O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

domingo, 4 de setembro de 2016

O lulopetismo diplomatico: um experimento exotico no Itamaraty - Paulo Roberto de Almeida


O lulopetismo diplomático: um experimento exótico no Itamaraty

Paulo Roberto de Almeida
 [Comentários sobre a degradação da diplomacia brasileira pelo lulopetismo.]
 
Meus comentários adicionais à “teoria geral do lulopetismo” (ver neste link: http://diplomatizzando.blogspot.com.br/2016/09/teoria-geral-do-lulopetismo-treze-teses.html), desta vez adstritos ao terreno da política externa e da diplomacia.

1) O lulopetismo diplomático não estava formado ainda, quando o partido totalitário assaltou o Estado central. Ele se limitava a um conjunto fragmentado de proposições parciais, geralmente equivocadas, sobre a política internacional e sobre o papel do Brasil no mundo, baseadas em concepções totalmente anacrônicas, derivadas das obsessões e preconceitos típicos dos partidos esquerdistas da América Latina, mas com a peculiaridade de que os apparatchiks que os exibiam mantinham “relações carnais”, de fidelidade e identidade de propósitos, com seus mestres cubanos.

2) O lulopetismo diplomático foi sendo formulado gradualmente, a partir de um comando político exótico à diplomacia profissional, e pode contar com o auxílio e a colaboração prática de “técnicos” voluntários e de profissionais escolados, integralmente devotados à causa e comprometidos com os objetivos gerais do lulopetismo no plano interno, doravante voltados para o grande mundo da política mundial. Foram esses técnicos e profissionais que completaram a formação rudimentar dos líderes petistas em política internacional e lhes forneceram todos os meios para enfim expressar no cenário externo todas as suas más concepções e preconceitos anacrônicos, dando-lhes uma linguagem e um formato adequados à projeção internacional do Brasil, transformada em novo cenário para a expansão do lulopetismo dessa vez em âmbito mundial.

3) O lulopetismo diplomático passou a servir, com total subserviência, ao mesmo ego gigantesco da mesma personalidade megalomaníaca já transformada em carisma nacional: todos os profissionais foram gentilmente convidados a “vestir a camisa” do governo lulopetista – isto é, do partido totalitário –, para a maior glória daquele que passou a ser denominado de Nosso Guia. Durante todo o seu reinado, tudo foi feito para contemplar suas obsessões e desejos, até o limite dos meios disponíveis.

4) O lulopetismo diplomático passou a ser exercido com relativa proficiência graças ao bom funcionamento do aparelho estatal colocado a seu serviço, máquina operada por profissionais competentes, vários convencidos dos bons propósitos da causa, e até entusiastas por se engajar, enfim, na expressão externa de uma política enfim correspondendo ao Brasil real, já que a antiga diplomacia teria padecido de um indesejado viés elitista e conservador. O lulopetismo diplomático começou então a ser exibido como a nova representação de um Brasil finalmente comprometido com a transformação das relações iníquas e injustas que sempre prevaleceram na sociedade brasileira e, de forma geral, no mundo, o que permitia oferecer um bônus extra de legitimidade política, já que supostamente identificado com as “boas causas”.

5) O lulopetismo diplomático foi exercido principalmente pelos profissionais da área, mas estreitamente vigiado, controlado e guiado pelos apparatchiks do partido, mas devidamente orientados, todos eles, pelo Nosso Guia, cuja palavra era lei, para o bem e para o mal, nas grandes definições e iniciativas então tomadas nessa projeção internacional do demiurgo da causa. Todos os padrões tradicionais da instituição se dobraram ao novo gênio da política internacional, que se permitia até zombar dos profissionais, desprezar seus subsídios mais ou menos eruditos e talhados no formato aceitável ao ambiente externo, e que foram devidamente substituídos pelas mesmas arengas de sindicalista empírico, toleradas e até saudadas como sendo à imagem e semelhança do Brasil profundo, popular e popularesco como deveria ser.

6) O lulopetismo diplomático alcançou todos os terrenos da diplomacia profissional, com ênfase nas questões regionais e do mundo em desenvolvimento em geral, este eleito como o terreno de ação privilegiada da nova doutrina, pois que supostamente em contradição política com os antigos poderes “hegemônicos”, e consequentemente aliados na grande causa mudancista em escala mundial. Todas as consultas bilaterais passaram a ser guiadas por novas “alianças estratégicas”, invariavelmente escolhidas, até preventivamente, entre parceiros supostamente engajados nas mesmas causas.

7) O lulopetismo diplomático definiu quais seriam as novas linhas de atuação, de forma independente das bases econômicas e materiais das relações internacionais do Brasil, doravante concentradas numa suposta identidade de interesses que partia das mesmas concepções políticas equivocadas que guiavam o partido em sua Weltanschauung.

8) O lulopetismo diplomático passou então a se exercer em toda a sua plenitude, primeiro para exaltar o Nosso Guia, que tinha especial prazer em reforçar sua diplomacia personalista e megalomaníaca, já visando atingir os pináculos da glória nos palcos internacionais, sobretudo nas esferas regional e africana, nas quais brilhou como nunca, na base de mistificações políticas (“sem tutela do império) e históricas (a tal de “dívida brasileira” derivada do tráfico escravo). Os profissionais da área lhe forneceram os meios e os modos de expulsar o império do âmbito regional, criando e recriando organismos que fossem exclusivamente sul-americanos ou latinos, o que correspondia inteiramente às diretrizes emanadas dos dirigentes castristas em direção de seus serviçais no partido totalitário. A ação externa se exerceu obviamente além desses interesses vinculados, mas nenhuma das iniciativas e atuações contradisse ou deixou de servir aos ditos interesses vinculados aos verdadeiros patrões espirituais do lulopetismo, doméstico e diplomático.

9) O lulopetismo diplomático foi grandioso na sua mediocridade operacional, sabendo falar grosso com os poderosos e fino com os supostos oprimidos, segundo a imagem consagrada. De forma geral, consoante o espírito e a prática do partido totalitário, o lulopetismo diplomático esteve invariavelmente do lado das, e no apoio às, piores tiranias e ditaduras do continente e alhures, desde que tais regimes servissem à causa anti-hegemônica pré-determinada e aos objetivos de “mudança nas relações de força” nos planos regional e mundial, sem esquecer a bizarra edificação de uma “nova geografia do comércio internacional”, unicamente defendida pelos companheiros.

10) O lulopetismo diplomático, justamente, substituiu a definição sensata da política comercial em função dos interesses exclusivos do setor privado – que é quem, finalmente, exporta e importa, e cria empregos e riqueza segundo seus critérios basicamente microeconômicos – para grandiosos planos de redefinição completa dos fluxos de comércio segundo parâmetros ideológicos, começando pelo unilateralismo da diplomacia Sul-Sul para se estender a uma completa estupidez proposta pelo Nosso Guia, consistindo na “substituição de importações” brasileiras em favor desses parceiros do Sul, sobretudo os regionais, mesmo que – e isto está documentado – os produtos ofertados fossem mais caros do que alternativas “hegemônicas”, uma vez que se tratava de “ajudar países mais pobres do que o Brasil”.

11) O lulopetismo diplomático consistiu, basicamente, numa política externa exótica, feita de um enorme engajamento em ambiciosas iniciativas, em grande medida fora da agenda diplomática tradicional do Itamaraty, por certo permitindo uma enorme projeção externa do Brasil (sobretudo em benefício do seu propulsionador original), mas que tampouco redundaram em ganhos permanentes para o país. A projeção externa também se deu por meio de uma exagerada expansão da representação oficial no plano bilateral – com custos cumulativos pesando permanentemente sobre um orçamento não muito elástico, além de sujeito às flutuações do câmbio – e de criação de novos organismos e foros politicamente alinhados com as preferências dos companheiros, de duvidosa utilidade do ponto de vista dos interesses nacionais. O Mercosul, por exemplo, deixou de ser um espaço de integração econômica e de liberalização comercial, para se converter num palanque político, com retrocesso real em relação a seus objetivos originais.

12) O lulopetismo diplomático se exerceu, sobretudo, segundo orientações claramente partidárias, quando não sectárias, uma vez que diversas iniciativas adotadas ou todos os apoios concedidos – aos bolivarianos da América Latina, por exemplo – seguiram as preferências ideológicas dos companheiros no poder, não uma análise isenta, de caráter técnico, feita pelos profissionais da área. O fato de haver uma diplomacia paralela, de nítido corte partidário, favorecendo regimes ditos de esquerda na região, foi expressamente reconhecido pelo próprio demiurgo, como sendo um complemento útil às relações de Estado a Estado. Daí decorreram graves infrações a dispositivos constitucionais rigorosamente observados pelo Itamaraty ao longo de toda a história diplomática brasileira – como o da não ingerência do Brasil em assuntos internos de outros países, com a recorrente interferência do Nosso Guia nos processos eleitorais em curso em países vizinhos – bem como outro aspecto sumamente preocupante para a reconstituição dos processos decisórios que envolveram questões delicadas da ação diplomática brasileira, que é a ausência de documentação sobre os temas tratados em diversos entendimentos bilaterais (justamente em tratativas com os aliados políticos preferencias, ou a propósito de negócios obscuros tratados de forma clandestina pelos companheiros envolvidos, inclusive alguns profissionais da cúpula).

13) O lulopetismo diplomático deixou atrás de si uma terra arrasada nas relações internacionais do Brasil, afetando a credibilidade externa do país e também a de sua diplomacia, e isso até mesmo no momento e depois de sua derrota política interna, já que se expressando ainda por um sem número de canais para enfatizar o “golpe” de que tinha sido objeto, e poder assim firmar a sua versão mentirosa da história tanto no plano interno quanto no externo. Como a grande fraude lulopetista conta ainda com número razoável de aliados internos e externos, os inefáveis true believers nos bons propósitos da causa, os ingênuos políticos e os subintelequituais acadêmicos, o lulopetismo diplomático vai sobreviver por certo tempo, uma vez que, mais do que fatos, ideias e concepções podem ser imorredouras quando internalizadas solidamente em mentes enviesadas.
  
Paulo Roberto de Almeida
Porto Alegre, 4 de setembro de 2016
Postar um comentário