O que é este blog?

Este blog trata basicamente de ideias, se possível inteligentes, para pessoas inteligentes. Ele também se ocupa de ideias aplicadas à política, em especial à política econômica. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre livros, sobre questões culturais em geral, focando numa discussão bem informada sobre temas de relações internacionais e de política externa do Brasil. Para meus livros e ensaios ver o website: www.pralmeida.org.

Mostrando postagens com marcador regras de diplomacia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador regras de diplomacia. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Dez novas regras da vida diplomatica - Paulo Roberto de Almeida

E já que estamos falando da carreira diplomática, reproduzo aqui, em versão muito reduzida, o que talvez seja meu texto mais amplamente reproduzido, aqui e ali, nesses mais de dez anos depois que foi elaborado pela primeira vez.
Sempre me pediram para ampliá-lo, o que eu nunca fiz por absoluta falta de tempo.
Sua repostagem aqui, ainda que numa forma muito sintética em relação ao original, deve servir de lembrete para essa ampliação requisitada.
Paulo Roberto de Almeida 

QUINTA-FEIRA, 22 DE DEZEMBRO DE 2005


62) Dez regras modernas de diplomacia


Dez Regras Modernas de Diplomacia
Paulo Roberto de Almeida

Este ensaio breve sobre as novas regras da diplomacia, me foi inspirado pela leitura de um livro de um diplomata português do século XIX: Frederico Francisco de la Figanière: Quatro regras de diplomacia (Lisboa: Livraria Ferreira, 1881, 239 p.). Ao lê-lo, passei a redigir imediatamente algumas regras mais adaptadas ao século XXI. O trabalho foi escrito originalmente entre Chicago (em 22 de julho de 2001) e depois novamente em viagem de São Paulo a Miami e daí a Washington (em 12 de agosto de 2001). Foi publicado originalmente na série “Cousas Diplomáticas” (nº 1), da revista eletrônica Espaço Acadêmico, e espero poder ampliá-lo assim que me for dada oportunidade.

Reflexões rápidas para futuro desenvolvimento...

1. Servir a pátria, mais do que aos governos, conhecer profundamente os interesses permanentes da nação e do povo aos quais serve; ter absolutamente claros quais são os grandes princípios de atuação do país a serviço do qual se encontra.
O diplomata é um agente do Estado e, ainda que ele deva obediência ao governo ao qual serve, deve ter absoluta consciência de que a nação tem interesses mais permanentes e mais fundamentais do que, por vezes, orientações momentâneas de uma determinada administração, que pode estar guiada — mesmo se em política externa isto seja mais raro — por considerações “partidárias” de reduzido escopo nacional. Em resumo, não seja subserviente ao poder político, que, como tudo mais, é passageiro, mas procure inserir uma determinada ação particular no contexto mais geral dos interesses nacionais.

2. Ter domínio total de cada assunto, dedicar-se com afinco ao estudo dos assuntos de que esteja encarregado, aprofundar os temas em pesquisas paralelas.
Esta é uma regra absoluta, que deve ser auto-assumida, obviamente. Numa secretaria de estado ou num posto no exterior, o normal é a divisão do trabalho, o que implica não apenas que você terá o controle dos temas que lhe forem atribuídos, mas que redigirá igualmente as instruções para posições negociais sobre as quais seu conhecimento é normalmente maior do que o do próprio ministro de estado ou o chefe do posto. Mergulhe, pois, nos dossiês, veja antigos maços sobre o assunto (a poeira dos arquivos é extremamente benéfica ao seu desempenho funcional), percorra as estantes da biblioteca para livros históricos e gerais sobre a questão, formule perguntas a quem já se ocupou do tema em conferências negociadoras anteriores, mantenha correspondência particular com seu contraparte no posto (ou na secretaria de estado), enfim, prepare-se como se fosse ser sabatinado no mesmo dia.

3. Adotar uma perspectiva histórica e estrutural de cada tema, situá-lo no contexto próprio, manter independência de julgamento em relação às idéias recebidas e às “verdades reveladas”.
Em diplomacia, raramente uma questão surge do nada, de maneira inopinada. Um tema negocial vem geralmente sendo “amadurecido” há algum tempo, antes de ser inserido formalmente na agenda bilateral ou multilateral. Estude, portanto, todos os antecedentes do assunto em pauta, coloque-o no contexto de sua emergência gradual e no das circunstâncias que presidiram à sua incorporação ao processo negocial, mas tente dar uma perspectiva nova ao tema em questão. Não hesite em contestar os fundamentos da antiga posição negociadora ou duvidar de velhos conceitos e julgamentos (as idées reçues), se você dispuser de novos elementos analíticos para tanto.

4. Empregar as armas da crítica ao considerar posições que devam ser adotadas por sua delegação; praticar um ceticismo sadio sobre prós e contras de determinadas posições; analisar as posições “adversárias”, procurando colocá-las igualmente no contexto de quem as defende.
Ao receber instruções, leia-as com o olho crítico de quem já se dedicou ao estudo da questão e procure colocá-las no contexto negocial efetivo, geralmente mais complexo e matizado do que a definição de posições in abstracto, feita em ambiente destacado do foro processual, sem interação com os demais participantes do jogo diplomático. Considerar os argumentos da parte adversa também contribui para avaliar os fundamentos de sua própria posição, ajudando a revisar conceitos e afinar seu próprio discurso. Uma saudável atitude cética — isto é, sem negativismos inconseqüentes — ajuda na melhoria constante da posição negociadora de sua chancelaria.

5. Dar preferência à substância sobre a forma, ao conteúdo sobre a roupagem, aos interesses econômicos concretos sobre disposições jurídico-abstratas.
Os puristas do direito e os partidários da “razão jurídica” hão de me perdoar a deformação “economicista”, mas os tratados internacionais devem muito pouco aos sacrossantos princípios do direito internacional, e muito mais a considerações econômicas concretas, por vezes de reduzido conteúdo “humanitário”, mas dotadas, ao contrário, de um impacto direto sobre os ganhos imediatos de quem as formula. Como regra geral, não importa quão tortuosa (e torturada) sua linguagem, um acordo internacional representa exatamente — às vezes de forma ambígua — aquilo que as partes lograram inserir em defesa de suas posições e interesses concretos. Portanto, não lamente o estilo “catedral gótica” de um acordo específico, mas assegure-se de que ele contém elementos que contemplem os interesses do país.

6. Afastar ideologias ou interesses político-partidários das considerações relativas à política externa do país.
A política externa tende geralmente a elevar-se acima dos partidos políticos, bem como a rejeitar considerações ideológicas, mas sempre somos afetados por nossas próprias atitudes mentais e algumas “afinidades eletivas” que podem revelar-se numa opção preferencial por um determinado tipo de discurso, “mais engajado”, em lugar de outro, supostamente mais “neutro”. Poucos acreditam no “caráter de classe” da diplomacia, mas eventualmente militantes “classistas” gostariam de ajudar na “inflexão” política ou social de determinadas posições assumidas pelo país internacionalmente, sobretudo quando os temas da agenda envolvem definição de regras que afetam agentes econômicos e expectativas de ganhos relativos para determinados setores de atividade. Deve-se buscar o equilíbrio de posições e uma definição ampla, verdadeiramente nacional, do que seja interesse público relevante.

7. Antecipar ações e reações em um processo negociador, prever caminhos de conciliação e soluções de compromisso, nunca tentar derrotar completamente ou humilhar a parte adversa.
O soldado e o diplomata, como ensinava Raymond Aron, são os dois agentes principais da política externa de um Estado — embora atualmente outras forças sociais, como as ONGs e os homens de negócio, disputem espaço nos mecanismos decisórios burocráticos — mas, à diferença do primeiro, o segundo não está interessado em ocupar território inimigo ou destruir sua capacidade de resistência. Ainda que, em determinadas situações negociais, o interesse relevante do país possa ditar alguma instrução do tipo “vá ao plenário com todas as suas armas (argumentativas) e não faça prisioneiros”, o confronto nunca é o melhor método para lograr vitória num processo negociador complexo. A situação ideal é aquela na qual você “convence” as outras partes negociadoras de que aquela solução favorecida por seu governo é a que melhor contempla os interesses de todos os participantes e na qual as partes saem efetivamente convencidas de que fizeram o melhor negócio, ou pelo menos deram a solução possível ao problema da agenda.

8. Ser eficiente na representação, ser conciso e preciso na informação, ser objetivo na negociação.
Considere-se um agente público que participa de um processo decisório relevante e convença-se de que suas ações terão um impacto decisivo para sua geração e até para a história do país: isto já é um bom começo para dar dignidade à função de representação que você exerce em nome de todos os seus concidadãos. Redija com clareza seus relatórios e seja preciso nas instruções, ainda que dando uma certa latitude ao agente negocial direto; não tente fazer literatura ao redigir um anódino memorandum, ainda que um mot d’esprit aqui e ali sempre ajuda a diminuir a secura burocrática dos expedientes oficiais. Via de regra, estes devem ter um resumo inicial sintetizando o problema e antecipando a solução proposta, um corpo analítico desenvolvendo a questão e expondo os fundamentos da posição que se pretende adotar, e uma finalização contendo os objetivos negociais ou processuais desejados. No foro negociador, não tente esconder seus objetivos sob uma linguagem empolada, mas seja claro e preciso ao expor os dados do problema e ao propor uma solução de compromisso em benefício de todas as partes.

9. Valorize a carreira diplomática sem ser carreirista, seja membro da corporação sem ser corporativista, não torne absolutas as regras hierárquicas, que não podem obstaculizar a defesa de posições bem fundamentadas.
Geralmente se entra na carreira diplomática ostentando certo temor reverencial pelos mais graduados, normalmente tidos como mais “sábios” e mais preparados do que o iniciante. Mas, se você se preparou adequada e intensamente para o exercício de uma profissão que corresponde a seus anseios intelectuais e responde a seu desejo de servir ao país mais do que aos pares, não se deixe intimidar pelas regras da hierarquia e da disciplina, mais próprias do quartel do que de uma chancelaria. Numa reunião de formulação de posições, exponha com firmeza suas opiniões, se elas refletem efetivamente um conhecimento fundamentado do problema em pauta, mesmo se uma “autoridade superior” ostenta uma opinião diversa da sua. Trabalhe com afinco e dedicação, mas não seja carreirista ou corporativista, pois o moderno serviço público não deve aproximar-se dos antigos estamentos de mandarins ou das guildas medievais, com reservas de “espaço burocrático” mais definidas em função de um sistema de “castas” do que do próprio interesse público. A competência no exercício das funções atribuídas deve ser o critério essencial do desempenho no serviço público, não o ativismo em grupos restritos de interesse puramente umbilical.

10. Não faça da diplomacia o foco exclusivo de suas atividades intelectuais e profissionais, pratique alguma outra atividade enriquecedora do espírito ou do físico, não coloque a carreira absolutamente à frente de sua família e dos amigos.
A performance profissional é importante, mas ela não pode ocupar todo o espaço mental do servidor, à exclusão de outras atividades igualmente valorizadas socialmente, seja no esporte, seja no terreno da cultura ou da arte. Uma dedicação acadêmica é a que aparentemente mais se coaduna com a profissão diplomática, mas quiçá isso represente uma deformação pessoal do autor destas linhas. Em todo caso, dedique-se potencialmente a alguma ocupação paralela, ou volte sua mente para um hobby absorvente, de maneira a não ser apenas um “burocrata alienado”, voltado exclusivamente para as lides diplomáticas. Sim, e por mais importante que seja a carreira diplomática para você, não a coloque na frente da família ou de outras pessoas próximas. Muitos se “sentem” sinceramente diplomatas, outros apenas “estão” diplomatas, mas, como no caso de qualquer outra profissão, a diplomacia não pode ser o centro exclusivo de sua vida: os seres humanos, em especial as pessoas da família, são mais importantes do que qualquer profissão ou carreira.


4 COMENTÁRIOS:

Anônimo disse...
Dr Paulo, como mae de uma candidata ao Itamaraty, tenho feito pesquisas sobre livros e metodologias prioritarias de estudo. Seus sites sobre o assunto tem nos ajudado muito na dificil tarefa de selecionar material adequado.Gostaria de parabeniza-lo especialmente pelas 10 regras diplomaticas. Foi reconfortador encontrar um ser humano de calibre, com valores humanos e ético.
Anônimo disse...
Sábios conselhos! Só que talvez eu fizesse do item 10 o primeiro mandamento desse decálogo... Abraço!
Luciane Mirella disse...
Nesse momento estou decidindo enveredar-me definitivamente na luta por uma vaga no instituto Rio Branco e o que mais pesa na decisão é a escolha a fazer entre a vida profissional e pessoal. A vida de diplomata é assim tão instável?
Walace Ferreira - 25 anos disse...
Excepcionais as reflexões acima. Brilhante a colocação final. Complementaria dizendo que sem a família ou o prazer de levantar a cada dia e amar a vida, nenhuma profissão pode fazer sentido ao ser humano. Sobretudo quando se trata de diplomacia, onde mais que ser portador da razão e do conhecimento, esses elementos constituem-se na base para um excelente trabalho. Só um profundo conhecedor da paixão, frutificada e amadurecida no dia-a-dia com as relações sociais, pode servir com afinco e humanidade a sua nação.

Walace Ferreira.


segunda-feira, 21 de maio de 2012

Minhas dez regras de diplomacia: não custa relembrar -

As regras abaixo, foram redigidas por mim mais de dez anos atrás -- mais exatamente em agosto de 2001 -- e sua formulação e redação foram inspiradas a partir da leitura de quatro regras diplomáticas de um colega português do século XIX (como pode ser lido em meu artigo original: http://www.espacoacademico.com.br/004/04almeida.htm).
Acredito que elas sejam válidas, ainda, como de vez em quando me lembra um leitor de meu site ou blog.
Sendo assim, talvez haja interesse em reproduzi-las aqui, relembrando que elas foram escritas em benefício dos mais jovens, que podem eventualmente ficar intimidados por uma carreira que tem algo de Vaticano, como sempre digo...
Paulo Roberto de Almeida 


Dez regras de diplomacia


1. Servir a pátria, mais do que aos governos, conhecer profundamente os interesses permanentes da nação e do povo aos quais serve; ter absolutamente claros quais são os grandes princípios de atuação do país a serviço do qual se encontra.
O diplomata é um agente do Estado e, ainda que ele deva obediência ao governo ao qual serve, deve ter absoluta consciência de que a nação tem interesses mais permanentes e mais fundamentais do que, por vezes, orientações momentâneas de uma determinada administração, que pode estar guiada — mesmo se em política externa isto seja mais raro — por considerações “partidárias” de reduzido escopo nacional. Em resumo, não seja subserviente ao poder político, que, como tudo mais, é passageiro, mas procure inserir uma determinada ação particular no contexto mais geral dos interesses nacionais.
2. Ter domínio total de cada assunto, dedicar-se com afinco ao estudo dos assuntos de que esteja encarregado, aprofundar os temas em pesquisas paralelas.
Esta é uma regra absoluta, que deve ser auto-assumida, obviamente: numa secretaria de estado ou num posto no exterior, o normal é a divisão do trabalho, o que implica não apenas que você terá o controle dos temas que lhe forem atribuídos, mas que redigirá igualmente as instruções para posições negociais sobre as quais seu conhecimento é normalmente maior do que o do próprio ministro de estado ou o chefe do posto. Mergulhe, pois, nos dossiers, veja antigos maços sobre o assunto (a poeira dos arquivos é extremamente benéfica ao seu desempenho funcional), percorra as estantes da biblioteca para livros históricos e gerais sobre a questão, formule perguntas a quem já se ocupou do tema em conferências negociadoras anteriores, mantenha correspondência particular com seu contraparte no posto (ou na secretaria de estado), enfim, prepare-se como se fosse ser sabatinado no mesmo dia.
3. Adotar uma perspectiva histórica e estrutural de cada tema, situá-lo no contexto próprio, manter independência de julgamento em relação às idéias recebidas e às “verdades reveladas”.
Em diplomacia, raramente uma questão surge do nada, de maneira inopinada. Um tema negocial vem geralmente sendo “amadurecido” há algum tempo, antes de ser inserido formalmente na agenda bilateral ou multilateral. Estude, portanto, todos os antecedentes do assunto em pauta, coloque-o no contexto de sua emergência gradual e no das circunstâncias que presidiram à sua incorporação ao processo negocial, mas tente dar uma perspectiva nova ao tema em questão. Não hesite em contestar os fundamentos da antiga posição negociadora ou duvidar de velhos conceitos e julgamentos (as idées reçues), se você dispuser de novos elementos analíticos para tanto.
4. Empregar as armas da crítica ao considerar posições que devam ser adotadas por sua delegação; praticar um ceticismo sadio sobre prós e contras de determinadas posições; analisar as posições “adversárias”, procurando colocá-las igualmente no contexto de quem as defende.
Ao receber instruções, leia-as com o olho crítico de quem já se dedicou ao estudo da questão e procure colocá-las no contexto negocial efetivo, geralmente mais complexo e matizado do que a definição de posições in abstracto, feita em ambiente destacado do foro processual, sem interação com os demais participantes do jogo diplomático. Considerar os argumentos da parte adversa também contribui para avaliar os fundamentos de sua própria posição, ajudando a revisar conceitos e afinar seu próprio discurso. Uma saudável atitude cética — isto é, sem negativismos inconseqüentes — ajuda na melhoria constante da posição negociadora de sua chancelaria.
5. Dar preferência à substância sobre a forma, ao conteúdo sobre a roupagem, aos interesses econômicos concretos sobre disposições jurídico-abstratas.
Os puristas do direito e os partidários da “razão jurídica” hão de me perdoar a deformação “economicista”, mas os tratados internacionais devem muito pouco aos sacrossantos princípios do direito internacional, e muito mais a considerações econômicas concretas, por vezes de reduzido conteúdo “humanitário”, mas dotadas, ao contrário, de um impacto direto sobre os ganhos imediatos de quem as formula. Como regra geral, não importa quão tortuosa (e torturada) sua linguagem, um acordo internacional representa exatamente — às vezes de forma ambígua — aquilo que as partes lograram inserir em defesa de suas posições e interesses concretos. Portanto, não lamente o estilo “catedral gótica” de um acordo específico, mas assegure-se de que ele contém elementos que contemplem os interesses do país.
6. Afastar ideologias ou interesses político-partidários das considerações relativas à política externa do país.
A política externa tende geralmente a elevar-se acima dos partidos políticos, bem como a rejeitar considerações ideológicas, mas sempre somos afetados por nossas próprias atitudes mentais e algumas “afinidades eletivas” que podem revelar-se numa opção preferencial por um determinado tipo de discurso, “mais engajado”, em lugar de outro, supostamente mais “neutro”. Poucos acreditam no “caráter de classe” da diplomacia, mas eventualmente militantes “classistas” gostariam de ajudar na “inflexão” política ou social de determinadas posições assumidas pelo país internacionalmente, sobretudo quando os temas da agenda envolvem definição de regras que afetam agentes econômicos e expectativas de ganhos relativos para determinados setores de atividade. Deve-se buscar o equilíbrio de posições e uma definição ampla, verdadeiramente nacional, do que seja interesse público relevante.
7. Antecipar ações e reações em um processo negociador, prever caminhos de conciliação e soluções de compromisso, nunca tentar derrotar completamente ou humilhar a parte adversa.
O soldado e o diplomata, como ensinava Raymond Aron, são os dois agentes principais da política externa de um Estado — embora atualmente outras forças sociais, como as ONGs e os homens de negócio, disputem espaço nos mecanismos decisórios burocráticos — mas, à diferença do primeiro, o segundo não está interessado em ocupar território inimigo ou destruir sua capacidade de resistência. Ainda que, em determinadas situações negociais, o interesse relevante do país possa ditar alguma instrução do tipo “vá ao plenário com todas as suas armas (argumentativas) e não faça prisioneiros”, o confronto nunca é o melhor método para lograr vitória num processo negociador complexo. A situação ideal é aquela na qual você “convence” as outras partes negociadoras de que aquela solução favorecida por seu governo é a que melhor contempla os interesses de todos os participantes e na qual as partes saem efetivamente convencidas de que fizeram o melhor negócio, ou pelo menos deram a solução possível ao problema da agenda.
8. Ser eficiente na representação, ser conciso e preciso na informação, ser objetivo na negociação.
Considere-se um agente público que participa de um processo decisório relevante e convença-se de que suas ações terão um impacto decisivo para sua geração e até para a história do país: isto já é um bom começo para dar dignidade à função de representação que você exerce em nome de todos os seus concidadãos. Redija com clareza seus relatórios e seja preciso nas instruções, ainda que dando uma certa latitude ao agente negocial direto; não tente fazer literatura ao redigir um anódino memorandum, ainda que um mot d’esprit aqui e ali sempre ajuda a diminuir a secura burocrática dos expedientes oficiais. Via de regra, estes devem ter um resumo inicial sintetizando o problema e antecipando a solução proposta, um corpo analítico desenvolvendo a questão e expondo os fundamentos da posição que se pretende adotar, e uma finalização contendo os objetivos negociais ou processuais desejados. No foro negociador, não tente esconder seus objetivos sob uma linguagem empolada, mas seja claro e preciso ao expor os dados do problema e ao propor uma solução de compromisso em benefício de todas as partes.
9. Valorize a carreira diplomática sem ser carreirista, seja membro da corporação sem ser corporatista, não torne absolutas as regras hierárquicas, que não podem obstaculizar a defesa de posições bem fundamentadas.
Geralmente se entra na carreira diplomática ostentando um certo temor reverencial pelos mais graduados, normalmente tidos como mais “sábios” e mais preparados do que o iniciante. Mas, se você se preparou adequada e intensamente para o exercício de uma profissão que corresponde a seus anseios intelectuais e responde a seu desejo de servir ao país mais do que aos pares, não se deixe intimidar pelas regras da hierarquia e da disciplina, mais próprias do quartel do que de uma chancelaria. Numa reunião de formulação de posições, exponha com firmeza suas opiniões, se elas refletem efetivamente um conhecimento fundamentado do problema em pauta, mesmo se uma “autoridade superior” ostenta uma opinião diversa da sua. Trabalhe com afinco e dedicação, mas não seja carreirista ou corporatista, pois o moderno serviço público não deve aproximar-se dos antigos estamentos de mandarins ou das guildas medievais, com reservas de “espaço burocrático” mais definidas em função de um sistema de “castas” do que do próprio interesse público. A competência no exercício das funções assignadas deve ser o critério essencial do desempenho no serviço público, não o ativismo em grupos restritos de interesse puramente umbilical.
10. Não faça da diplomacia o foco exclusivo de suas atividades intelectuais e profissionais, pratique alguma outra atividade enriquecedora do espírito ou do físico, não coloque a carreira absolutamente à frente de sua família e dos amigos.
A performance profissional é importante, mas ela não pode ocupar todo o espaço mental do servidor, à exclusão de outras atividades igualmente valorizadas socialmente, seja no esporte, seja no terreno da cultura ou da arte. Uma dedicação acadêmica é a que aparentemente mais se coaduna com a profissão diplomática, mas quiçá isso represente uma deformação pessoal do autor destas linhas. Em todo caso, dedique-se potencialmente a alguma ocupação paralela, ou volte sua mente para um hobby absorvente, de maneira a não ser apenas um “burocrata alienado”, voltado exclusivamente para as lides diplomáticas. Sim, e por mais importante que seja a carreira diplomática para você, não a coloque na frente da família ou de outras pessoas próximas. Muitos se “sentem” sinceramente diplomatas, outros apenas “estão” diplomatas, mas, como no caso de qualquer outra profissão, a diplomacia não pode ser o centro exclusivo de sua vida: os seres humanos, em especial as pessoas da família, são mais importantes do que qualquer profissão ou carreira.
Paulo Roberto de Almeida 

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Regras de monges, regras de diplomatas: iguais?

Estou lendo este livro: 

Règles des moines(Pacôme, Augustin, Benoit, François d'Assise, Carmel)Introduction e notes de: Jean-Pie Lapierre

L'histoire de ces chrétiens qui ont voulu faire de l'unique nécessaire le seul but de leur vie, la manière dont ils ont essayé de vivre et de réaliser ensemble cette volonté, les Règles monastiques en sont les témoins directs.
Le choix de Règles présentées ici a été réalisé en fonction de leur importance, de leur variété, de leur diffusion et aussi de leurs transformations à travers les temps, les usages et les lieux. Ce volume contient les Règles de saint Pacôme (version éthiopienne), de saint Augustin (Lettre 2.II), de saint Benoît (traduite par Dom Guéranger), ainsi que les Règles primitives de saint François d'Assise (traduite par Alexandre Masseron) et du Mont Carmel (traduite par François de Sainte-Marie)

(Éditions Albin Michel, 1959)Paris: Éditions du Seuil, 1982Collection Points, Sagesses

Estou lendo-o desde vários dias, aliás desde 26 de janeiro, quando o adquiri no lugar mais apropriado para isto: a Abadia de Sénanques, no Louberon, perto de Gordes, que visitamos na mesma ocasião.
Ver minha crônica a respeito, neste link: 

DOMINGO, 29 DE JANEIRO DE 2012

Ao lê-lo, não pude evitar uma aproximação com minha série de "Clássicos Revisitados", isto é, a releitura de livros antigos, por vezes antiquíssimos, com os olhos postos na modernidade, para ver o que se mantém, o que pereceu, nessas grandes obras da cultura universal. Já fiz isso com Karl Marx -- reescrevendo o Manifesto Comunista em meu livro Velhos e Novos Manifestos: o socialismo na era da globalização (1999) --, com Tocqueville -- mas apenas uma introdução até aqui, num artigo chamado "De la Démocratie au Brésil: Tocqueville de novo em missão"--, com Maquiavel -- tendo reescrito sua mais famosa obra, O Moderno Príncipe: Maquiavel revisitado (2010) -- e também com Sun Tzu -- mas aqui num sentido metafórico, já que não poderia ser, por contraditório, "A Arte da Guerra para Diplomatas" e acabou sendo "Sun Tzu para Diplomatas"; outras versões de clássicos estão em preparação, e serão anunciadas no devido tempo.Agora, ao ler as regras de São Benedito (ou São Bento, como preferem alguns, inclusive o papa), ou Saint Benoît, no livro, na verdade Benedictus, em latim, ou Benedetto, no original (já que ele nasceu em Norcia, na Umbria, Itália), eu constatei, imediatamente, que as mesmas regras conviriam perfeitamente para a vida diplomática.Tive assim o cuidado de converter suas 73 regras da vida monástica em 73 regras da vida diplomática, conservando o espírito e observando a temática de cada uma delas, exatamente ou quase simetricamente.Como eu já escrevi, dez anos atrás, as: Dez Regras Modernas de Diplomacia (2001)creio que está em tempo de escrever agora estas 73 regras da vida diplomática, que se parece muito com uma vida monástica (ou não?). Enfim, as opiniões divergem, e se estivéssemos em outros tempos (Torquemada, por exemplo), alguns até terminariam na fogueira, mas não custa pensar que os diplomatas são pessoas tão devotadas quanto os monges beneditinos...Afinal de contas, como nos princípios beneditinos originais, os diplomatas também se caracterizam pela moderação (sobretudo discrição), pela gravidade (seriedade), pela austeridade (salvo nos coqueteis e recepções, mas isso é raro) e pela suavidade (alguns até demais). Somos moderados na bebida, na comida, na palavra, no sono, mantemos silêncio sempre quando necessário (e tem até uma lei da mordaça para nos lembrar desse voto involuntário), renunciamos a toda glória e riqueza, e sobretudo somos pacientes, bondosos com todo mundo, queremos um mundo de paz, de carinho, de felicidade eterna e temperança. Nos dedicamos a muita leitura e muito trabalho, algumas vezes até manual, e estamos sempre a serviço de algum Senhor, seja ele qual for.Somos ou não somos beneditinos, monásticos? A conferir...Paulo Roberto de AlmeidaDas Novas Regras Monástico-Diplomáticas

1. Das diversas espécies de diplomatas
2. Quem deve ser o chefe dos diplomatas
3. Como é preciso formar um Conselho de diplomatas
4. Quais são os instrumentos de seu trabalho
5. Da obediência dos diplomatas
6. Do silêncio dos diplomatas
7. Da humildade dos diplomatas
8. Dos trabalhos necessários em horas noturnas
9. Como se comportar fora do trabalho
10. Como se portar fora do contexto diplomático
11. Do trabalho nos fins de semana
12. Como dar início a um dia de trabalho diplomático
13. Como desenvolver os encargos correntes
14. Dos plantões em ocasiões especiais
15. Da orientação geral nas funções diplomáticas
16. Como distribuir encargos e funções diplomáticos
17. Como preparar as posturas e posições negociadoras
18. Qual a ordem e a estrutura dos papeis de posição
19. Quais cuidados formais adotar nesses papeis de posição
20. Dos cuidados com a hierarquia
21. Dos superiores na carreira
22. Quando guardar pausa no trabalho
23. Das faltas cometidas no trabalho
24. Das penas e sanções por conduta faltosa
25. Das mutações compulsórias
26. Das recusas de mutações
27. Das insuficiências no trabalho corrente
28. Dos procedimentos excepcionais
29. Como se admitem novos diplomatas
30. Como treinar novos recrutas
31. Das tarefas administrativas
32. Da conservação do patrimônio
33. Ferramentas públicas e privadas
34. Da paga ordinária dos diplomatas
35. Das prebendas associadas
36. Da incapacitação por motivo de saúde
37. Da incapacitação plena e irrecorrível
38. Dos que exibem faculdades docentes
39. Das recepções e galanteios
40. A correta medida da bebida
41. O quanto de prazer e de trabalho
42. O que falar e o que calar
43. O que registrar para os anais
44. Dos improdutivos renitentes
45. Do bom estilo nos registros
46. Do que é público e do que é reservado
47. Do planejamento e da organização
48. Do que é manual e do que é intelectual
49. Da observância das grandes datas
50. Das ausências temporárias ou ocasionais
51. Das viagens a serviço
52. Da necessidade de localização
53. Da recepção dos convidados
54. Da correspondência pública e privada
55. De como devem se vestir os diplomatas
56. Dos lazeres e das distrações
57. Dos artistas e poetas na carreira
58. Da maneira de instruir os mais jovens
59. Das distinções sociais na carreira: descendentes de nobres e filhos de ações afirmativas
60. Dos que persistem em permanecer na carreira mesmo depois do seu termo
61. Dos colegas estrangeiros e como recebê-los
62. Da ascensão funcional e como administrá-la
63. Da hierarquia que se deve guardar
64. Do diretor máximo e o que ele faz
65. Do corregedor das más condutas
66. Dos agentes de segurança e dos guardiões
67. Dos diplomatas que se afastam para outras missões
68. Das missões impossíveis
69. Da solidariedade entre iguais
70. Do respeito que se deve ter reciprocamente
71. Da mútua consideração
72. Do zelo que se deve ter pela instituição
73. Que a justiça prevaleça em todos os casos


Paulo Roberto de Almeida
(Lyon, 28/01/2012; Paris, 2/02/2012)