, scholar, author and national treasure Thomas Sowell made this announcement in his column today (“Farewell“):
Even the best things come to an end. After enjoying a quarter of a century of writing this column for Creators Syndicate, I have decided to stop. Age 86 is well past the usual retirement age, so the question is not why I am quitting, but why I kept at it so long.
Here’s a link to Thomas Sowell’s second column today (“Random Thoughts, Looking Back“), here’s some of the reaction on Twitter and the Internet to Sowell’s retirement, here’s Thomas Sowell’s webpage, and here’s his Wikipedia entry. Milton Friedman once said, “The word ‘genius’ is thrown around so much that it’s becoming meaningless, but nevertheless I think Tom Sowell is close to being one.”
In my opinion,
 In terms of both his quantity of work (at least 40 books and several thousand newspaper columns) and the consistently excellent and crystal-clear quality of his writing, I don’t think any living free-market economist even comes close to matching Sowell’s prolific record of writing about economics. And I don’t think there is any writer today, economist or non-economist, who can match Thomas Sowell’s “idea density” and his ability to consistently pack so much profound economic wisdom into a single sentence and a single paragraph.
Even at 86 years old, Thomas Sowell has remained intellectually active with his syndicated newspaper columns and the publication last year of his 40th book — Wealth, Poverty and Politics: An International Perspective — which was, amazingly, his 13th book in the last decade! To honor Thomas Sowell’s well-deserved retirement from writing his invaluable weekly column for the last quarter century, I present below some of my favorite quotations from Dr. Thomas Sowell (most were featured on a CD post in June on Sowell’s birthday) and a bonus video of the great economist:
1. Knowledge. The cavemen had the same natural resources at their disposal as we have today, and the difference between their standard of living and ours is a difference between the knowledge they could bring to bear on those resources and the knowledge used today.
2. Obamacare. If we cannot afford to pay for doctors, hospitals and pharmaceutical drugs now, how can we afford to pay for doctors, hospitals and pharmaceutical drugs, in addition to a new federal bureaucracy to administer a government-run medical system?
3. Economics vs. Politics I. Economics and politics confront the same fundamental problem: What everyone wants adds up to more than there is. Market economies deal with this problem by confronting individuals with the costs of producing what they want, and letting those individuals make their own trade-offs when presented with prices that convey those costs. That leads to self-rationing, in the light of each individual’s own circumstances and preferences.
4. Economics vs. Politics II. The first lesson of economics is scarcity: There is never enough of anything to satisfy all those who want it. The first lesson of politics is to disregard the first lesson of economics.”
Politics deals with the same problem by making promises that cannot be kept, or which can be kept only by creating other problems that cannot be acknowledged when the promises are made.
5. Predicting the Future. Economists are often asked to predict what the economy is going to do. But economic predictions require predicting what politicians are going to do– and nothing is more unpredictable.
6. Politicians as Santa Claus. The big question that seldom— if ever— gets asked in the mainstream media is whether these are a net increase in jobs. Since the only resources that the government has are the resources it takes from the private sector, using those resources to create jobs means reducing the resources available to create jobs in the private sector.
So long as most people do not look beyond superficial appearances, politicians can get away with playing Santa Claus on all sorts of issues, while leaving havoc in their wake— such as growing unemployment, despite all the jobs being “created.”
7. Health Insurance. Whatever position people take on health care reform, there seems to be a bipartisan consensus— usually a sign of mushy thinking— that it is a good idea for the government to force insurance companies to insure people whom politicians want them to insure, and to insure them for things that politicians think should be insured. Contrary to what politicians expect us to do, let’s stop and think.
Why aren’t insurance companies already insuring the people and the conditions that they are now going to be forced to cover? Because that means additional costs— and because the insurance companies don’t think their customers are willing to pay those particular costs for those particular coverages.
It costs politicians nothing to mandate more insurance coverage for more people. But that doesn’t mean that the costs vanish into thin air. It simply means that both buyers and sellers of insurance are forced to pay costs that neither of them wants to pay. But, because political rhetoric leaves out such grubby things as costs, it sounds like a great deal.
8. Diversity. If there is any place in the Guinness Book of World Records for words repeated the most often, over the most years, without one speck of evidence, “diversity” should be a prime candidate. Is diversity our strength? Or anybody’s strength, anywhere in the world? Does Japan’s homogeneous population cause the Japanese to suffer? Have the Balkans been blessed by their heterogeneity — or does the very word “Balkanization” remind us of centuries of strife, bloodshed and unspeakable atrocities, extending into our own times? Has Europe become a safer place after importing vast numbers of people from the Middle East, with cultures hostile to the fundamental values of Western civilization?
“When in Rome do as the Romans do” was once a common saying. Today, after generations in the West have been indoctrinated with the rhetoric of multiculturalism, the borders of Western nations on both sides of the Atlantic have been thrown open to people who think it is their prerogative to come as refugees and tell the Romans what to do — and to assault those who don’t knuckle under to foreign religious standards.
It has not been our diversity, but our ability to overcome the problems inherent in diversity, and to act together as Americans, that has been our strength.
9. Greed. Someone pointed out that blaming economic crises on “greed” is like blaming plane crashes on gravity. Certainly planes wouldn’t crash if it wasn’t for gravity. But when thousands of planes fly millions of miles every day without crashing, explaining why a particular plane crashed because of gravity gets you nowhere. Neither does talking about “greed,” which is constant like gravity.
10. The Anointed Ones. In their haste to be wiser and nobler than others, the anointed have misconceived two basic issues. They seem to assume: 1) that they have more knowledge than the average member of the benighted, and 2) that this is the relevant comparison. The real comparison, however, is not between the knowledge possessed by the average member of the educated elite versus the average member of the general public, but rather the total direct knowledge brought to bear through social processes (the competition of the marketplace, social sorting, etc.), involving millions of people, versus the secondhand knowledge of generalities possessed by a smaller elite group.
The vision of the anointed is one in which ills as poverty, irresponsible sex, and crime derive primarily from ‘society,’ rather than from individual choices and behavior. To believe in personal responsibility would be to destroy the whole special role of the anointed, whose vision casts them in the role of rescuers of people treated unfairly by ‘society.’
11. There’s No Free Red Tape/Obamacare. Do you seriously believe that millions more people can be given medical care and vast new bureaucracies created to administer payment for it, with no additional costs?
Just as there is no free lunch, there is no free red tape. Bureaucrats have to eat, just like everyone else, and they need a place to live and some other amenities. How do you suppose the price of medical care can go down when the costs of new government bureaucracies are added to the costs of the medical treatment itself?
And where are the extra doctors going to come from, to treat the millions of additional patients? Training more people to become doctors is not free. Politicians may ignore costs but ignoring those costs will not make them go away. With bureaucratically controlled medical care, you are going to need more doctors, just to treat a given number of patients, because time that is spent filling out government forms is time that is not spent treating patients. And doctors have the same 24 hours in the day as everybody else.
When you add more patients to more paperwork per patient, you are talking about still more costs. How can that lower medical costs? But although that may be impossible, politics is the art of the impossible. All it takes is rhetoric and a public that does not think beyond the rhetoric they hear.
12. Helping the Poor. It was Thomas Edison who brought us electricity, not the Sierra Club. It was the Wright brothers who got us off the ground, not the Federal Aviation Administration. It was Henry Ford who ended the isolation of millions of Americans by making the automobile affordable, not Ralph Nader.
Those who have helped the poor the most have not been those who have gone around loudly expressing “compassion” for the poor, but those who found ways to make industry more productive and distribution more efficient, so that the poor of today can afford things that the affluent of yesterday could only dream about.
13. Income Mobility. Only by focusing on the income brackets, instead of the actual people moving between those brackets, have the intelligentsia been able to verbally create a “problem” for which a “solution” is necessary. They have created a powerful vision of “classes” with “disparities” and “inequities” in income, caused by “barriers” created by “society.” But the routine rise of millions of people out of the lowest quintile over time makes a mockery of the “barriers” assumed by many, if not most, of the intelligentsia.
14. “Giving Back.” All the high-flown talk about how people who are successful in business should “give back” to the community that created the things that facilitated their success is, again, something that sounds plausible to people who do not stop and think through what is being said. After years of dumbed-down education, that apparently includes a lot of people.
Take Obama’s example of the business that benefits from being able to ship their products on roads that the government built. How does that create a need to “give back”? Did the taxpayers, including business taxpayers, not pay for that road when it was built? Why should they have to pay for it twice?
What about the workers that businesses hire, whose education is usually created in government-financed schools? The government doesn’t have any wealth of its own, except what it takes from taxpayers, whether individuals or businesses. They have already paid for that education. It is not a gift that they have to “give back” by letting politicians take more of their money and freedom.
When businesses hire highly educated people, such as chemists or engineers, competition in the labor market forces them to pay higher salaries for people with longer years of valuable education. That education is not a government gift to the employers. It is paid for while it is being created in schools and universities, and it is paid for in higher salaries when highly educated people are hired.
One of the tricks of professional magicians is to distract the audience’s attention from what they are doing while they are creating an illusion of magic. Pious talk about “giving back” distracts our attention from the cold fact that politicians are taking away more and more of our money and our freedom.
15. Government Assistance. Do people who advocate special government programs for blacks realize that the federal government has had special programs for American Indians, including affirmative action, since the early 19th century — and that American Indians remain one of the few groups worse off than blacks?
16. Statistical Disparities and Discrimination. Many of us have been so brainwashed over the years — by sheer repetition, rather than by either logic or empirical tests — that statistical disparities are automatically taken to mean discrimination, whether between races, sexes or whatever. The plain fact that different individuals and groups make different choices is resolutely ignored, because it does not fit the prevailing preconceptions, or the crusades based on those preconceptions.
Women make different career choices than men, and wisely so, because men do not become mothers, and being a mother is not the same as being a father. And we can’t make them the same by simply calling them both “parents” or saying that “the couple” is pregnant. Discrimination can certainly cause statistical disparities. But statistical disparities do not automatically mean discrimination.
17. Black Lives Matter. We keep hearing that “black lives matter,” but they seem to matter only when that helps politicians to get votes, or when that slogan helps demagogues demonize the police. The other 99% of black lives destroyed by people who are not police do not seem to attract nearly as much attention in the media. What about black success? Does that matter? Apparently not so much.
We have heard a lot about black students failing to meet academic standards. So you might think that it would be front-page news when some whole ghetto schools not only meet, but exceed, the academic standards of schools in more upscale communities. There are in fact whole chains of charter schools where black and Hispanic youngsters score well above the national average on tests.
If black success was considered half as newsworthy as black failures, such facts would be headline news — and people who have the real interests of black and other minority students at heart would be asking, “Wow! How can we get more kids into these charter schools?” But the teachers’ unions are opposed to charter schools — and they give big bucks to politicians, who in turn put obstacles and restrictions on the expansion of charter schools. These include politicians like New York’s “progressive” mayor Bill de Blasio, who poses as a friend of blacks by denigrating the police, standing alongside Al Sharpton.
18. The Legacy of Slavery vs. the Legacy of Liberalism. If we wanted to be serious about evidence, we might compare where blacks stood a hundred years after the end of slavery with where they stood after 30 years of the liberal welfare state. In other words, we could compare hard evidence on “the legacy of slavery” with hard evidence on the legacy of liberals.
Despite the grand myth that black economic progress began or accelerated with the passage of the civil rights laws and “war on poverty” programs of the 1960s, the cold fact is that the poverty rate among blacks fell from 87 percent in 1940 to 47 percent by 1960. This was before any of those programs began.
Over the next 20 years, the poverty rate among blacks fell another 18 percentage points, compared to the 40-point drop in the previous 20 years. This was the continuation of a previous economic trend, at a slower rate of progress, not the economic grand deliverance proclaimed by liberals and self-serving black “leaders.”
Nearly a hundred years of the supposed “legacy of slavery” found most black children [78%] being raised in two-parent families in 1960. But thirty years after the liberal welfare state found the great majority of black children being raised by a single parent [66%]. Public housing projects in the first half of the 20th century were clean, safe places, where people slept outside on hot summer nights, when they were too poor to afford air conditioning. That was before admissions standards for public housing projects were lowered or abandoned, in the euphoria of liberal non-judgmental notions. And it was before the toxic message of victimhood was spread by liberals. We all know what hell holes public housing has become in our times. The same toxic message produced similar social results among lower-income people in England, despite an absence of a “legacy of slavery” there.
If we are to go by evidence of social retrogression, liberals have wreaked more havoc on blacks than the supposed “legacy of slavery” they talk about.

Bonus: In the video below from 2009, Thomas Sowell discusses Obama’s proposed (at that time) health care reform:

This piece ran at the AEI blog
Mark J. Perry
Mark J. Perry
Mark J. Perry is a scholar at the American Enterprise Institute and a professor of economics and finance at the University of Michigan’s Flint campus.